Início Entrevista Série Mercado P2P Brasileiro – Isnaylha Lima

Série Mercado P2P Brasileiro – Isnaylha Lima

742
2
Série Mercado P2P Brasileiro – Isnaylha Lima

Hoje trazemos aos leitores do Criptomoedas Fácil o segundo episódio da série Mercado P2P Brasileiro, que tem o objetivo de apresentar mais detalhes sobre os principais vendedores desse mercado e a visão de cada um a respeito do crescimentos das negociações envolvendo criptoativos. O primeiro episódio trouxe a visão de Jéssica Lima e hoje, trazemos mais uma participação feminina, o que mostra o crescimento da atuação das mulheres nesse mercado.

Isnaylha Lima (ou Isnaylha “Ereshkigal”, como ela é mais conhecida na comunidade) é uma das mais conhecidas vendedoras de Bitcoin e altcoins no Brasil.

Criptomoedas Fácil: Olá, Isnaylha. Quando você conheceu o Bitcoin e como entrou neste universo?

Isnaylha Lima: A primeira vez que ouvi falar sobre Bitcoin foi cerca de dois anos atrás, através de um amigo.

CF: Há quanto tempo você atua como P2P?

IL: Atuo como P2P há pouco mais de um ano.

CF: Como você avalia o mercado de vendas P2P neste primeiro semestre de 2018? Como a queda de preço vivenciada no primeiro semestre deste ano impactou suas negociações?

IL: Nesse primeiro semestre de 2018, com a grande correção do preço do Bitcoin, as negociações P2P diminuíram consideravelmente em relação ao segundo semestre de 2017, quando o Bitcoin começou a pegar impulso.

CF: Um recente artigo avaliou a performance do mercado P2P através da ferramenta Localbitcoins. A conclusão tirada foi de que o mercado P2P tem aumentado em volume na América Latina, especialmente no Brasil, na Argentina e na Venezuela. Você sente que isso refletiu em suas negociações?

IL: Sim. Embora a procura tenha se tornado menor se tratando de novos usuários no mercado P2P, os usuários antigos têm buscado sempre volumes maiores.

CF: Qual a maior dificuldade que você considera ao negociar com novos entrantes no mercado?

IL: O mercado P2P em geral evita muita burocracia, não consigo pensar em nenhuma dificuldade específica.

CF: Você sabe dizer para qual finalidade a maioria dos seus clientes compra criptomoedas? (para investir, para fazer pagamentos, etc)

IL: Acredito que a grande maioria compra como forma de investimento, tendo em vista que são poucos estabelecimentos que aceitam o Bitcoin como meio de troca.

CF: Além do Bitcoin, seus clientes também buscam outras criptomoedas? Quais?

IL: Eu trabalho com mais de 100 altcoins, mas a maior procura fica entre Decred, Ether (ETH) e Litecoin.

CF: Além da venda de criptomoedas, você faz algum outro serviço?

IL: Sim, também faço pagamento de boleto e compra de passagens.

CF: Como funcionam esses serviços?

IL: O pagamento de boleto é simples: o cliente diz o valor do boleto e com qual criptomoeda ele quer pagar. Eu passo a cotação e ele me envia o valor a moeda mais a taxa da transação. Assim que confirmar na rede, eu pego o código digitável do boleto, efetuo o pagamento através do banco e envio o comprovante para o cliente.

A passagem segue o mesmo padrão. Só que, nesse caso, o cliente pesquisa a passagem e me envia o link de qual ele quer comprar. Com o valor eu faço a cotação na criptomoeda que ele deseja pagar, ele envia, eu efetuo a compra da passagem e envio as informações pro e-mail do mesmo.

CF: Quais os meios que você utiliza para negociar com os clientes?

IL: Eu atendo pelo WhatsApp, Telegram e na minha página do Facebook. Tenho evitado atender pelo perfil pessoal depois que iniciaram essa onda de fazer perfis falsos pra dar golpes.

CF: Falando nessa onda de perfil falsos e golpes, isso te afetou de alguma maneira?

IL: Criaram um perfil falso meu, mas um cliente percebeu de cara e já postou na comunidade para que as pessoas denunciassem o perfil. Contudo, felizmente ninguém foi lesado. Por isso eu passei a atender sempre pelo WhatsApp para evitar que o pior acontecesse.

CF: Como você acredita que as OTCs (mesas de negociação) podem influenciar em suas negociações?

IL: Acredito que as grandes exchanges estão perdendo espaço para o mercado P2P e não o contrário. A facilidade e agilidade de uma transação direta, sem intermediários, não tem preço, e é isso que a grande maioria dos investidores vem buscando.

CF: A maioria dos clientes são pessoas físicas ou jurídicas?

IL: Sempre trabalhei mais com pessoas físicas.

CF: Qual o preço de referência que você utiliza para dar a cotação do Bitcoin e de outras criptomoedas?

IL: Atualmente eu estou trabalhando com um índice baseado na cotação da corretora BitcoinTrade, com uma margem de 3% na venda e na compra. Para altcoins me baseio na corretora internacional Bittrex. A cotação varia de acordo com o volume negociado.

Siga o Criptomoedas Fácil no InstagramCLIQUE AQUI !!!