Início Blockchain Vaticano destaca os usos positivos e negativos do bitcoin no tráfico de...

Vaticano destaca os usos positivos e negativos do bitcoin no tráfico de pessoas

808
0

O Vaticano está discutindo sobre como bitcoin e outras criptomoedas estão sendo usadas no tráfico de pessoas atualmente.

Realizada hoje, 6 de novembro de 2017, na Pontifícia Academia das Ciências Sociais (PASS) na sede da Igreja Católica Romana, a conversa do gerente sênior do Banco de Montreal, Joseph Mari oferece uma visão geral do papel que as criptomoedas desempenham na lavagem de dinheiro, destacando também o potencial do blockchain para populações que não tem acesso ao sistema bancário.

O segundo dia do evento, que durará três dias, parte de um esforço ainda maior, liderado pelo Papa Francisco para erradicar a escravidão inteiramente até 2020. Espera-se que a orientação seja entregue a uma audiência, incluindo o secretário de Estado do Vaticano, o cardeal Pietro Parolin, e outros líderes da igreja sênior.

Desde que o Papa foi nomeado líder da Igreja Católica Romana em 2013, ele fez do fim da escravidão uma prioridade absoluta da igreja, ajudando a inspirar os recentes esforços da PASS.

Além da orientação de hoje sobre blockchain, o grupo realizou outras oficinas, seminários e reuniões plenárias que culminaram com a recomendação “central” da organização para reassentar vítimas de condições de escravidão nos locais onde eles são encontrados, se assim o desejarem, em vez de repatriá-los.

Em uma entrevista exclusiva com o CoinDesk, Mari detalhou o propósito dessa orientação, e o grande papel que ela pode desempenhar na luta contra o que a Organização Internacional do Trabalho estima ser um setor de trabalho forçado que movimenta cerca de 150 bilhões de dólares.

Mari disse sobre o público:

Blockchain e criptomoedas precisam estar em seu radar, precisam ser reconhecido como algo atual, que está sendo utilizado, e quanto mais rápida a curva de aprendizado é superada, mais rápido podemos começar a trabalhar para os riscos que são apresentados.

Educação em massa

O segundo dia do evento teve início com a celebração da missa pelo monsenhor Marcelo Sanchez Sorondo, que também é bispo da Argentina e chanceler da PASS.

Após a bênção do chanceler Sorondo em Casina Pio IV na Cidade do Vaticano, Mari foi escalada para apresentar os resultados mais recentes do Projeto Proteção, fundado há dois anos para ensinar os oficiais que combatem lavagem de dinheiro a identificar padrões em suas próprias transações que possam ser evidências do tráfico de seres humanos.

Mais especificamente, Mari planeja enquadrar os primeiros resultados do Projeto Proteção, que identificou um aumento no uso de criptomoedas por comerciantes de escravos no Canadá e outras regiões, à luz das preocupações mais abrangentes tratadas no evento.

Tendo identificado inicialmente um aumento no uso de criptomoedas por comerciantes de escravos, o projeto – que ele chama de “iniciativa de custo zero“, projetado para oferecer novas eficiências aos procedimentos já existentes de combate à lavagem de dinheiro – trabalhou com a startup Chainalysis, que trabalha com dados de blockchain, entre outras instituições financeiras, para criar novos métodos para identificar padrões em transações de criptomoedas que possam indicar que um escravo foi comprado ou está sendo anunciado.

Ao se concentrar nesse trabalho – projetos em outros lugares que utilizam a blockchain para trazer novos níveis de transparência para o transporte de mercadorias e para proporcionar aos indivíduos em risco de escravidão um meio auto-soberano para se identificar – Mari pretende apresentar aos líderes da igreja uma descrição matizada do papel da tecnologia no tráfico de seres humanos.

Para todos do Vaticano que estavam presentes nesse momento, estou realmente enfatizando, do ponto de vista do combate à lavagem de dinheiro, que isso é algo que tem acontecido há mais de dez anos, afirmou. E seus usos estão se diversificando em todos os níveis, em termos positivos e negativos.

Igreja e banco

Um grande exemplo da missão de Mari para impulsionar o processo de educação dos líderes da igreja foi a presença da co-organizadora de eventos e fundadora da Aliança Global para Assistência Jurídica (GALA), Jami Hubbard Solli, que acrescentou aos seus objetivos a esperança de conquistar o apoio do Vaticano para recrutar bancos na luta contra o tráfico de seres humanos.

Originalmente concebido como um evento separado organizado pela GALA para chamar a atenção para o tráfico de escravos entre a Nigéria e a Itália, Solli entrou pela primeira vez no Vaticano através do presidente da Pontifícia Academia, Margaret Archer, a quem convidou a participar como palestrante.

Em vez disso, Solli confirmou que foi convidada pelo Archer para organizarem o evento conjunto de hoje, formalmente chamado de “Assistindo as Vítimas do Tráfico de Seres Humanos: Melhores Práticas em Assistência Jurídica, Compensação e Reassentamento“.

Através de um conjunto diversificado de parcerias público-privadas programadas para serem discutidas no evento, Solli acredita que as medidas existentes de combate à lavagem de dinheiro podem ser atualizadas para refletir mais adequadamente o impacto crescente das criptomoedas no tráfico de seres humanos.

Nós realmente precisamos de parcerias entre bancos e promotores, afirmou Solli. Além das instituições financeiras e da sociedade civil.

Como resultado da orientação de Mari sobre blockchain na reunião, esperam-se novas orientações vindas do Vaticano, de acordo com Solli.

Mari descreveu o impacto potencial do evento poderia ter no início da luta contra a escravidão realizada com criptomoedas e suas tecnologias:

Quanto mais rápido pudermos começar a chegar ao fato de que isso é algo que provavelmente ocorrerá em um futuro previsível, mais rápido podemos começar a reduzir o risco.

Siga o Criptomoedas Fácil no InstagramCLIQUE AQUI !!!