Início Notícias Veja 5 razões pelas quais os investidores institucionais estão entrando no universo...

Veja 5 razões pelas quais os investidores institucionais estão entrando no universo das criptomoedas

576
0
Veja 5 razões pelas quais os investidores institucionais estão entrando no universo das criptomoedas

2018 tem sido um ano agitado para o Bitcoin e as outras criptomoedas. Especialistas da indústria afirmam que o mercado está se corrigindo, e a razão para isso pode ser atribuída à incerteza regulatória que ainda persiste com relação às criptomoedas. Vários países tomaram uma posição a favor ou contra os criptomoedas, e muitos deles ainda estão no processo de avaliar as criptomoedas antes de declarar seu veredicto. No entanto, recentes notícias, como o banco Goldman Sachs considerando o lançamento de serviços de custódia de criptomoedas e exchanges como a Coinbase adicionando novas criptomoedas aos seus serviços de custódia, apontam para o crescente interesse de investidores institucionais em criptoativos.

A agência de notícias News BTC listou 5 razões pelas quais as criptomoedas serão a próxima grande aposta para os investidores institucionais. Confira!

1. Aprimoramento dos serviços de custódia

A Coinbase anunciou recentemente que está considerando a inclusão de novos criptoativos em seus serviços de custódia para permitir que investidores institucionais armazenem seus ativos de criptomoedas com segurança. As novas adições provavelmente foram estimuladas por uma demanda potencial de serviços de custódia para essas criptomoedas, o que também revela que os investidores institucionais estão procurando outras criptomoedas que não sejam Bitcoin e Ethereum para investimento.

O banco norte-americano Goldman Sachs também está considerando oferecer serviços de custódia de criptomoedas que aparentemente ajudarão a superar a barreira da falta de custódia confiável para investidores institucionais. A Ledger, fabricante carteiras hardware de criptomoedas, anunciou também o seu apoio a oito novas criptomoedas recentemente.

2. Posição da SEC dos EUA sobre criptoativos

Embora a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês) tenha rejeitado o ETF de Bitcoin dos irmãos Winklevoss, sua postura em relação às criptomoedas parece bastante positiva. Ela destacou que a desaprovação da proposta não se baseava na avaliação de se o Bitcoin e a tecnologia blockchain tem utilidade ou valor como inovação ou investimento, e sim devido à inadequação de ferramentas para evitar fraudes e manipulações com os clientes.

Kin-Wai Lau, CEO do grupo Fatfish Internet, disse recentemente em uma entrevista que o mundo está experimentando uma segunda onda de criptomoedas que está sendo impulsionada pela demanda institucional, e é apenas uma questão de tempo até que a SEC abra suas portas para esses ativos digitais.

3. Regulamentação de ETFs de criptomoedas em voga

Após a rejeição do ETF de Bitcoin dos irmãos Winklevoss, a SEC analisará os 9 ETFs nos próximos dois meses e anunciará sua decisão final sobre seu status. A SEC destacou que está aberta à possibilidade de aprovar os derivados criptoativos no futuro. Enquanto isso, na Europa, a plataforma de trade Flow Traders NV, com sede em Amsterdã, Holanda, anunciou que estava expandindo seus produtos comerciais para as notas negociadas em bolsa (ETNs), baseadas em Bitcoin e Ether.

Na Ásia, a exchange de Huobi, com sede em Cingapura, revelou em junho que estava criando seu próprio ETF. Com todos esses esforços sendo feitos para lançar ETFs, o dia que o mundo verá seu primeiro ETF de criptomoeda parece não estar longe.

4. Desempenho passado das criptomoedas

Não é segredo que a natureza não regulamentada das criptomoedas é uma faca de dois gumes. Uma de suas conseqüências favoráveis tem sido o rápido crescimento que elas testemunharam desde a sua criação. O Bitcoin, entre 2012 e 2016, testemunhou um crescimento anual de cerca de 106%, o que é 6,5 vezes mais do que as ações de tecnologia regulares. De fato, apenas no ano passado, o Bitcoin registrou um crescimento de 1.318%, com seu maior valor em US$19.783 em 17 de dezembro de 2017. A Ripple foi a maior ganhadora em 2017, com 36.018% de crescimento. De acordo com Jesse Powell, CEO da Kraken, o valor de mercado das criptomoedas atingirá 1 trilhão este ano.

5. Regulamentações favoráveis em relação às criptomoedas emergem globalmente

Muitos países estão reconhecendo a necessidade urgente de desenvolver uma estrutura regulatória para as criptomoedas e ofertas iniciais de moedas (ICOs, na sigla em inglês) para alavancar a transformação em curso que a blockchain está trazendo ao mundo. No Japão, o Bitcoin é uma moeda legal e o país reconhece oficialmente várias exchanges de criptomoedas. O país também tinha um grupo de estudo apoiado pelo governo para desenvolver diretrizes para as ICOs, que estão sendo avaliadas pela Agência de Serviços Financeiros do Japão e podem tornar-se a lei no futuro próximo. Na Suíça, a Autoridade de Supervisão do Mercado Financeiro da Suíça (FINMA) divulgou diretrizes para a condução de ICOs no início deste ano.