Início Entrevista Identidade, regulação e blockchain: um debate para além do KYC

Identidade, regulação e blockchain: um debate para além do KYC

187
0
Identidade, regulação e blockchain: um debate para além do KYC

Regulação. Esta pode ser a principal palavra para descrever e resumir o que tem sido o ano de 2018 para a criptoeconomia, afinal, no âmbito da geopolítica global, desde o Fórum Econômico Mundial até o G20, todas as instituições multilaterais debateram o tema, que também ganhou mais espaço nas agendas nacionais. Esta palavra também impactou, segundo alguns analistas, o próprio desempenho do Bitcoin à medida em que os reguladores adiaram a aprovação de um possível ETF de Bitcoin, entre outras iniciativas.

Para debater o tema, o Criptomoedas Fácil abordou Owen Hall, CEO da Heliocor, uma das empresas com atuação global nesta área e que busca fornecer soluções que atendem aos requisitos normativos e de conformidade, especificamente na área de detecção e prevenção de fraudes, e tudo isso com aplicações em DLT direcionadas a projetos do ecossistema de criptomoedas e já em conformidade com o GDPR (a lei europeia de proteção de dados). Confira!

Criptomoedas Fácil: Qual o grande desafio que o ecossistema cripto/blockchain terá com identidade digital, KYC e como a Heliocor pretende resolver esse problema?

Owen Hall: O mundo das criptomoedas está em uma estrada transversal e começamos a perceber que chegou a hora de reconhecer as fronteiras tradicionais e os marcos regulatórios, mas estamos apenas no início dessa migração. As criptomoedas foram originalmente concebidas com foco no anonimato e na criação de uma economia fora das jurisdições tradicionais. No entanto, à medida que o número de altcoins e tokens se expandem e que o volume de transações e usuários aumenta, é quase impossível ignorar a interface com as moedas fiduciárias. A indústria está começando a perceber que deve começar a considerar o trabalho normativo que foi por tanto tempo ignorado. O primeiro passo nesse processo é a adoção de processos rudimentares de combate à lavagem de dinheiro e KYC, mas, ao fazê-lo, fica claro que:

  • As pessoas não são claras quanto às suas responsabilidades e essa falta de compreensão abrange vários regulamentos em várias jurisdições.
  • As novas empresas no ecossistema de criptomoedas não querem desviar o orçamento para contratar funcionários ou soluções de conformidade internas.
  • Se a organização tem um responsável pela conformidade, ele não tem a experiência e o conhecimento que é esperado dele.
  • Onde organizações de criptomoedas recrutaram especialistas, estas raramente têm qualquer experiência com as restrições do próprio ecossistema de criptomoedas.

Como resultado, essas organizações adotam o “ok” ou o “bom o suficiente”, ao invés de boas práticas. No entanto, este “bom o suficiente” não é bom o suficiente e é altamente arriscado quando o regulador bate à porta – o que eles precisam fazer é escolher um provedor de RegTech que compreenda o ecossistema e possa aconselhar e ajudar a empresa a montar uma solução que realmente atenda às regulações, em vez de uma que tenha projetado uma solução que atenda à sua interpretação dos regulamentos, em vez do que é realmente necessário.

Isso faz com que estas abordagens sejam arriscadas e, neste quesito, é claro que é melhor selecionar aqueles que saibam o que as instituições financeiras tradicionais fazem e seguir esses processos assegurando que você possa comprí-los, essa abordagem inclui:

  • Garantir que você retenha cópias de seus documentos de clientes pelo tempo que for necessário, de maneira compatível com GDPR.
  • Que você execute e verifique as documentações em vez de delegar a terceiros.
  • Garante que o que você executa é apropriado para o tipo e riscos que seus clientes representam.

Nós lideramos este segmento a partir de nossa experiência no setor bancário, combinado com o foco em Reg-Tech com blockchain. Nosso App Dokstor é simples e permite usar uma solução de identificação digital segura e está integrada com a Robolitics, nossa plataforma de análise de dados, atualmente mobilizada em bancos. Utilizando as fontes de dados de melhor qualidade do mundo coletadas por órgãos governamentais, militares, fiscalizadores e watchdogs, além de conjuntos de dados desenvolvidos em particular, usamos mais de 1.200 bancos de dados em tempo real para proteger instituições financeiras e garantir sua conformidade com as normas requisitadas. Nossa solução de integração elimina grande parte das frustrações associadas à captura de documentos para onboarding/KYC de empresas, fornecendo as ferramentas para nossos clientes e seus consumidores para mudar a forma como o mundo faz negócios. Ao fazê-lo, podemos restaurar a confiança no setor contaminado com a bancarização.

CF: Por que a blockchain é o backbone para o aplicativo Heliocor e qual plataforma a empresa usa?

OH: Para muitos, blockchain é o verdadeiro legado do Bitcoin. Mas há muitas abordagens diferentes para seu uso na proteção de identidade e elas também evoluirão claramente ao longo do tempo. Para o Heliocor, a blockchain desempenha um papel importante na validação, em vez de armazenamento de dados/documentos de identidade. Em primeiro lugar, armazenar documentos na blockchain é caro e ficará ainda mais com o aumento do valor de criptomoedas como o Ethereum. Em segundo lugar, qualquer coisa armazenada está lá para sempre e apesar das afirmações sobre criptografia inquebrável, todos nós sabemos que com o tempo sua segurança será comprometida e a última coisa que precisamos é que nossas informações de identidade privada estejam acessíveis a todos. Note, quando dizemos tudo isso, significa gangues criminosas cujo objetivo é roubar nosso dinheiro.

Em vez disso, usamos uma tecnologia de contabilidade distribuída descentralizada para armazenar impressões digitais do documento (hashes do documento em vez do próprio documento, bem como validações independentes desses documentos). Em uma era de preocupação crescente em relação à privacidade e controle de dados, em que milhões de usuários foram submetidos a grandes exercícios de coleta de dados, como a Cambridge Analytica, ou a vulnerabilidade de dados privados, mostrada no hack mais recente da Marriott, protegendo dados pessoais , ou seja, documentos de identificação de um consumidor, é um assunto muito importante e atual. Documentos de identificação do consumidor são muitas vezes uma chave em várias partes da vida do consumidor. Ao mesmo tempo, o crescimento da regulamentação de LBC em todo o mundo e as diretrizes impostas pelos reguladores veem o aumento das empresas sendo forçadas a adotarem soluções de KYC/AML para não arriscarem seus negócios/

Nosso objetivo é usar blockchain como uma forma de começarmos a unir diferentes componentes de nossos negócios e, portanto, do ecossistema, introduzindo um token universal em nossos produtos. No entanto, o que realmente pioneiro é o uso de hashes criptográficos como um marcador de troca de dados/documentos de identidade em uma transação entre consumidor e empresa. Isso também significa que, ao armazenar dados localmente no dispositivo do consumidor ou em suas carteiras, seus documentos estão sempre sob controle do proprietário. Com nossos serviços KYC/AML usando APIs, os consumidores nunca terão seus dados sujeitos à mineração de dados de Inteligência Artificial (IA), que atualmente ocorre entre muitas empresas de KYC/AML, além disso, não armazenamos documentos de identificação de consumidores. Isso nos permite enfrentar a questão global do roubo de identidade, lavagem de dinheiro e crescente preocupação dos consumidores quanto ao uso indevido ou à falta de proteção em seus dados.

CF: A questão da identidade sempre foi centralizada nos governos, no entanto, várias empresas como a Heliocor e também a Microsoft, IBM e outras têm trabalhado em um “padrão” internacional de identidade (ERC-725). Você acredita que a tendência global é que o Estado perca o poder de dizer “você é você” e isso migrar para iniciativas privadas ou descentralizadas? Podemos dizer que o “eu” do futuro será definido pela interação digital e não por um documento do Estado?

OH: À medida que a consciência dos consumidores cresce sobre o controle e a proteção da privacidade e dos dados, o sentimento polariza-se e estamos vendo isso com o desenvolvimento de aplicativos Self-Sovereign & Decentralized Identity Data, ambos Blockchain e Non-Blockchain. A ascensão dos aplicativos ERC-725 e D/ID. Soluções como a nossa colocam o poder e a escolha de volta nas mãos dos consumidores, permanecendo em conformidade com os regulamentos e diretrizes. A ineficiência com os meios tradicionais de KYC / AML significa que o setor pode ser forçado a se adaptar à medida que os consumidores passam a usar aplicativos tecnicamente mais experientes para validação de documentos e verificação de identidade. Essas empresas, como a nossa, que estão no lugar certo, na hora certa e à frente da curva, serão beneficiadas por serem proponentes da mudança.

Também estamos desenvolvendo uma solução para KYC/AML para Investidores em Valores Mobiliários (STO), usando o ERC-725, validando os documentos dos investidores para títulos/ações em blockchain, e emitindo um ERC-725 não fungível capaz de facilitar o controle de lavagem de dinheiro, contraterrorismo, financiamento criminal, PEPs e sanções.

Nos países em desenvolvimento, eles estão ultrapassando os sistemas antiquados indo diretamente para aplicativos em blockchain, com aplicativos DID de pilotos e testes sendo usados ​​por governos em toda a África, como Nigéria e Serra Leoa. A tendência global que você identifica terá um desenvolvimento desigual, no entanto, acreditamos que as empresas e indústrias serão atraídas para o uso de inovações DID baseadas em blockchain. O futuro pode não ser totalmente “eu”, no entanto, com inovações em Blockchain, consumidores e adotantes da tecnologia podem começar a reequilibrar a balança contra os governos dominadores da identidade e os negócios desonestos.

CF: Temos o caso da Estônia como exemplo de identidade descentralizada construída pelo Estado. Dubai também caminha nessa direção, assim como a Suécia, a Coreia do Sul, a China e outras nações. Podemos dizer que, nesse sentido, as soluções multipolaridade, conforme anunciado pela Accenture, podem ajudar na construção dessa “globalização do ser como identidade”? Como a Heliocor pretende estar nesse mercado?

OH: A identidade digital é uma área complexa – até certo ponto, nossas identidades são definidas geograficamente, vinculadas a nossos países de nascimento e residência, mas cada vez mais identidades são globais, com impactos financeiros globais e vulnerabilidades. Países ao redor do mundo estão explorando o que a identidade digital realmente significa e como ela os entrega. O desafio é que vamos acabar com 200 abordagens diferentes e 4000 soluções técnicas diferentes.

Sem que o comércio assuma a liderança e estabeleça padrões universais de operacionalidade, acabaremos esperando décadas antes que haja uma abordagem unificada da identidade que reflita a natureza global de nossas identidades e a velocidade da mudança de tecnologia. O segundo desafio é que as regulamentações não mudam rapidamente e enquanto os governos se concentram na digitalização de identidades à sua própria maneira, elas precisam ser reconhecíveis e compartilháveis ​​e, na realidade, são apenas empresas como a Heliocor com sua abordagem global para criar identidades digitais que podem fornecer uma solução para atravessar esta transição.

CF: A Heliocor acredita que a integração entre IoT, AI, blockchain, Big Data e outras tecnologias pode ser a “internet” do futuro? E qual o potencial de criptomoedas, como Bitcoin, IOTA, Ethereum e outros, nesta nova economia digital?

OH: O mundo está mudando muito rapidamente, impulsionado por mudanças na tecnologia e pela capacidade de disseminação global de ideias e de alcançar altos níveis de adoção em uma década. Há apenas 20 anos, uma empresa não conseguiria crescer a uma velocidade que se aproximasse do possível hoje, porque as linhas de comunicação eram lentas e longas. Normalmente, levaria uma década para uma empresa se mudar para o exterior hoje em dia, e a mesma medida pode ser tomada dentro de 18 meses. Com essa mudança na “velocidade das ideias”, também estamos testemunhando uma maturidade da tecnologia que acelera as velocidades que os negócios podem oferecer à tecnologia.

Mas, embora tenhamos visto o surgimento de novas formas de dinheiro, elas não são tão maduras quanto a tecnologia por trás delas. No entanto, uma coisa que devemos perceber é que, enquanto o mercado convencional [economia fiduciária] deseja que elas [criptomoedas] desapareçam, você não pode colocar esses gênios de volta em sua garrafa. Ficamos com a estranha situação de um impasse mexicano entre moedas novas e antigas. A globalização está impulsionando uma alternativa às moedas padrão-ouro (dólar, euro-esterlina e yang). Embora a relutância das novas moedas e de seus emissores em gerar transparência e segurança nos deixem com moedas muito arriscadas e voláteis para a maioria das pessoas considerar nas transações do dia a dia.

Não se engane, isso mudará, mas somente quando os emissores e as bolsas colocarem em prática o controle sobre os especuladores para torná-los viáveis ​​e a transparência para torná-los confiáveis. Em grande parte, essa é a missão mais ampla da Heliocor, que traz confiança de volta aos serviços financeiros, tanto para a velha economia quanto para a economia das criptomoedas.

Compre e Venda Bitcoin, Ethereum, Litecoin e Decred de maneira simples, rápida e segura !!CLIQUE AQUI