Início Notícias Grupo de hackers da Coreia do Norte rouba US$571 milhões em criptomoedas

Grupo de hackers da Coreia do Norte rouba US$571 milhões em criptomoedas

604
0
Grupo de hackers da Coreia do Norte rouba US$571 milhões em criptomoedas

O infame grupo hacker da Coreia do Norte, apelidado de Lazarus, conseguiu roubar mais de meio bilhão de dólares em criptomoedas, segundo um relatório divulgado pelo site de notícias Coindesk.

De acordo com um artigo publicado na The Next Web, o relatório anual da empresa de cibersegurança Group-IB indica que o Lazarus estava por trás de 14 hacks em exchanges de criptomoedas desde janeiro de 2017, acumulando US$571 milhões com os ataques.

A notícia reforça as alegações de autoridades da Coreia do Sul, que disseram em fevereiro que os hackers norte-coreanos provavelmente roubaram dezenas de milhões de dólares em criptomoedas em 2017.

Conforme relatado pela CoinDesk, o Serviço Nacional de Inteligência do país disse que golpes de phishing e outros métodos criminais renderam dezenas de bilhões de won em fundos de clientes. As autoridades também estavam investigando se os mesmos hackers estavam por trás da invasão da Coincheck em janeiro, que acumulou mais de US$ 500 milhões em criptomoedas – embora o grupo Lazarus não tenha sido especificamente mencionado.

Mais genericamente, o Grupo-IB também indica que US$882 milhões em criptomoedas foram roubados das exchanges de 2017 a 2018.

O provedor de segurança disse que o número de ataques direcionados às exchanges de criptomoedas deve aumentar ainda mais, com hackers de instituições financeiras mais tradicionais, como os bancos, sendo atraídos para o espaço em busca de grandes ganhos.

O resumo também analisa os métodos usados ​​pelos hackers para realizar seus ataques, dizendo que phishing e malware são as ferramentas mais difundidas do comércio ilícito.

Além disso, diz o Group-IB, os hackers conseguiram 10% dos fundos arrecadados pelas plataformas de ofertas iniciais de moedas (ICOs, na sigla em inglês) desde o início de 2017, com o phishing sendo o meio mais comum de ataque.

O Group-IB supostamente diz que os investidores mais interessados ​​têm corrido para participar das vendas de tokens sem prestar atenção suficiente à sua segurança, muitas vezes se deparando com truques como sites falsos.

O Group-IB adverte ainda que os pools de mineração poderiam ser um alvo tentador para os hackers, dizendo que os agentes mal-intencionados poderiam empregar um ataque de 51% para assumir as redes, como aconteceu em vários projetos de criptomoedas neste ano.

COMPARTILHAR
Publicitária, planejadora estratégica e entusiasta do universo cripto. Confia nas mudanças que a tecnologia irá trazer para a sociedade.
Siga o Criptomoedas Fácil no InstagramCLIQUE AQUI !!!