Início Entrevista Entrevista com professor convidado pela Coreia do Norte para ensinar sobre criptomoedas...

Entrevista com professor convidado pela Coreia do Norte para ensinar sobre criptomoedas aos universitários do país

612
0
Entrevista com professor convidado pela Coreia do Norte para ensinar sobre criptomoedas aos universitários do país

Embora apenas um grupo seleto de pessoas na Coreia do Norte tenha acesso à internet, recentemente, como reportou o Criptomoedas Fácil, a Universidade de Ciência e Tecnologia de Pyongyang (PUST), capital do país, convidou Federico Tenga, desenvolvedor e professor italiano, para ensinar aos seus alunos ciência da computação e finanças sobre Bitcoin e criptomoedas.

Confira abaixo uma entrevista feita pela agência de notícias ExpressVPN com o professor universitário que levará conhecimento do universo das moedas digitais aos jovens norte-coreanos.

ExpressVPN: Olá Frederico, você pode nos contar um pouco sobre você?

Frederico Tenga: Eu me considero um “Bitcoiner” – me interessei em 2011 e, a partir daí, trabalhei para cofundar uma empresa de Bitcoin em 2016. Trabalhamos em produtos e serviços que ajudam empresas a interagir com o Bitcoin. Eu também me considero um libertário, então visitar um país tão controlado pelo governo como a Coreia do Norte era particularmente intrigante para mim. É um dos únicos lugares no qual se sente fundamentalmente diferente do resto do mundo, porque eles não estão tão conectados a ele. Então, eu estava interessado em ver se poderia mesclar as duas coisas – minha paixão por Bitcoin e minha curiosidade sobre a Coreia do Norte.

EVPN: Como você entrou em contato com a universidade?

FT: Eu consegui entrar em contato com a PUST por email em 2016 e conversamos sobre organizar uma participação minha em um curso de finanças da universidade. Mas quando finalmente chegamos a organizá-la, eles já tinham um professor de finanças, então acabei me concentrando em blockchain e Bitcoin porque eles realmente queriam que seus alunos fossem expostos às inovações do mundo exterior. Por eles estarem vivendo em um país que ainda é muito fechado, os professores e membros do corpo docente realmente queriam dar algo mais aos seus alunos.

EVPN: Você precisou ser muito persuasivo para fazer com que a universidade se interessasse pelo Bitcoin?

FT: De modo nenhum. Desde o início, a universidade estava profundamente interessada na “tecnologia blockchain” – a qual eu tinha que dizer a eles que não existia sem tokens, mas eles estavam muito bem com isso. Mesmo quando perdemos contato após a conferência, eles ainda me procuraram depois de um ano para perguntar sobre a possibilidade de eu ensinar na PUST, então certamente houve um interesse contínuo.

EVPN: Como eram os alunos? Seus conhecimentos, suas habilidades na internet, seu inglês?

FT: Eles falam inglês muito bem. Nem todos são super fluentes, mas a linguagem não era um problema. Como estudantes de ciência da computação eles definitivamente vieram para a classe com um pouco de conhecimento de base, e eles são bons programadores, mas como eles não têm muito acesso ao mundo exterior eles obviamente não experimentaram a mesma internet que um europeu estudante de ciência da computação experimentou. Quanto ao ensino de Bitcoin, não é tão complicado quanto parece quando o tópico é dividido em pequenos pedaços. Eu simplesmente o dividi em quatro partes: i) como as assinaturas digitais funcionam, ii) o que é prova de trabalho, iii) como funciona a blockchain e iv) como coordenar o gasto duplo. Depois disso não é muito difícil entender os conceitos.

EVPN: Qual tópico chamou mais a atenção dos alunos?

FT: Eu diria que tiveram alguns momentos em que eu chamei a atenção deles. Eles estavam interessados ​​em mineração – quando eu fazia uma simulação de mineração manual de Bitcoin e mostrava a eles que eles teriam que tentar muitas vezes, eles estavam curiosos sobre se eles tinham que fazer isso manualmente e como certamente poderia ser feito automaticamente? Quando eu mostrei fotos de fazendas de mineração de Bitcoin, elas ficaram tipo “uau, isso é tão legal!” Embora tenha sido um pouco técnico às vezes e seja um curso obrigatório, o Bitcoin é um conceito inerentemente interessante que as pessoas podem facilmente se apaixonar sobre, por isso, se explicado bem o suficiente. Os estudantes também perguntaram sobre como o Bitcoin poderia ser usado como meio de troca se o preço não era fixo, o que é uma crítica válida, uma vez que a volatilidade dos preços e a natureza deflacionária do Bitcoin poderiam comprometer o sucesso do Bitcoin como meio de troca amplamente utilizado.

EVPN: Como foi falar sobre Bitcoin e descentralização em um país em que a centralidade e o poder estatal está acima de qualquer outro conceito? Houve muita censura?

FT: Bem, depende da forma de abordagem. O Bitcoin permite que você faça coisas que o seu governo não quer que você faça e isso pode ser um assunto complicado na Coreia do Norte. Mas se você enquadrar a resistência à censura como um método de realizar transações e acessar serviços financeiros avançados sem ter que pedir permissão a bancos estrangeiros, eles estão obviamente mais interessados. Quando eu estava ensinando a eles, claramente eu não podia dizer “sim, você poderia usar essas coisas para entrar no mercado negro e ter acesso a coisas que você não teria de outra forma”. Em vez disso eu me concentrei em como eles poderiam usá-lo depois que se formarem. Como um país completamente socialista, o dinheiro não é o principal motivador – o dever para com o país é. Há esse sentimento de que a única motivação da Coreia do Norte é trabalhar para o seu país. Ao usar o Bitcoin, você pode ajudar a recuperar alguma agência sobre as finanças do seu país, ou seja, lidar com o Bitcoin para o estado. O contraste com o resto do mundo é incrivelmente gritante, uma vez que você considera que o Bitcoin fora da Coreia do Norte é usado em um nível individual, porque seus usuários não confiam em seus governos ou instituições financeiras para lidar com suas finanças.

EVPN: O que te surpreendeu mais na Coreia do Norte?

FT: Uma coisa que realmente me surpreendeu foi que eu tinha maior acesso à internet do que na China. Quando me transferi de Pequim, tive que usar uma VPN para acessar a internet, então foi muito engraçado pousar em Pyongyang e ter acesso mais livre à internet, embora, é claro, esse acesso ao Wi-Fi esteja disponível apenas para algumas pessoas. Também fiquei surpreso que os estudantes tivessem alguma exposição ao mundo exterior também – havia alguns fãs de futebol que assistiam ao futebol europeu, inclusive fãs e torcedores do Barcelona e do Real Madrid.