Primeiro smartphone com tecnologia blockchain usará Ethereum e Lightning Network

O primeiro celular do mundo a utilizar a tecnologia blockchain, o Finney, da startup Sirin Labs, será baseado na blockchain do Ethereum.

Em entrevista exclusiva ao Criptomoedas Fácil, Nimrod May, diretor de marketing da empresa, havia anunciado que eles estavam estudando, além da blockchain do Ethereum, também a tecnologia Tangle da IOTA e a rede blockchain da Cardano. Entretanto, após vários testes e estudos, chegaram à conclusão que a melhor opção seria executar uma cadeia privada na rede do Ethereum por meio de nós fornecidos e operados pelos laboratórios da Sirin.

“Nosso plano desde o lançamento de nosso white paper sempre foi migrar o ecossistema de token SRN e Sirin Labs para uma blockchain de próxima geração”, destacou May.

May também revelou ao Criptomoedas Fácil que o aparelho, que será disponibilizado no Brasil neste primeiro momento, poderá vir integrado com a rede de pagamentos Lightning Network.  Além disso, o Finney conterá uma carteira de armazenamento offline (cold wallet), que será separada nos níveis de hardware e software do restante do telefone e também terá uma segurança significativa incorporada, como o sistema de prevenção de intrusão de aprendizado de máquina. O aparelho também conterá um serviço de conversão de tokens (TCS), no qual os usuários poderão converter seus ativos digitais em qualquer criptomoeda ou token que desejarem.

Embora a Sirin tenha confirmado o lançamento do aparelho para novembro, ainda não há uma data específica. No entanto, depois da desistência da HTC de lançar um smartphone integrado com blockchain, o Exodus, os planos da Sirin atraíram ainda mais atenção, além disso, a Sirin Labs estaria licenciado sua tecnologia para outras empresas, como a gigante Huawei, com a finalidade de que a gigante chinesa possa desenvolver seu próprio smartphone baseado em blockchain com suporte a criptomoedas, Dapps, entre outros.

loading...
COMPARTILHAR
Toda honra e Glória pertencem a Deus sempre. Publicitário e Produtor Cultural. Entusiasta de tudo aquilo que o Estado não consegue controlar. Abaixo aos muros, que se construa janelas para o amanhã