Início Notícias Reino Unido adverte sobre “má” regulamentação do governo sobre as criptomoedas

Reino Unido adverte sobre “má” regulamentação do governo sobre as criptomoedas

418
0
Reino Unido adverte sobre

Segundo o jornal de notícias britânico Daily Telegraph, as empresas e analistas do Reino Unido reagiram aos planos do governo de regular as criptomoedas e a tecnologia relacionada, descrevendo-as como uma “abordagem contundente de instrumentos”.

Os pedidos para aumentar o nível de poder que o regulador financeiro do país, a Autoridade de Conduta Financeira (FCA, na sigla em inglês), tem sobre as criptomoedas – que a Cointelegraph relatou em setembro – supostamente focam na proteção ao consumidor e na política anti-lavagem de dinheiro (AML), na sigla em inglês.

Agora, um relatório conjunto da Autoridade da Federação Britânica de Negócios (BBFA, na sigla em inglês), o fundo de capital de risco Novum Insights e a exchange de criptomoedas TodaQ pediram cautela sobre regulamentações excessivamente abrangentes.

De acordo com o documento recebido pela agência de notícias, “a má regulação é pior do que nenhum regulamento”, com a implicação de efeitos indiretos para a cena mais ampla de fintecha no Reino Unido.

“É uma abordagem de instrumento muito contundente e eu não vi isso em outros países”, disse o diretor executivo do BBFA, Patrick Curry, à publicação, acrescentando:

“O uso dessa tecnologia ainda é uma viagem de descoberta e essas tecnologias estão sendo refinadas para diferentes tipos de uso. Minha preocupação é a lei das consequências não intencionais.”

O The Telegraph relata que o Reino Unido até agora tem sido lento em lidar com seu ecossistema doméstico de criptomoedas, apesar de Londres ser o lar de alguns dos nomes mais conhecidos do setor, como da plataforma de negociação eToro e da exchange Bitstamp.

Em março, a FCA iniciou uma “força-tarefa” de criptomoedas, cuja premissa era avaliar “o que fazer a respeito” do fenômeno, disse na época o presidente da FCA, John Griffith-Jones.

As criptomoedas, ele acrescentou, tinham “o potencial de causar dano ao consumidor a menos que fosse trazido para dentro do perímetro regulatório”.