Início Bitcoin Mineradores chineses estudam países para transferir operações

Mineradores chineses estudam países para transferir operações

1655
0
bitcoin

Embora o governo da China não tenha indicado que proibirá as atividades de mineração de criptomoedas, um crescente número de mineradores chineses tem explorado outros países como opção de atuação em meio às incertezas quanto ao futuro da indústria de mineração de Bitcoin no país asiático.

De acordo com artigo publicado pelo Bitcoin News, site de notícias do universo das criptomoedas, na última semana um documento indicou que a empresa de energia estatal da província chinesa de Sichuan estaria criando uma repressão à mineração da moeda digital. Apesar da empresa ter tentado minimizar o efeito do documento, afirmando que tratava-se de um memorando interno que abordou a má alocação de energia hidrelétrica escassa para os mineradores ao invés de comunidades rurais desatendidas, aumentou o alerta dos mineradores, que buscam cada vez mais opções internacionais para reduzir sua vulnerabilidade diante de uma possível ação reguladora do estado chinês.

Akira Cui, importante minerador chinês, disse em entrevista ao South China Morning Post, jornal de Hong Kong, que muitos mineradores “já visitaram o Vietnã, Laos, Tailândia, Rússia e EUA, para negociar preços de eletricidade com autoridades locais e para comprar terrenos para uso futuro”. O Sr. Cui argumenta que “a mineração é obrigada a ir para o exterior, mesmo que exista a pequena possibilidade de 1% da repressão da China contra o Bitcoin chegue até à mineração”. Estimativas apontam que os mineradores chineses são responsáveis por 70% do poder computacional (de mineração) da rede do Bitcoin.

O Sr. Cui conta que iniciou nas atividades de mineração de Bitcoin em 2013, depois de vender sua empresa provedora de internet banda larga por US$4,5 milhões. Inicialmente investiu US$800 mil no hardware de mineração e atualmente expandiu seus negócios para gerenciar 100 mil máquinas. O minerador estima que 90% do seu hardware pertence a amigos e clientes para os quais ele mantém os equipamentos.

Ao invés de armazená-los em lugares próprios, os clientes podem escolher mantê-los na minha fábrica pagando uma taxa e o acesso é feito remotamente através de códigos de acesso, disse ele. Sr. Cui completou afirmando que garantir uma fonte confiável de energia é a principal preocupação para o mineradores em grande escala.

Se os reguladores chineses passarem a influenciar as atividades de mineração, levará apenas cerca de três meses para que os mineradores chineses retomem as suas operações no exterior. O dinheiro gasto para comprar terrenos é relativamente pequeno em relação à lucratividade do negócio“, disse Sr. Cui. Curiosamente, ele prevê que a repressão da China em relação às criptomoedas possa ser positiva para a comunidade do Bitcoin, em geral. Ele argumenta que o domínio do país asiático sobre o mercado da moeda digital durante os últimos anos prejudicou a descentralização proposta por Satoshi Nakamoto inicialmente.

COMPARTILHAR
Publicitária, planejadora estratégica e entusiasta do universo cripto. Confia nas mudanças que a tecnologia irá trazer para a sociedade.
Compre e Venda Bitcoin, Ethereum, Litecoin e Decred de maneira simples, rápida e segura !!CLIQUE AQUI