Início Notícias Cripto Radar: as principais notícias de 03 e 04 fevereiro de 2018

Cripto Radar: as principais notícias de 03 e 04 fevereiro de 2018

322
0

Confira algumas das notícias mais importantes que circularam pelos veículos nacionais e internacionais durante o final de semana:

Campus Party Brasil 2018 supera todas as expectativas

A décima primeira edição da Campus Party Brasil chega ao final, depois de mais de 750 horas de atividades, ostentando grandes resultados: doze mil campuseiros, sendo 8 mil acampados, e mais de 130 mil pessoas presentes na Open Campus, o espaço gratuito do evento, nos seus quatro dias de funcionamento. Grandes nomes passaram pelos nove palcos do evento nessa edição: Don Tapscott, o papa do Blockchain; o neurocientista Greg Gage e suas baratas cyborgs; Mitch Altman, hacker conhecido por ter inventado o TV-B-Gone, um chaveiro que desliga as TVs em locais públicos; Sharron McPherson, diretora fundadora do consórcio Women in Infrastructure Development & Energy (WINDE); Salvador Bayarri, físico e escritor de ficção científica; e o cartunista criador da Turma da Mônica, Mauricio de Sousa. Confira a cobertura exclusiva do Criptomoedas Fácil.

Bank of America e Citibank proíbem a compra de Bitcoin com cartão de crédito

Os bancos JP Morgan, Bank of America e Citibank anunciaram na última sexta-feira, 02 de fevereiro, que eles não permitirão mais que seus clientes comprem criptomoedas usando cartões de crédito. “Por enquanto, não iremos aceitar compras de criptomoedas com cartões de crédito devido à alta volatilidade e risco envolvido”, disse um representante do JP Morgan. Um representante do Bank of America emitiu o mesmo posicionamento por parte do banco. O Citibank disse em uma declaração que “decidiu deixar de permitir a compra de criptomoedas com cartões de crédito, e que eles irão continuar a revisar a sua política envolvendo o mercado das moedas digitais”.

Qtum lança primeiro node de blockchain no espaço

A tecnologia blockchain começou a levantar seus primeiros vôos. E a frase não é mera força de expressão: uma empresa chamada Qtum aparentemente lançou o primeiro node a rodar no espaço, literalmente. A Qtum é uma empresa que trabalha com tecnologias de aplicativos descentralizados (Descentralized Apps, ou DApps). Em seu portfólio encontram-se soluções para os mais variados mercados, desde o artístico até soluções no mercado de energia. O anúncio foi feito através do perfil oficial da empresa no Twitter. O vídeo com cerca de 10 segundos mostraria o node sendo lançado ao espaço por meio de um satélite chinês. Junto com o vídeo foi divulgado também um link da China National Space Administration (CSNA) mostrando o lançamento do objeto, disponível apenas em chinês.

O preço do Bitcoin está tentando voltar a ser o que era

O preço do Bitcoin estava sendo negociado em torno de US$10 mil há cerca de duas semanas, porém nos últimos dias esse preço caiu para menos de US$9 mil e atingiu uma baixa perto de US$7.850, de acordo com dados da CoinMarketCap. O Bitcoin recuou brevemente para US$9 mil e depois voltou a cair para menos de US$8000 na última sexta-feira, 02 de fevereiro. Ele subiu para cerca de US$9.450 na manhã de sábado, 03 de fevereiro, mas logo caiu novamente. O artigo escrito por Chuck Jones para a Forbes, revista de notícias norte-americana, fala sobre a variação de preço do mercado de Bitcoin, a dinâmica desse mercado e alguns acontecimentos que puderam influenciar na alta volatilidade vivida nos últimos dias.

UNICEF solicita doações à mineradores de Ethereum para crianças na Síria

A ONU tem sido uma das entidades pioneiras ao aderir as criptomoedas, realizando campanhas para incentivar o Bitcoin na África, unindo-se à IOTA e ao Ethereum em patrocínios de eventos sobre as mudanças climáticas e inclusive utilizando a blockchain do Ethereum para enviar ajuda à Síria. Agora, porém, a própria UNICEF convoca os entusiastas do mercado cripto para ajudar a instituição, por meio do programa Game Chaingers, que solicita aos gamers que utilizem suas GPUs para minerar Ethereum com a finalidade de ajudar as crianças na Síria. Segundo a UNICEF o projeto foi criado para encontrar novos doadores para a instituição, uma vez que a maioria dos seus benfeitores já tem mais de 50 anos. Confira como é possível ajudar.