Início Notícias FMI não tem interesse no El Petro, mas sim na queda da...

FMI não tem interesse no El Petro, mas sim na queda da produção de petróleo na Venezuela

429
0

A Venezuela vive uma das maiores crises econômicas de sua história, levando milhares de pessoas a abandonar o país em busca de oportunidades, principalmente no Brasil e na Colômbia. Segundo a Assembleia Nacional venezuelana, a hiperinflação de 6.000% faz com que falte tudo, desde comida até remédios, no país que possui algumas das maiores reservas de petróleo do mundo e a segunda maior reserva de ouro de todo o globo.

A escassez é tanta, que em 2016, como revelou a Bloomberg, chegou até mesmo a faltar dinheiro para imprimir o próprio dinheiro.

No entanto, este ano, ocorrerão eleições no país e os candidatos possuem propostas para mudar esta realidade. Enquanto o opositor Henri Falcón, que lidera as pesquisas, propõe “dolarizar” a economia da Venezuela, o atual presidente Nicolás Maduro, candidato a reeleição, quer eliminar o dólar da economia venezuelana e popularizar o uso nacional e internacional de sua criptomoeda, o “El Petro“.

O projeto de Maduro porém contem inúmeras perguntas ainda não respondidas, como a participação Russa no projeto, a transparência dos tokens, o suprimento real do projeto (embora em seu whitepaper tenha um suprimento limitado, está sendo construído dentro de uma aplicação da blockchain NEM que permite a liberação de novos tokens além do limite estabelecido), entre outras.

No entanto, o que preocupa o FMI (Fundo Monetário Internacional) não são os aspectos técnicos pouco esclarecidos sobre o principal projeto de Maduro, mas o ativo de liquidez do projeto, que pode impactar a economia global de uma forma muito mais intensa do que sua real capacidade para mudar o situação na nação sul-americana, o petróleo.

Em uma recente reunião a Diretoria Executiva do FMI mostrou muita preocupação com a situação do país, que não tem fornecido dados isentos as organizações multilaterais e também não tem implementado as medidas acordadas com as instituições.

Em um questionamento feito pelo Criptomoedas Fácil, o Diretor do FMI na América Latina Alejandro Werner argumentou que a queda na produção do petróleo venezuelano é um grande fator de risco. No entanto, sobre o Petro, Werner diz que o FMI ainda não estudou em detalhes o projeto, mas está acompanhando seus desdobramentos.

“Quanto ao Petro, ainda não o estudamos em detalhes, não estudamos a lógica por trás da introdução dessa moeda porque não temos contato com as autoridades venezuelanas. O principal problema com a Venezuela é a queda na produção de petróleo bruto. Assim, independentemente de como você cobra por essas exportações, o fato é que vimos uma queda na produção de petróleo nos últimos 18 meses, que tem sido espetacular. A produção diminuiu em 50% em um período muito curto de tempo, apesar do aumento nos preços do petróleo, temos visto a queda na produção na Venezuela, que está gerando uma perda de receita. Isso está adicionando e agravando os problemas econômicos na Venezuela. Isso está levando a essa crise, que é uma das maiores crises que temos visto na história da economia moderna. Se você olhar para todos os colapsos econômicos que ocorreram nos últimos 50 anos, o colapso da Venezuela deve ser um dos 15 principais.”

O alerta do FMI sobre a liquidez do principal produto da Venezuela, e o ativo principal a sustentar o Petro, soma-se a outros inúmeros alertas emitidos contra o projeto da criptomoeda de Maduro, entre outros, a eleição deste ano pode ser o principal deles, afinal, a criptomoeda foi condenada pela Assembleia Nacional do país e considerada inconstitucional, portanto, em caso de vitória da oposição no pleito eleitoral deste ano, é muito provável que o projeto do El Petro seja cancelado ou congelado.

COMPARTILHAR
Toda honra e Glória pertencem a Deus sempre. Publicitário e Produtor Cultural. Entusiasta de tudo aquilo que o Estado não consegue controlar. Abaixo aos muros, que se construa janelas para o amanhã