Início Notícias Consensus 2018: Empresa pretende criar 50 milhões de empregos para mulheres na...

Consensus 2018: Empresa pretende criar 50 milhões de empregos para mulheres na Índia

744
1
Consensus 2018: Empresa pretende criar 50 milhões de empregos para mulheres na Índia

Durante a Consensus 2018, conferência que aconteceu nesta semana em Nova York, vários anúncios foram realizados durante as palestras. O evento, que teve uma cara de feira de negócios neste ano, serviu para trazer novidades interessantes ao mercado e algumas delas podem ser consideradas bastante ambiciosas.

Neste grupo, podemos incluir a ImpactPPA. A empresa tem como atividade a produção descentralizada de energia renovável oriunda de fontes limpas, eliminando intermediários e burocracia. O seu foco está nos países de baixa renda, locais onde a demanda por eletricidade geralmente é reduzida, o que pode ocasionar desabastecimentos ou mesmo ausência de energia.

Um desses países é a Índia, o segundo país mais populoso do mundo, um local que também é marcado pela extrema pobreza. A ImpactPPA anunciou na Consensus a intenção de reverter esse quadro, e, através de uma parceria com o governo local, pretende investir na revitalização da indústria têxtil do país.

O projeto

Sob os auspícios do ministro Shri Giriraj Singh, a ImpactPPA trabalhará com o Ministério de Micro, Pequenas e Médias Empresas da Índia para levar a cabo uma iniciativa do governo, intitulada Bhartiya Harit Khadi Gramodaya Sansthan (BHKGS), em tradução livre, o termo significa “Organização de Desenvolvimento da Vila Têxtil de Algodão Verde da Índia”. A iniciativa possui uma meta bastante ambiciosa: gerar cerca de 50 milhões de empregos para trabalhadoras mulheres, nos estados do país onde existe uma predominância da atividade rural e têxtil.

O programa terá uma fase piloto na aldeia de Khanawa, localizada no estado de Bihar. A ideia, segundo a empresa, é instalar teares nas casas de mulheres que trabalham com a fiação de algodão. Pela parceria, a ImpactPPA ficará encarregada de fornecer energia renovável para alimentar esses teares, usando o blockchain Ethereum para gerenciar a logística da cadeia de suprimentos para a iniciativa.

A empresa manifestou alegria em participar do desafio de levar empregos e energia para milhões de pessoas em um dos países mais pobres do mundo.

“É uma honra trabalhar com o governo da Índia para implantar soluções de tecnologia”, afirmou Dan Bates, CEO da ImpactPPA, em um comunicado. “Um projeto com esse escopo demonstra claramente que o uso de energia renovável e tecnologia blockchain alcançou vários setores tradicionais. Essa parceria se alinha perfeitamente à nossa missão fundamental, que é ajudar a melhorar a qualidade de vida e fazer da energia sendo o motor do bem social e de uma maior justiça econômica.”

Em termos de renda de trabalho, o projeto estima que as trabalhadoras possam gerar entre 8 mil e 10 mil rúpias (cerca de US$115 a US$145) por mês, diretamente de suas casas. Isso significaria que algumas famílias poderão experimentar um aumento de 15 a 45% em sua renda mensal, já que a renda mensal conjunta para famílias em algumas das aldeias mais pobres da Índia mal chega a 7.000 rúpias (cerca de US$100).

Próximas etapas

O programa espera revelar a primeira etapa em junho, tendo como marco uma cerimônia de inauguração feita pelo primeiro-ministro indiano Narendra Modi. A instalação inaugural em Khanawa consumirá 100 KW de energia (fornecida pela ImpactPPA) e terá sistemas de 2 KW para implantar os teares movidos a energia solar da instalação.

“Tendo trabalhado com o governo da Índia em várias soluções e projetos de impacto social, essa parceria representa uma grande mudança no jogo”, observou Aradhana Singh, CEO e diretor administrativo da Sarang Services Pvt. Ltd., empresa que atua como parceira doméstica da Índia para o projeto. “Estamos entusiasmados que a ImpactPPA seja a fornecedora de energia e tecnologia de blockchain e serviços para o projeto, trazendo oportunidades de crescimento econômico para a região, ao mesmo tempo em que defende o empoderamento das mulheres.”