Início Notícias Venezuela terá duas moedas oficiais a partir da próxima semana

Venezuela terá duas moedas oficiais a partir da próxima semana

754
0

No final de julho, o presidente da Venezuela Nicolás Maduro anunciou a criação de uma nova moeda nacional, o “bolívar soberano”. De acordo com informações da mídia local, a nova moeda será atrelada à criptomoeda oficial do país, o Petro.

Agora, a data para a implantação da nova moeda já está definida: será na próxima segunda-feira, 20 de agosto. A medida, de acordo com o site Bitcoin.com, aponta que o país terá duas unidades oficiais de conta – a criptomoeda patrocinada pelo petróleo, o Petro, e o bolívar soberano, confirmando os comentários feitos pelo presidente no mês passado.

Em um discurso televisionado nesta segunda-feira, 13 de agosto, que também foi veiculado no Twitter, o chefe de Estado venezuelano afirmou:

“A partir da próxima segunda-feira, a Venezuela terá uma segunda unidade de conta baseada no preço, o valor do Petro. Começará a operar como a unidade de conta obrigatória para a nossa companhia de petróleo (PDVSA).”

De acordo com o anúncio, o “bolívar soberano” terá cinco zeros a menos que o “bolívar forte”, a altamente depreciada moeda local, cuja previsão de inflação diz que ultrapassará 1 milhão por cento até o final deste ano, de acordo com as projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI). As notas do bolívar soberano devem entrar em circulação já na próxima semana.

Citado pela ABC Internacional, o presidente explica que a Venezuela terá o “petro” e o “bolívar soberano” como unidades de conta a partir de 20 de agosto, quando a conversão monetária entrará em vigor. Na prática, o país terá duas moedas oficiais.

Ainda na segunda-feira, Maduro disse que o Banco Central da Venezuela (BCV), o banco central do país, começará a publicar dados oficiais sobre a cotação do bolívar soberano em relação ao Petro e também sobre o valor da criptomoeda nacional em relação às outras moedas internacionais. Sem fornecer mais detalhes, o presidente ordenou aos ministros responsáveis pela economia que explicassem as medidas ao público no decorrer desta semana.

“A Venezuela terá um indicador oficial e real […] para que as especulações com a moeda venezuelana cheguem ao fim”, disse Maduro.

Preços e salários

Para “facilitar uma transição suave”, o governo declarou que o dia 20 de agosto, data de lançamento da nova moeda, será um feriado. Tanto o bolívar soberano quanto o bolívar forte circularão juntos por algum tempo, até que a moeda antiga seja eliminada. Nicolás Maduro garantiu aos venezuelanos que o BCV e os outros bancos públicos e privados já possuem as novas cédulas e estão se adaptando para implementar as mudanças.

O presidente venezuelano também disse que as autoridades se preparam para introduzir e esclarecer novos mecanismos para determinar salários e preços de bens e serviços, novamente ancorados ao Petro. Em suas palavras, elas levarão a uma melhoria substancial na renda dos trabalhadores venezuelanos e à restauração do mecanismo de teto de preços no varejo.

Cabe destacar que o Petro está, teoricamente, disponível para uso em pagamentos no país desde abril. Caracas também anunciou quatro zonas econômicas especiais onde bens e serviços podem ser pagos com a criptomoeda nacional, mas a escala das transações realizadas até agora é desconhecida.

O desafio do governo venezuelano será recuperar a credibilidade de sua moeda oficial e conter a ascensão do uso de criptomoedas fora do controle de seu governo, como Dash, Ether e o próprio Bitcoin. Para se ter uma ideia do nível de desvalorização da atual moeda do país, quem possui Bitcoins chega a ver o seu patrimônio, em termos de bolívares, dobrar de valor a cada 18 dias. Com um nível de credibilidade baixíssimo entre a sua própria população, resta saber se o projeto da nova moeda irá realmente vingar.