Início Notícias Relatório da Coindesk destaca queda nas taxas de transação, aumento das ICOs...

Relatório da Coindesk destaca queda nas taxas de transação, aumento das ICOs e adoção da Lightning Network

539
0
Relatório da Coindesk destaca queda nas taxas de transação, aumento das ICOs e adoção da Lightning Network

A CoinDesk Research, braço de pesquisa da empresa Coindesk, que realiza estudos frequentes para o mercado de criptoativos, liberou na última semana o relatório State of Blockchain.

Lançado a cada quatro meses, o relatório traz uma avaliação de diversos aspectos do mercado, tomando como referência os três meses anteriores. Além de notícias e informações financeiras, o relatório apresenta dados técnicos sobre a rede tanto do Bitcoin quanto de outros criptoativos.

Entre os destaques do documento, tivemos a manutenção da tendência de quedas das taxas na rede do Bitcoin, o avanço na expansão da Lightning Network e também a evolução do volume de negociações de ofertas iniciais de moedas (ICOs, na sigla em inglês).

Taxas ainda baixas

De acordo com o relatório, uma tendência que foi sentida por diversos usuários possui comprovação prática: as taxas de transação do Bitcoin seguem em queda. Embora a média ainda seja alta comparada com outras moedas digitais (US$1,33 do Bitcoin, a mais alta entre as moedas pesquisadas), o relatório aponta que houve uma queda de 15% em relação aos quatro meses anteriores.

É preciso lembrar que essa é apenas uma taxa média e que o Bitcoin continua sendo a criptomoeda mais utilizada – o que justifica os valores mais altos. Ainda assim, a utilização cada vez maior do SegWit contribuiu para reduzir bastante as taxas. Em muitos casos, o usuário pode chegar a pagar US$0,11 por uma transação utilizando o SegWit.

Hashrate

Em contraste com a queda das taxas de transação, o poder de processamento da rede do Bitcoin (hashrate) continua em ascensão. O aumento no período também pode ter contribuído para a queda nas taxas: mais oferta para aprovar as transações significa preços menores a serem pagos pelos usuários.

Embora continue em alta, o hashrate apresentou um crescimento muito mais lento do que no período passado: 26% contra 47% registrado no relatório anterior. Atualmente, a rede conta com cerca de 40 milhões de terahash por segundo (TH/s) de poder de processamento.

Lightning Network em alta

Outro crescimento expressivo observado pelo relatório diz respeito à adoção da Lightning Network. A rede, que promete transações mais rápidas e ainda mais baratas para o Bitcoin, iniciou a sua operação em março deste ano.

Desde então, apresentou números expressivos de crescimento. Levando em conta os últimos quatro meses, a CoinDesk avaliou que o número de nós ativos na rede cresceu 77%, enquanto o número de canais mais do que dobrou (108%), assim como a capacidade da rede tanto em termos de Bitcoin quanto em dólares.

Ataques hackers

A CoinDesk também destacou os ataques que ocorreram em exchanges e também em outras moedas digitais, como o ataque de 51% ocorrido no Bitcoin Gold. O documento também citou dois ataques ocorridos em exchanges: a BitHumb (US$31 milhões) e a Coinrail (US$40 milhões).

Somados aos US$18 milhões roubados durante o ataque ao Bitcoin Gold, o relatório aponta um prejuízo de quase US$90 milhões causado por hackers nesses ataques.

Ether e SEC: uma definição

Um outro destaque do relatório foi a declaração do diretor de finanças corporativas da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês) Willian Hinman. Hinman afirmou que “baseado em meu conhecimento sobre a rede Ethereum, posso afirmar que as transações de compra e venda do Ether não se configuram como transações de ativos securitizados”. Portanto, o ativo não está sob controle da SEC.

A declaração fez, à época, com que o preço do Ether subisse quase 10% apenas na sequência da fala de Hinman.

ICOs duplicam de volume

Por fim, o State of Blockchain destacou o alto volume das ofertas iniciais de moedas (ICOs) realizadas no segundo quadrimestre de 2018. O valor total arrecadado por essa modalidade foi de US$7.3 bilhões, totalizando US$19 bilhões arrecadados no ano até agora.

Vale ressaltar que a PricewaterhouseCoopers (PwC) lançou um estudo no início de julho que revelou um aumento de mais de 100% no volume de ICOs no primeiro semestre desse ano, em comparação com todo o ano de 2017. Nos poucos dias entre o relatório da PwC e o da CoinDesk, houve um acréscimo de US$5 bilhões nesse mercado.

Em resumo, o State of Blockchain demonstra mais um sólido crescimento do mercado de criptoativos, que tem tudo para gerar ainda mais valor aos seus investidores. Para conferir o documento na íntegra, basta clicar aqui.