Início Notícias Por que precisamos de mais cypherpunks e menos “cypherposers”

Por que precisamos de mais cypherpunks e menos “cypherposers”

243
2
Por que precisamos de mais cypherpunks e menos

As emoções falaram mais alto durante o debate sobre o tamanho do bloco do Bitcoin, e o mesmo está acontecendo no mercado de baixa deste ano. As pessoas estão mais uma vez ouvindo previsões que moldam sua perspectiva ao sentimento do mercado, e enquanto muitas que respeitam os princípios do Bitcoin, outras estão aqui apenas para obter recompensas rápidas, tanto sociais quanto financeiras.

Me decepciona ver a toxicidade nessa pequena comunidade de usuários, mas isso não me surpreende.

Especificamente no Twitter, é o próprio ambiente que recompensa o pensamento que estamos vendo. Os pensadores anteriormente independentes são recompensados ​​por se conformarem e são punidos por sua discordância. Embora seja mais fácil resistir a ameaças em grupos, é mais difícil criar e progredir sem ter a mente aberta. Vemos padrões semelhantes na política e até em debates sobre nutrição.

Tudo dito, devo dizer que é minha experiência que a toxicidade do Twitter não se aplica às interações off-line. Conheci pessoalmente muitos bitcoiners de ambos os lados do debate e não me lembro de uma vez que senti alguma toxicidade. Na verdade, ocorreu o oposto: é sempre um prazer encontrá-los. Eu mencionaria nomes, mas não quero destruir suas imagens de durões.

Para citar Ian Mackaye, da Fugazi, os caras durões são todos “filhos da puta comedores de sorvete”. Para dizer isso do jeito mais carinhoso.

Em vez de verificar os gráficos diários, seria mais útil à maioria dos entusiastas de criptoativos deleitar-se com os escritos cypherpunk, como o Manifesto Criptoanarquista de Tim May e o paper do b-money, de Wei Dai. Ambos são ótimos lembretes de por que estamos aqui em primeiro lugar. (Se você for olhar para um gráfico, configure o gráfico logarítmico BTC: USD. Ele tem a melhor chance de prever o futuro.)

O Bitcoin significa ativismo, não um esquema de enriquecimento rápido ou uma plataforma de inicialização. O objetivo do Bitcoin é regular as leis ruins e democratizar as políticas ruins, contornando a fiscalização prejudicial.

Qualquer sistema, software ou hardware, baseado em blockchain ou outro, que contribua para esses objetivos é algo em que vale a pena prestar atenção.

Da mesma forma, qualquer projeto de software ou hardware que falhe dessa maneira só me interessa quando alterar sua fragilidade. A esse respeito, as exchanges descentralizadas e as ofertas iniciais de moedas (ICOs) são inúteis em sua forma atual, mas o DEX ou o ICO v2.0 ou v3.0 podem acabar sendo ferramentas descentralizadas e poderosas para evitar a opressão em todas as suas formas.

Torne-se grande (e chato)

Em 2012, meu irmão Josh e eu imprimimos cartões de Bitcoin para distribuir em eventos regionais da Students for Liberty (SFL, organização estudantil de viés libertário) em toda a Costa Leste. Na época, eram principalmente os libertários que abraçavam a tecnologia nascente. Esse era o nosso ativismo.

Para a Conferência Internacional da SFL, no início de 2013, decidimos fazer algo um pouco mais louco: queríamos mostrar a esses jovens como funciona o Bitcoin. Nós construímos uma pequena caixa laranja que aceitou notas de dinheiro e enviou transações de Bitcoin em troca. Ela não foi apenas um enorme sucesso na conferência, mas chegou às redes sociais e começamos a obter o interesse da mídia – e de potenciais compradores.

Esta foi a nossa chance de levar a nossa paixão pelo Bitcoin para o próximo nível. Fundamos a Lamassu e começamos a fabricar caixas eletrônicos de Bitcoin, uma máquina que hoje chamamos de “cryptomats“.

Avançamos quase seis anos e continuamos fortes, ainda defendendo o Bitcoin. hoje, há uma indústria em expansão que faz as máquinas ajudarem as pessoas a comprar e vender Bitcoin. Desde o início, nosso negócio sempre foi mais ativismo do que lucro a curto prazo. As decisões de negócios que tomamos são uma mistura do que precisamos fazer para ter sucesso e como permanecer alinhados com nossos ideais tecno-libertários de privacidade e descentralização.

Nosso principal objetivo sempre foi introduzir o maior número possível de pessoas nas criptomoedas. E, por esse motivo, nosso software é gratuito, de código aberto e não licenciado. Não cobramos das operadoras de criptoativos nenhuma taxa pelo uso da máquina e elas hospedam seus próprios servidores. Os usuários finais que usam as máquinas nunca têm suas moedas armazenadas para eles pelos operadores, mas são obrigados a usar o Bitcoin para obtê-las.

Como um todo, a indústria de criptografia é bem diferente de outras no ecossistema de criptomoedas. Houve muito pouco drama ultimamente. Temos visto um crescimento saudável e estável. E o campo é feito de empresas de qualidade, como os nossos principais concorrentes Genesis e General Bytes, que enfrentaram os mercados de queda e de alta.

Todos estes são muito importantes para o ecossistema, mas talvez um pouco chato em termos do ciclo de notícias. Não há nenhuma ICO, nenhum hacker em massa, e as empresas envolvidas têm, na melhor das hipóteses, receitas de milhões, não bilhões.

Mas, ao mesmo tempo, sinto que é esse tipo de clima chato que as necessidades do criptouniverso exigem. Centenas de milhares de pessoas comuns em todo o mundo estão usando todos os meses para obter pequenas quantidades de Bitcoin ou outras moedas diretamente em suas carteiras. Sem bancos, sem custódia de terceiros, sem espera.

Ainda é a maneira mais fácil para um usuário iniciante obter criptoativos, e quanto mais existirem no mundo, mais úteis e confiáveis ​​se tornam. E assim se dá o avanço, polegada por polegada, linha por linha.

Construtores (BUIDLers) no Telhado

A parte mais difícil para o Bitcoin foi chegar a US$ 0,10. O crescimento exponencial desde então se tornou a norma e levaria algo extraordinário para descarrilar.

Como tal, temos que pensar sobre o que acontece quando mais e mais pessoas começam a possuir Bitcoin. Será a próxima crise financeira a que empurrará o Bitcoin para o mainstream? E se isso realmente acontecer, mas ainda não houver uma boa interface de usuário para proteger as pessoas de perder, abusar e de não saber proteger seus fundos? Eles acabarão confiando nas pessoas para ajudá-los?

Para mim, esta ainda é a maior questão nos criptoativos. Não duvido do sucesso do Bitcoin e de outras criptomoedas importantes, mas estou preocupado que as coisas fiquem confusas quando os bancos centrais ficarem sem truques na manga.

Na Lamassu, temos mantido a cabeça baixa, trabalhando para melhorar nossa parta do problema ainda não resolvido das criptomoedas. Estamos contratando agressivamente programadores e equipes de suporte ao cliente e expandimos nossas instalações de fabricação.

Temos uma concorrência acirrada, mas há um respeito mútuo. Eu sei que nossos concorrentes estão fazendo isso pelas mesmas razões que nós: uma ideologia profundamente comprometida com o Bitcoin em seu núcleo, para liberar dinheiro e mercados de poderosos intermediários.

O objetivo do Bitcoin é que as pessoas se ajudem, mas é nosso trabalho como defensores facilitar isso. Quanto mais cedo as pessoas realmente puderem usar, armazenar e proteger suas próprias moedas, mais seguras estarão quando os bancos forem atingidos. Para que não construamos arranha-céus de blockchains sem ter elevadores para chegar no seu topo.

Compre e Venda Bitcoin, Ethereum, Litecoin e Decred de maneira simples, rápida e segura !!CLIQUE AQUI