Início Blockchain Etiópia explora blockchain da Cardano para sua rica indústria de café

Etiópia explora blockchain da Cardano para sua rica indústria de café

490
0

Quando se escuta falar sobre a Etiópia logo pensamos em pobreza e guerra. No entanto, a nação que historiadores acreditam ser a “origem da raça humana” possui, além de uma das principais companhias aéreas do mundo, a Ethiopian Airlines, uma infinidade de riquezas naturais, entre elas um dos cafés mais valorizados do mundo, que foi inclusive eternizado pelas lentes do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado, no livro “Perfume de Sonho”. E é esta iguaria que pode incluir a nação na vanguarda tecnológica.

Segundo artigo publicado pela Coindesk, agência de notícias especializada no universo cripto, a Etiópia está explorando o uso da tecnologia blockchain para rastrear a cadeia de fornecimento de seu maior café de exportação. Para o esforço, a nação do leste da África fez uma parceria com a empresa de pesquisa e desenvolvimento em blockchain IOHK, que irá desenvolver aplicações blockchain para embarques de café e outras áreas da agricultura. Em colaboração com o Ministério de Ciência e Tecnologia da Etiópia, o projeto será interministerial, além de envolver outros empresários e startups no país.

Getahun Mekuria, ministro da Ciência e Tecnologia da nação, disse que a pesquisa está se concentrando no uso da plataforma blockchain da Cardano e de acordo com Charles Hoskinson, CEO da IOHK, os esforços da empresa vão além do projeto da cadeia de suprimentos.

“Nós também estamos treinando desenvolvedores locais de blockchain, alguns dos quais vamos contratar, enquanto o resto vai continuar a desenvolver suas habilidades em economia. A primeira classe será toda feminina e o objetivo é ter graduados desta classe seguindo em frente, criando empreendimento no ecossistema das criptomoedas usando a tecnologia Cardano, o primeiro desse tipo na África.”

COMPARTILHAR
Toda honra e Glória pertencem a Deus sempre. Publicitário e Produtor Cultural. Entusiasta de tudo aquilo que o Estado não consegue controlar. Abaixo aos muros, que se construa janelas para o amanhã