A AML Bitcoin, uma criptomoeda que se destaca em termos de segurança e conformidade com as normas de regulação financeiras, poderia ter apresentado tais características em rede nacional no último dia 4, com um humorístico anúncio do Super Bowl. No entanto, essa oportunidade lhe foi negada.

A Liga Nacional de Futebol (NFL) e a NBC, a rede que transmitiu o Super Bowl 52 no domingo, decidiram não aceitar um anúncio da AML intitulado “A Coréia do Norte não pode roubar a AML Bitcoin“. O anúncio mostrou o ditador norte-coreano Kim Jong-Un e seus subordinados perturbados com o fato de que, apesar dos sucessos anteriores que tiveram no roubo de criptomoedas, não conseguiram fazer o mesmo com a AML. O comercial terminava com o slogan: “Desculpe, Caro Líder …

Proteção contra roubos e lavagem de dinheiro

Embora existam outras criptomoedas que sejam conhecidas pela sua resistência ​​a ataques hackers e de força bruta, sem recurso disponível para as vítimas de roubo, a AML Bitcoin foi projetada desde o início para ter segurança e conformidade com as normas de regulação. Tem resistência contra o lavagem de dinheiro, medidas anti-terrorismo e contra roubos, e possui práticas que estão em conformidade com o sigilo bancário, normas de “conheça seu cliente” (KYC) e outras leis que combatem crimes financeiros.

A Liga Nacional de Futebol não se manifestou sobre os motivos de ter recusado a propaganda do Super Bowl. No entanto, o criador da AML Bitcoin, Marcus Andrade, demonstrou bastante irritação com o impedimento do anúncio.

Em uma carta ao Comissário da NFL, Roger Goodall, Andrade escreveu:

“Um anúncio que mostra Kim Jong-Un, ditador da Coréia do Norte, de maneira humorística e mordaz não deveria ser ofensivo para ninguém. Nosso anúncio lembra aos espectadores que Kim Jong-un e seu exército de hackers estão roubando bilhões de dólares em Bitcoin e outras moedas digitais nos últimos anos, financiando seus programas de armas nucleares. Nosso anúncio ressalta que, ao contrário das outras moedas digitais , a AML BitCoin foi projetada com recursos que impedem seus homens de roubá-la“, afirmou em seu comunicado.

A mídia e as criptomedas

A proibição da AML Bitcoin no SuperBowl pode fazer parte de uma tendência crescente entre meios de comunicação para evitar, seja por bons e maus motivos, aceitar publicidade de empresas ligadas a criptomoedas. O Facebook anunciou recentemente que vai proibir anúncios de produtos e serviços “que são freqüentemente associados a práticas enganosas“, entre os quais incluem-se criptomoedas, não fazendo qualquer distinção entre anunciou de boa fé e de má fé no mercado. O Facebook ainda manteve uma esperança de que poderia rever essa política, pois recebeu mais informações.

Como qualquer tecnologia inovadora, as tecnologias blockchain e de criptomoedas podem ser usadas com fins benéficos, mas também pode ser usada para fins mais hostis. À medida que o valor do Bitcoin subiu ao longo de 2017, era quase inevitável que o frenesi atraísse a atenção de vários golpistas ao redor do mundo.

Tanto empresas quanto o governo manifestaram clara e repetidamente a necessidade de uma moeda digital que pudesse resistir à fraudes e cumprir a regulamentação geral, e a AML Bitcoin é uma das que deu os maiores passos para atingir esse objetivo.

A AML Bitcoin foi criada pela Fundação NAC, que tem sua sede nos EUA e é membro da American Bank Association. Para obter mais informações (incluindo um link para o anúncio que foi banido do Super Bowl), visite o site www.amlbitcoin.com.

loading...