Início Notícias Guerra comercial entre Estados Unidos e China pode atingir mineração de criptomoedas

Guerra comercial entre Estados Unidos e China pode atingir mineração de criptomoedas

322
0
Guerra comercial entre Estados Unidos e China pode atingir mineração de criptomoedas

A guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo chegou ao setor de criptoativos. As tarifas comerciais impostas a produtos da China pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, provavelmente causarão um grande impacto na lucratividade das empresas chinesas que produzem hardware de mineração de ativos digitais.

Das três gigantes da mineração baseados na China, a Bitmain deve ser a mais atingida, uma vez que a empresa depende muito das vendas para o exterior.

Guerra comercial impõe 27,5% de imposto

Espera-se que três dos maiores produtores de hardware de mineração do planeta sejam impactados negativamente pelas tarifas comerciais introduzidas pelo presidente Trump no final de agosto.

A Bitmain, a Canaã e a Ebang International serão forçadas a pagar 27,5% em todas as unidades vendidas nos EUA. Isso porque o Representante de Comércio dos EUA classificou o hardware de mineração como “aparelho de maquinaria elétrica” em junho deste ano.

De acordo com o News BTC, Ben Gagnon, co-fundador da LuTech, empresa de desenvolvimento de equipamentos de mineração para Bitcoin, disse ao South China Morning Post sobre como as tarifas provavelmente impactariam a indústria liderada pela China:

“Todos os fabricantes de equipamentos de mineração sediados na China provavelmente serão afetados pela mudança do código tarifário e, por sua vez, capturados pela tarifa comercial dos Estados Unidos.”

Nenhuma mineradora será tão afetada pela terra comercial quanto a Bitmain. Isso ocorre porque as vendas externas da empresa constituíram 51% de sua receita total nos anos de 2016 e 2017. Esses números foram obtidos no prospecto de oferta pública inicial (IPO) da Bitmain.

Enquanto isso, a Canaan e a Ebang International não dependem tão fortemente das exportações com suas próprias vendas no exterior, contribuindo apenas com 8,5% e 3,8%, respectivamente, durante o ano passado.

No entanto, a porcentagem exata de vendas destinadas aos Estados Unidos de qualquer uma das três empresas não é clara.

Um dos analistas seniores da Sanford C. Bernstein, Mark Li, afirma que as tarifas comerciais americanas contra a China tornarão as unidades criadas pela Bitmain, Ebang International e Canaan muito menos atraentes para os mineradores de criptomoeda que operam nos Estados Unidos. Isso talvez permita que produtos de outros países possam quebrar influência que a China exerce atualmente na indústria de mineração.

Ameaças externas

Para a Bitmain, a tarifa de importação não é o único fator que ameaça destroná-los como a maior fabricante de hardware de mineração de criptomoedas do planeta.

Seu domínio na corrida para criar os chips tecnologicamente mais avançados está diminuindo rapidamente, à medida que ofertas de produtos como GMO e Canaan se tornam mais eficientes e mais rápidas do que o principal modelo da Bitmain.

Além disso, acredita-se que a gigante chinesa esteja mantendo enormes reservas de Bitcoin Cash entre seus ativos. As reservas se revelaram tão volumosas que não há maneira prática para a empresa vender as moedas sem derrubar o mercado.

Li resumiu que a situação de Bitmain está cada vez mais incerta. Isso pode fazer a empresa provavelmente tem problemas maiores para se preocupar do que as duras tarifas de comércio da Trump:

“A tarifa dos EUA provavelmente é o menor dos problemas para a administração da empresa no momento.”

Siga o Criptomoedas Fácil no InstagramCLIQUE AQUI !!!