Início Notícias Drones em blockchain: viajando até onde as estradas não alcançam

Drones em blockchain: viajando até onde as estradas não alcançam

480
0
Drones em blockchain: viajando até onde as estradas não alcançam

Uma estrutura de metal com quatro pequenas e duas grandes hélices, carregando um contêiner do tamanho de uma geladeira, se ergue no ar com um rugido, pairando sobre uma estrada vazia em meio a campos cobertos de neve.

O vídeo foi filmado em um campo de pouso perto da cidade russa de Kazan, localizada no sudeste de Moscou. A máquina é um drone da SKYF, projetado por uma equipe de engenheiros da aviação russa.

Segundo seus criadores, o drone pode transportar até 880 libras, viajar até 220 milhas e trabalhar por até oito horas. E tudo o que acontece com esses drones será gravado no blockchain do projeto, o SKYFchain.

A equipe da SKYF está tentando entrar em um ecossistema em rápido crescimento. Segundo a gigante do setor de auditoria PwC, o mercado global de drones foi avaliado em mais de US$127 bilhões apenas em 2016. Hoje, os drones podem transportar apenas pequenos objetos, mas a equipe da SKYF pretende abrir um novo mercado: drones para cargas pesadas.

A ideia é que eles sirvam a múltiplos propósitos, como entregar grandes quantidades de carga, combater incêndios e pulverizar inseticidas e fertilizantes em terras agrícolas.

Inovação russa

O SKYF é um projeto criado na Rússia. Os drones estão sendo produzidos internamente pela OKB Aviareshenia Ltd., uma subsidiária da entidade britânica ARDN Technologies. Ambas as entidades foram fundadas pela mesma equipe de engenheiros e empreendedores de tecnologia: Aleksander Timofeev e Ilya Rodin – sócios-gerentes do fundo de capital FPI – engenheiros Dmitry Arsentyev, Marat Sabirov e Nail Zinnurov, entre outros.

Para apoiar financeiramente o projeto, a equipe está realizando uma oferta inicial de moedas (ICO, na sigla em inglês). Em fevereiro, a Skyfdrones Services OU, uma empresa registrada na Estônia por Alexander Timofeev, registrou a venda simbólica com a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês) sob a exceção do Formulário D (Regra 506 (c)), declarando uma meta de levantar US$30 milhões.

Recentemente, este plano foi ajustado – até agora, o projeto conseguiu arrecadar cerca de US$6 milhões, e eles planejam levantar cerca de US$500 mil antes do final da ICO. Timofeev disse à CoinDesk que 45% dos fundos serão gastos em Pesquisa & Desenvolvimento.

Entrega confiável

De acordo com Ilya Rodin, gerente de GR da SKYF, o uso da tecnologia blockchain nesse contexto visa criar uma camada de confiança entre as partes interessadas, incluindo os interesses dos setores público e privado.

“Precisamos de uma blockchain para criar confiança entre as contrapartes: os bancos, empresas de leasing e seguro, fabricantes e usuários de drones, agências governamentais, órgãos de licenciamento, organizações autorreguladoras e assim por diante”, disse Rodin.

A ideia é que os dados que estão sendo armazenados abranjam várias informações sobre os drones. Isso inclui informações sobre quais licenças os fabricantes possuem, as rotas de voo dos drones, seu desempenho e dados sobre as pessoas que os operam.

Início e dificuldades

A ideia para a startup surgiu em 2014, quando Dmitry Arsentyev estava tentando criar uma moto voadora – mas no final, ele acabou trabalhando em um drone industrial com Sabirov e Zinnurov. Logo depois, eles conseguiram investimento e suporte do FPI em 2014, escreveu a revista Inc.

“Inicialmente, eles tinham um protótipo de um táxi voador que funcionava via piloto automático”, explicou Alexander Timofeev. “Percebemos que o sistema era novo e viável, mas os convencemos a transformá-lo em uma plataforma não tripulada de transporte de cargas.”

Uma das grandes dificuldades encontradas pela empresa foi em relação ao financiamento, pois os bancos não compreendiam a natureza do negócio.

“Os drones são uma tecnologia nova, os bancos não sabem como avaliá-los e calcular as taxas de juros para eles, bem como monitorar seu uso”, acrescentou Olga Budnik, diretora de relações públicas da ARDN. “Então eles preferem negar um empréstimo ou um contrato de leasing do que assumir um risco. E nós damos a eles uma ferramenta para acompanhar toda a vida de um drone.”

Timofeev acredita que a entrega de drones será necessária nas áreas com infraestrutura rodoviária ruim. Este é especialmente o caso em lugares como o norte da Rússia e as margens dos grandes rios da Sibéria, onde as pontes são distantes umas das outras e o uso de veículos rodoviários significa milhas de condução extra.

Colocando drones para funcionar

Mesmo que as coisas estejam no estágio inicial, a startup está avançando com seus ambiciosos planos para sua frota conectada a blockchain.

No coração do projeto está o token, que a equipe diz que servirá um papel fundamental na gestão da frota. “Desde o início da SKYFchain, o piloto automático do drone SKYF exigirá autorização na SKYFchain para decolar”, declara o white paper do projeto.

A ARDN fabricou três drones até agora, mas tem planos de que, em 2021, existam mais de 1100 drones da SKYF operando em todo o mundo. Olhando mais além, o objetivo é que outros fabricantes de drones de carga transportados pelo ar, marítimos e terrestres se juntem à rede SKYFchain.

E, nesse período, os apoiadores do projeto esperam ver 12,5 milhões de transações feitas em sua blockchain construída para o propósito.

Além disso, a empresa já garantiu parcerias com o porto vietnamita ITC, a empresa chinesa de entregas ZTO Express e várias entidades russas, incluindo empresas agrícolas, de entrega e petróleo e gás, bem como o Departamento de Transporte da região do Extremo Oriente de Khabarovsk.

As partes envolvidas assinaram acordos preliminares para testar os drones do SKYF para possíveis aplicações em seus negócios.