Início Notícias Tron é acusada de plagiar códigos do Ethereum, segundo pesquisadores

Tron é acusada de plagiar códigos do Ethereum, segundo pesquisadores

587
0
Tron é acusada de plagiar códigos do Ethereum, segundo pesquisadores

A Tron, uma das 10 maiores criptomoedas do mercado, é acusada de ter plagiado códigos do Ethereum e de outros projetos de criptomoedas, segundo pesquisadores do Digital Asset Research (DAR), que afirmam também que os desenvolvedores da Tron alteraram nomes de arquivos para dificultar a identificação da origem do código.

O DAR publicou um artigo no Medium sobre o plágio e os problemas legais e técnicos que podem afetar a rede Tron daqui para frente. “Em 31 de dezembro de 2017, o projeto foi inicialmente acusado de violar a Licença Pública Geral Reduzida GNU v3.0 (LGPL) porque ele não menciona que seu cliente, Java-Tron, foi derivado do EthereumJ, que é uma dos primeiras bibliotecas Ethereum”, escreveu DAR, acrescentando que:

“Embora o projeto posteriormente tenha adicionado a linguagem de licença LGPL relevante a 14 dos arquivos, encontramos várias instâncias de código que foram copiadas textualmente ou levemente modificadas da EthereumJ, ainda sem referência apropriada.”

A CCN conversou com Lucas Nuzzi, da DAR, que forneceu a imagem abaixo em apoio às alegações de plágio. Lembrando que, como mostrou o Criptomoedas Fácil, a Tron já havia sido acusada de plágio anteriormente por diversas cópias sem referência encontradas em seu white paper.

Tron
A DAR forneceu esta imagem em apoio às alegações de que a Tron copiou o código de outros projetos em violação das licenças de código aberto.

“Acima, você pode ver que os desenvolvedores da Tron passaram pelo incômodo de mudar o título de algumas funções para esconder o plágio, como evidenciado pelo commit d4ad9c9. Não há razão válida para mudar o nome da classe pública do EthereumJ, por exemplo, para “dataBaseName”, além de dificultar o rastreamento das similaridades entre os dois repositórios”, afirmou Nuzzi.

Como mostra a CCN, Nuzzi explicou que, além das possíveis preocupações legais e éticas em torno do código plagiado, a base de código também enfrenta problemas técnicos que podem ser muito significativos.

“O problema é quando você redireciona o código originalmente desenvolvido para uma arquitetura de sistema completamente diferente e não tem tempo suficiente para testá-lo completamente. Vulnerabilidades que não eram aplicáveis ​​ao sistema original agora são aplicáveis ​​a um novo. O plágio é ruim, mas a preocupação aqui está relacionada às vulnerabilidades desconhecidas que podem surgir quando você combina todos esses módulos juntos. Não há nada errado em experimentar, mas a comunidade deve definitivamente ajustar as expectativas.”

Os pesquisadores do DAR não foram financiados especificamente para pesquisar a base de código da Tron.

“Meu trabalho é realizar uma profunda diligência técnica para nossos clientes, o que envolve a análise de toda a base de código dos projetos que cobrimos, e foi o que fiz com a TRON”, disse Nuzzi. “A maior parte de nossa pesquisa é exclusiva de nossos clientes, mas sempre que encontramos algo de que toda a comunidade pode se beneficiar, nós a compartilhamos.”

Com a migração da rede principal, prevista para 25 de junho, é possível que a Tron enfrente vários problemas técnicos e jurídicos que afetarão negativamente o desempenho e o sucesso do projeto. A equipe da Tron não se manifestou oficialmente ainda sobre o assunto.

COMPARTILHAR
Toda honra e Glória pertencem a Deus sempre. Publicitário e Produtor Cultural. Entusiasta de tudo aquilo que o Estado não consegue controlar. Abaixo aos muros, que se construa janelas para o amanhã