Início ICO Legisladores sul-coreanos elaboram projeto de lei para retomada das ICOs no país

Legisladores sul-coreanos elaboram projeto de lei para retomada das ICOs no país

343
0

Em resposta a decisão do governo sul-coreano de proibir as ofertas iniciais de moedas (ICOs, na sigla em inglês) no país, um grupo de legisladores está trabalhando em um projeto de lei para legalizar o mercado em questão na nação asiática, conforme informou o jornal local The Korea Times. Não está claro se esse grupo irá trabalhar em conjunto com as exchanges do país, que atualmente buscam elaborar procedimentos de autorregulamentação.

O líder do movimento, que já reúne outros 10 membros, é o deputado Hong Eui-rak, do Partido Democrático da Coreia, que pretende aprovar o projeto ainda este ano. “O projeto de lei visa legalizar as ICOs sob a supervisão do governo. O principal objetivo (da legislação) é ajudar a remover as incertezas enfrentadas pelos negócios relacionados à blockchain“, disse ele durante um discurso na Assembléia Nacional.

Chung Sye-kyun, orador da Assembleia Nacional, sublinhou o papel dos legisladores para eliminar as incertezas políticas em torno das moedas digitais e da tecnologia blockchain:

“Blockchain e criptomoedas podem ser usadas ??em vários setores públicos por boas causas. Dado o seu potencial, precisamos trabalhar para ajudar a reduzir as incertezas políticas que eles enfrentam.”

Em março de 2018, surgiram rumores de que certas entidades dentro do governo sul-coreano estavam considerando remover a proibição às ICOs se as novas ofertas aderissem aos rígidos padrões governamentais. “As autoridades financeiras têm conversado com a agência tributária do país, o Ministério da Justiça e outros órgãos governamentais relevantes sobre um plano para permitir ICOs na Coreia do Sul quando certas condições forem cumpridas”, escreveu na época Kim Yoo-chul, do The Korea Times, citando uma fonte anônima.

COMPARTILHAR
Toda honra e Glória pertencem a Deus sempre. Publicitário e Produtor Cultural. Entusiasta de tudo aquilo que o Estado não consegue controlar. Abaixo aos muros, que se construa janelas para o amanhã