Início Notícias Cripto Radar: as principais notícias de 21 de fevereiro de 2018

Cripto Radar: as principais notícias de 21 de fevereiro de 2018

547
0

Confira algumas das notícias mais importantes que circularam pelos veículos nacionais e internacionais:

Bitcoin valoriza 95% nos últimos 15 dias e chega perto dos US$12 mil

O preço do Bitcoin chegou a recuperar 95% do seu valor em relação ao nível mais baixo registrado em 06 de fevereiro, que foi de US$6.116. No final desta terça-feira, 20 de fevereiro, a cotação da moeda digital ficou muito próxima à casa dos US$12 mil, registrando US$11.927. Até o fechamento deste artigo, a criptomoeda sofreu uma leve queda e estava sendo negociada a US$11.171, de acordo com dados da CoinMarketCap. No Brasil, o Bitcoin também viu seu preço aumentar, chegando a ultrapassar novamente os R$39 mil. Até o fechamento deste artigo, uma pequena correção fez o preço da moeda digital registrar R$37.269, conforme dados da Bravenewcoin.

Rússia lidera a democratização da tecnologia blockchain

Mesmo com a Rússia sendo acusada de intromissão nas eleições presidenciais dos EUA de 2016, sua capital Moscou está assumindo um papel de liderança para tornar a democracia mais transparente. Usando um programa existente chamado Active Citizen, Moscou tem permitido que os residentes votem para medidas que vão desde o nome do novo metrô da cidade até a cor dos assentos de uma nova arena de esportes. Porém, em um esforço para acalmar as preocupações das pessoas sobre a confiança na contagem desses votos, ela adicionou uma versão de blockchain baseada em Ethereum à arquitetura desse projeto. “É claro, às vezes ouvimos que nem todos os votos são confiáveis”, disse Andrey Belozerov, assessor de estratégias e inovações da cidade. “Então, decidimos usar uma blockchain para o projeto Active Citizen, como uma plataforma de confiança eletrônica.”

Ripple anuncia parceria com Itaú Unibanco

A cada semana, muitas empresas de blockchain podem se gabar de novas parcerias, porém a Ripple é uma das empresas que tem anunciado algumas das mais significativas para o mercado financeiro. Uma das últimas alianças divulgadas pela provedora de plataforma blockchain é com o importante banco brasileiro Itaú Unibanco. O Banco Itaú Unibanco e a BeeTech, outra empresa brasileira focada em soluções financeiras, juntaram-se à RippleNet com o intuito de facilitar transferências de fundos globais com mais agilidade e menores custos. O banco indiano Induslnd, juntamente com a empresa canadense Zip Remit, também estão buscando beneficiar-se de transações financeiras através da blockchain visando custos mais baixos.

Ofertas iniciais de moedas arrecadaram US$2 bilhões somente este ano

Apesar da qualidade das ofertas iniciais de moedas (ICOs, na sigla em inglês) deste ano ter melhorado, o apetite dos investidores por elas parece não ter sido preenchido totalmente. Somente em 2018, US$2 bilhões já foram arrecadados em ICOs, colocando o ano em curso em uma posição confortável para superar o total de US$5,7 bilhões arrecadados em 2017. Porém, com a estrutura dessas vendas recentemente voltada cada vez mais para investidores privados, o público geral foi deixado de lado e luta pelos restos. Dados mostram que 84% de toda a coleta de fundos através de ICOs vêm de empresas privadas e de pré-vendas.

El Petro arrecada US$735 milhões no primeiro dia de sua ICO

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, anunciou que a oferta inicial de moeda (ICO, na sigla em inglês) do Petro, criptomoeda estatal venezuelana e o que pode vir a ser a primeira criptomoeda estatal do mercado, arrecadou cerca de US$735 milhões em seu primeiro dia de oferta. Se os números anunciados por Maduro forem confirmados, o governo terá vendido, apenas no primeiro dia, 20.416.666 unidades do Petro, ou seja, mais de 53% dos 38 milhões de Petros que estarão disponíveis para compra nesta primeira rodada de venda institucional. Após esta fase, será realizada a venda pública na qual serão vendidos 44 milhões de tokens. O “El Petro” será lastreado em barris de petróleo não desenvolvidos que existem no subsolo no bloco de Ayacucho do Cinturão do Orinoco, na Venezuela.