Início Altcoin Waves e o futuro da tokenização

Waves e o futuro da tokenização

639
0

A blockchain é uma tecnologia em rápida evolução, que está no centro de um duro debate regulatório. Isso se aplica a todos os aspectos, seja executando uma venda de token, negociação de criptos ou tokens, em particular. Atualmente, existem três tipos de tokes: utility, equity e securities. Qual é a diferença entre eles e quais problemas cada um deles tem?

Utility Token

Esse é o tipo de token menos debatido. Um utility token representa o acesso ao produto ou serviço de uma empresa. Não está vinculado a qualquer ativo negociável. Os utility token pode ser comparado a cupom ou voucher. Os pontos nos programas de fidelidade ou desconto são um bom exemplo de caso de uso de um utility token.

Security Token

Security token fornece aos seus compradores uma participação na empresa, portanto, os detentores dos tokens têm direito também aos direitos de propriedade. Como esses tokens são garantidos por ativos negociáveis, eles estão sujeitos às regulamentações e instituições legais, incluindo a SEC nos EUA. Atualmente, a maioria das ofertas iniciais de moedas (ICOs, na sigla em inglês) estão se esforçando para garantir que seus tokens não sejam classificados como securities. Para que o token seja classificado como security, ele deve atender aos requisitos do Howey Test.

“O Equity token é o próximo marco importante para as criptos. A Waves é tecnicamente excepcional para o suporte a security tokens. A próxima grande novidade em sua exchange, a Waves DEX, é a negociação de security tokens” – disse Sasha Ivanov, CEO da Waves.

Equity Token

O equity token é algo entre o utility e security, e sua regulamentação legal não é clara. Eles são às vezes chamados de “securities não registrados” porque oferecem uma forma de equidade nos projetos dos quais são comprados. Obviamente, esses tipos de tokens exigem uma estrutura legal complexa.

Existem outros aspectos a serem levados em consideração. É isso que pensa o CEO da Waves Sasha Ivanov:

Há um debate em andamento sobre utility e equity tokens, sem nenhum fim à vista. O consenso atual está mais próximo da seguinte postura: as SECs do mundo têm de regular todos os security tokens, ou seja, os tokens vinculados ao fluxo de caixa de um capital ou de um negócio e não precisam regular utility tokens. Tudo bem, mas quem decide se um determinado token tem alguma utilidade real? Os reguladores não fazem isso – tem que haver outra pessoa (a SEC simplesmente não teria o conhecimento técnico, mesmo que quisesse).

Outra situação – Suponha que eu emita um token Ethereum e afirme que ele será posteriormente trocado por um utility token muito útil, ou ganhará novo uso como um utility token. Efetivamente, não emiti um utility token, emiti uma garantia e, portanto, essas ICOs precisam ser reguladas como security ICOs. Espero que algumas outras entidades governamentais com um histórico técnico mais profundo regulem essas vendas simbólicas em breve (como ministérios de comunicação, agências especiais de TI, etc.).

Como qualquer coisa relacionada à blockchain, a classificação de tokens e sua regulamentação é um fenômeno complexo. Desde a sua criação, a Waves contribuiu significativamente para estabelecer uma estrutura legal em torno dessas preocupações. Como diz Sasha:

“Queremos que a nossa DEX seja a primeira exchange descentralizada regulamentada, pois que todas as DEX bem-sucedidas ainda precisarão de algum tipo de política KYC e AML. Blockchain é o futuro da negociação de securities, e nós vamos liderar este mercado.”

Compre e Venda Bitcoin, Ethereum, Litecoin e Decred de maneira simples, rápida e segura !!CLIQUE AQUI