Início Notícias Cripto Radar: as principais notícias de 16 de fevereiro de 2018

Cripto Radar: as principais notícias de 16 de fevereiro de 2018

658
0

Confira algumas das notícias mais importantes que circularam pelos veículos nacionais e internacionais:

Bitcoin volta a ser negociado acima dos US$10 mil

Preço do Bitcoin bateu US$10 mil em diversas exchanges do mercado pela primeira vez desde dezembro de 2017, quando uma unidade da moeda digital bateu seu recorde de preço chegando a custar perto dos US$20 mil. Desde a baixa de 06 de fevereiro, em que o preço bateu a casa dos US$6.110, uma correção que fez o Bitcoin perder quase 70% em comparação à sua marca histórica de dezembro, a criptomoeda vem ganhando fôlego. No final desta quinta-feira, 15 de janeiro, a moeda digital chegou a ser cotada a US$10.305, de acordo com dados da CoinMarketCap. No Brasil, a moeda digital foi cotada a R$34.256 no início desta sexta-feira, conforme dados da Bravenewcoin. Até o fechamento deste artigo, o Bitcoin era negociado a US$9.905 no mercado internacional, e no Brasil a R$33.082.

Criptomoedas no Brasil, Projeto de Lei 2.303/15

Qual o futuro do Bitcoin no Brasil? Proibido ou não? Dia após dia temos visto notícias nos jornais e na televisão falando sobre a regulamentação do #Bitcoin – e de outras #Criptomoedas em geral – no Brasil e no mundo. Mas você sabe o que o Governo brasileiro pensa sobre o tema? Você sabe quem são os políticos envolvidos nisso? E como será que está a regulamentação ao redor do mundo? O Criptomoedas Fácil – em conjunto com o OctaBank – preparou uma Análise sobre a Conjuntura Política para que você saiba de tudo que está acontecendo e saiba como se preparar. Baixa agora mesmo, porque está de graça!

Coinbase admite ter cobrado mais dos compradores de criptomoedas

Após inúmeras queixas de usuários ??no Reddit, a Coinbase, maior corretora de criptomoedas dos EUA, confirmou que, acidentalmente, um erro em seu sistema resultou na cobrança adicional em compras de usuários. Algumas pessoas se queiraxam de serem cobradas 17 vezes a mais que o valor da compra original. “Podemos confirmar que as cobranças inesperadas são originárias da nossa rede de processamento de pagamentos e estão relacionadas às cobranças de compras anteriores”, disse um porta-voz da empresa no Reddit. “Até onde temos conhecimento, essas cobranças inesperadas não são permanentes e estão em processo de reembolso”.

Empresa de energia canadense pretende aumentar suas taxas devido à alta demanda de mineradores de criptomoedas

A Hydro-Quebec, empresa canadense de energia, pode aumentar as taxas cobradas para as empresas envolvidas com criptomoedas, devido à alta demanda de mineradores que tentam aproveitar de suas baixas taxas praticadas atualmente. Marc-Atoine, porta-voz da empresa, disse que mais de 100 mineradoras de moedas digitais se aproximaram da Hydro-Quebec, e completou informando que algumas fazendas irão consumir mais de 20 vezes a energia utilizada pelo complexo esportivo de Montreal.

Corretora de criptomoedas anuncia plataforma exclusiva para comerciantes

A Coinbase, maior corretora de criptomoedas dos Estados Unidos, anunciou nesta quarta-feira, 14 de fevereiro, em uma postagem seu blog, o lançamento de uma plataforma exclusiva para donos de comércios. A novidade surge com o objetivo de facilitar a vida dos comerciantes que possuem interesse em começar a aceitar pagamentos em criptomoedas. Denominada Coinbase Commerce, no ar desde o dia em que foi anunciada, a plataforma está disponível para comerciantes de todo o mundo, e não somente do país norte-americano. Será possível aceitar pagamentos com Bitcoin, Bitcoin Cash, Ethereum e Litecoin.

Hackers roubam US$50 milhões em criptomoedas em ataques no Google AdWorks

De acordo com um relatório publicado nesta semana, uma equipe de hackers ucranianos, apelidada de CoinHoarder, roubou mais de US$50 milhões em criptomoedas de usuários que tinham a impressão de que estavam acessando o Blockchain.info, site de um dos fornecedores mais populares de carteiras digitais. O relatório detalha que os ladrões fisgaram suas vítimas usando uma técnica simples: comprando anúncios do Google com palavras-chave de pesquisas populares relacionadas às criptomoedas “para envenenar resultados de pesquisa do usuário” e recuperar o conteúdo das carteiras de moedas digitais. Isso significava que ao pesquisar no Google termos termos como “blockchain” ou “carteira Bitcoin”, apareciam links para sites maliciosos que se passavam como o domínio legítimo Blockchain.info.