Início Notícias Sistemas de pagamentos com criptomoedas unem artistas e compradores de obras de...

Sistemas de pagamentos com criptomoedas unem artistas e compradores de obras de arte

396
0

Obras de arte e criptomoedas são mais parecidas do que a maioria das pessoas imaginaria a princípio. Ambos são um tanto conceituais por natureza, elas têm um valor que pode variar muito de acordo com o gosto e elas permanecem fora do comércio convencional. Talvez seja por isso que algumas empresas on-line estão encontrando maneiras de integrar as duas.

Conforme relatado no South China Morning Post Art Stage de Cingapura, que é a maior feira de arte realizada na cidade-estado, tinha um sistema de pagamento chamado Aditus para lidar com transações em várias moedas virtuais este ano. Joe Nash, colecionador baseado em Cingapura, está vendendo partes de sua coleção via Visionairs, uma galeria online baseada em Paris, que também aceita dinheiro digital como forma de pagamento.

Quando questionado sobre a mudança nos preços de mercado do Bitcoin e das moedas alternativas Nash disse:

“Minhas pinturas custam três moedas âncora: euros, dólares americanos e dólares australianos. É fácil verificar a taxa de câmbio em tempo real em relação às criptomoedas.”

No âmbito global do mercado de arte, o uso das criptomoedas também permite que os pagamentos sejam feitos mais rapidamente e sem a burocracia de trocar moedas e enviar dinheiro através das fronteiras.

Terrence Chung, um colecionador de Hong Kong baseado em Vancouver, aprecia a facilidade de comprar trabalhos de todo o mundo on-line e usar criptomoedas para pagar por isso. Ele comprou pinturas da Romênia e da França no Bitpremier.com, um mercado on-line de artigos de luxo que só aceita Bitcoin.

Autenticação blockchain é o futuro do mundo da arte

Para galerias e fornecedores de pinturas e alguns outros bens de luxo, a tecnologia blockchain oferece o potencial para eliminar no futuro questões sobre proveniência.

Mark Lurie é o fundador e diretor executivo do Codex Protocol, uma das várias empresas que estão usando a tecnologia blockchain para criar “bancos de títulos” para coleções. Assim como as transações de criptomoedas são registradas, a posse de uma obra de arte será armazenada no livro-razão do Codex, que só pode ser desbloqueada com um código pessoal, garantindo assim a autenticação.

Para os especialistas do mundo da arte, a aplicação mais óbvia para a tecnologia blockchain é registrar transações de vendas de peças, especialmente em leilões, para tentar limitar o mercado internacional de falsificação de bilhões de dólares. Com o duplo benefício de ser inalterável no livro-razão distribuído e ainda assim sigilosa o suficiente para proteger aqueles compradores que preferem permanecer desconhecidos, uma plataforma universal para registrar compras e vendas poderia mudar o processo de vender arte para melhor.

Lurie, falando de seus próprios serviços em relação à privacidade, disse:

“Nosso sistema simplesmente permite que um comprador ou uma seguradora verifiquem essa propriedade se uma obra de arte voltar a uma casa de leilões, galeria ou artista, e isso é muito valioso. Nós não necessariamente tornamos o mercado mais transparente. Quem é dono do que é privado?”

COMPARTILHAR
Publicitária, planejadora estratégica e entusiasta do universo cripto. Confia nas mudanças que a tecnologia irá trazer para a sociedade.