Início Notícias Criminosos não perdoam nem o Papa Francisco e usam contas falsas para...

Criminosos não perdoam nem o Papa Francisco e usam contas falsas para golpes com criptomoedas

449
0
Criminosos não perdoam nem o Papa Francisco e usam contas falsas para golpes com criptomoedas

Em busca de obter criptomoedas, criminosos não perdoam nem o Papa Francisco. Recentemente, identificou-se que fraudadores têm utilizado perfis falsos atribuídos à entidade religiosa por meio de uma rede contas de bots, para promover ICOs, brindes e uma série de produtos falsos.

Um tuíte postado por “Pope Francis”, por exemplo, promete BTC grátis e foi artificialmente impulsionado. O tuíte é de um identificador duplicado, “@_Poontifex”, projetado para enganar os espectadores casuais fazendo-os pensar que é o verdadeiro identificador do papa “@Pontifex”.

Outra conta fictícia, chamada “@ RicardoStark7”, respondeu ao tuíte, com uma excitação fingida, enquanto outros bots retuitaram e curtiram a postagem do falso papa, fazendo, desta forma, com que o mecanismo de controle do Twitter posicionasse as postagem fraudulentas próximas à do Papa real. Assim, para um usuário casual do Twitter pode parecer que o Papa Francisco (real) respondeu ao seu próprio tuíte anunciando as propostas maliciosas e enganando usuários desavisados.

Várias contas do Twitter já passaram por tal situação, como as de Elon Musk e Vitalik Buterin, que mudaram seus perfis incluindo uma mensagem alertando sobre estas fraudes. No começo de agosto, pesquisadores de segurança da Duo Security divulgaram os resultados de um estudo que analisou 88 milhões de perfis públicos no Twitter, revelando uma rede sofisticada de contas falsas, conhecida como botnet, que promove um esquema de cripto-ação, personificando indivíduos de alto perfil e artificialmente impulsionando seus rankings de tuítes usando likes e retuítes com objetivo similar ao da conta falsa do Papa, enganar usuários e obter criptomoedas.

Segundo o engenheiro de segurança da Duo Security, Jordan Wright, o botnet é composto de mais de 15 mil contas falsas que tuitam mensagens fraudulentas e jogam o mecanismo de controle de qualidade do Twitter, retuitando e curtindo as mensagens um do outro. Isso aumenta artificialmente a popularidade das contas, a tal ponto que alguns figuram até nas “recomendações” da rede social. Wright também revelou que o botnet faz uso de um “sistema hierárquico de três camadas”, diferentemente da típica estrutura plana de botnets convencionais, indicando que conforme a pesquisa anti-spam avança, os botnets e as pessoas que os controlam também estão evoluindo e desenvolvendo novas táticas e estratégias para extrair dinheiro dos usuários do Twitter.

COMPARTILHAR
Toda honra e Glória pertencem a Deus sempre. Publicitário e Produtor Cultural. Entusiasta de tudo aquilo que o Estado não consegue controlar. Abaixo aos muros, que se construa janelas para o amanhã
Siga o Criptomoedas Fácil no InstagramCLIQUE AQUI !!!