Presidente da SEC diz que tokens não são isentos de regulamentação

Agências governamentais em todo o mundo examinam as ofertas iniciais de moedas (ICOs, na sigla em inglês) e seus tokens associados. A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês) é um excelente exemplo dos desenvolvimentos mais recentes que estão ocorrendo.

Jay Clayton, presidente do órgão regulador norte-americano, quer regulamentar todas os tokens no setor de criptomoedas. Em sua opinião, qualquer valor mobiliário denominado como um token será examinada de forma bastante significativa. Isso em si não é necessariamente ruim, já que muitos tokens são efetivamente títulos em primeiro lugar. Como tal, eles precisam ser tratados como tal e estar sujeitos à regulamentação financeira existente.

Além disso, a SEC já reprimiu alguns desses títulos. O Centra, por exemplo, tentou rotular seus tokens como um token utilitário, mesmo que claramente não fosse. Como tal, a SEC colocou esse projeto em seu radar, que teve todos os tipos de consequências. É essa abordagem que James Clayton parece defender, que só pode ser considerada uma coisa boa.

Além disso, há alguns poucos golpes na indústria de tokens. Reprimir esses esquemas ilícitos também será uma grande prioridade para James Clayton e a SEC. Fazer isso não é fácil por qualquer meio, no entanto. Uma vez que poucas empresas e exchanges se auto-reportam à SEC a esse respeito, uma situação um pouco preocupante foi criada. Legitimar a indústria de tokens levará algum tempo.

Todos os tokens são valores mobiliários?

Essa continuará sendo a grande questão que as pessoas se perguntam. De acordo com as regras da SEC, nem todos os tokens podem ser títulos (securities ou valores mobiliários). Há uma diferença entre um token de valor mobiliário e um de utilidade, pois essas duas categorias precisam ser separadas e definidas com bastante clareza. Mesmo na indústria de criptomoedas e ICOs, os tokens de utilidade existem e vêm em muitas formas diferentes.

Alguns exemplos de tokens de utilidade incluem Ethereum Ether, DENT, Siacoin e assim por diante. Todas essas ferramentas fornecem acesso a um ecossistema nativo, mas não há garantias de que elas aumentarão de valor. A maioria dos tokens de utilidade também tem um suprimento finito, mas isso não é mais uma característica definidora. Mais importante, se o ecossistema nativo do token utilitário falhar, o próprio token também será falho.

Para tokens security, a tecnologia subjacente é de menor importância. Parece centrar-se principalmente em aumentar o valor do token, independentemente de qualquer infra-estrutura. Uma venda simbólica não é uma venda de títulos por padrão, embora as empresas precisem ser mais abertas quanto às suas intenções reais. Os tokens utility podem ser vendidos por uma ICO, mas isso não os torna títulos por padrão.

loading...
COMPARTILHAR
Publicitária, planejadora estratégica e entusiasta do universo cripto. Confia nas mudanças que a tecnologia irá trazer para a sociedade.