Início Blockchain Consórcio R3 expande os limites de sua blockchain

Consórcio R3 expande os limites de sua blockchain

731
0

O R3, consórcio que reúne mais de 200 instituições financeiras em todo o mundo, pode ter começado apenas como um agrupamento de bancos que desejavam usar a tecnologia blockchain, porém recentemente parece que o grupo está ampliando suas ambições.

O R3 está propondo que sua plataforma de tecnologia de contabilidade distribuída, conhecida como Corda, seja usada para unir uma ampla gama de negócios, não apenas financeiros. A ideia principal é semelhante à ideia original: se as empresas compartilham dados e ativos umas com as outras utilizando o Corda, elas podem resolver de maneira simples o problema de processos duplicados e confiar que, como estão todos junto numa mesma aplicação, é possível saber quem fez o que e quando.

Em um exemplo oferecido por Richard Gendal Brown, CTO do R3, utilizando companhias aéreas, agências de viagens e hotéis em todo o mundo, mostra como todos podem chegar a um consenso sobre quais assentos e quartos foram reservados, sabendo que os dados compartilhados são sempre iguais para todos e assim é possível oferecer descontos, promoções ou qualquer outra atividade tendo em vista a real disponibilidade de todos os produtos.

Levando esta ideia adiante, Mike Hearn, chefe de plataforma R3, afirma que a Corda alimentaria uma futura “economia automatizável”, na qual os bots ajudariam a administrar as cadeias de suprimentos.

“Quando recuamos e analisamos o que havíamos construído, vimos algo que era muito mais amplamente aplicável”, disse Brown à CoinDesk, acrescentando:

“É a liberdade e o poder que vem de saber que o que você está vendo como um ser humano ou um negócio ou até mesmo algum tipo de robô futurista – não é apenas correto, mas atual, e é compartilhado com seus colegas.”

Enquanto Brown disse que a plataforma Corda atraiu interesses de uma variedade de indústrias como seguros, saúde, governo e energia, o novo posicionamento da plataforma vem em um momento cujo hype sobre a tecnologia está resolvido, sendo que agora, todos os olhos estão nas entregas das “promessas” que foram feitas.

Enquanto isso, rivais como o consórcio Hyperledger, com a ajuda da IBM, estão aparentemente cortejando todos os setores e linhas de negócios com algum tipo de solução blockchain corporativa.

Para o R3 é um momento crucial, pois a startup está finalizando a primeira distribuição comercial da plataforma Corda de código aberto, direcionada para o final do segundo trimestre. Este produto, que será pago, estará amplamente disponível para as empresas, além dos membros do consórcio.

Aberto, mas privado

O R3, uma das primeiras entidades a promover a ideia de blockchain privada, também está se movendo em direção a um modelo mais inclusivo, embora não totalmente “livre”. Em vez disso, Brown descreve a nova visão como “uma rede compartilhada aberta – mas ainda privada, protegida e autorizada”.

No entanto, o projeto de transmissão global de informações em redes públicas, como o caso da blockchain do Bitcoin, não é palatável para as empresas que desejam o controle de suas informações.

“Minha crítica a algumas das plataformas de blockchain corporativa é que sendo originalmente inspirada por um sistema de transmissão completo, eu diria que muitas vezes elas compartilham demais”, disse Brown.

Para resolver este problema, o projeto governante da Corda procurou minimizar a quantidade de dados que deve ser compartilhada entre os participantes, ao mesmo tempo que garante a verificação e imutabilidade das informações.

“Zona desmilitarizada”

Além de manter os dados privados dentro da rede Corda, compartilhá-los pela internet apresenta outro problema mais imediato. A maioria das empresas possui seus próprios data centers altamente seguros e executa seus aplicativos existentes em sua própria infraestrutura, atrás de muitos firewalls.

“Os dados que realmente importam, os dados que você quer colocar em consenso, estão escondidos dentro dos data centers de bancos e grandes empresas”, disse Brown. “Isso envolve necessariamente a abertura de conexões entre essas empresas e o compartilhamento de dados pela Internet pública.”

Simplesmente colocar um nó blockchain corporativo na internet, como se faria com um nó Bitcoin ou Ethereum, é insuficiente na melhor das hipóteses e possivelmente perigoso, disse ele.

“Em primeiro lugar, não está nem perto dos dados corporativos e, segundo, o que acontece se for hackeado?”

Para conciliar isso, o nó Corda, que precisa estar próximo dos sistemas do banco ou do fabricante ou da companhia aérea, é executado nos servidores existentes ou na infraestrutura de nuvem de propriedade da empresa, gerenciado de forma segura para que essas empresas saibam como fazer, disse Brown. Mas uma pequena parte do nó que precisa ser capaz de se conectar às outras empresas e receber conexões delas deve ser visível na internet.

“Pegamos um pedacinho do nó – chamamos de flutuador – e permitimos que ele flutue para fora do nó principal e simplesmente permaneçamos na zona desmilitarizada como eles chamam”, disse Brown.

Esta parte do nó é “muito pequena, muito endurecida, muito protegida”, disse ele, acrescentando:

“Essa é a parte que está exposta aos ventos da internet.”

Desta forma, os nós Corda estão conectados e permanecem protegidos.

“A principal lógica de negócios é onde ela é importante dentro da organização e uma minúscula peça altamente segura flutua na internet e é responsável por toda a comunicação.”

“Trabalhando duro”

Antes do lançamento comercial do Corda, esperado para este trimestre, o R3 acaba de lançar a versão 3.0 da versão gratuita de código aberto, que apresenta o que Brown chama de “estabilidade do fio”. Isso dá aos desenvolvedores a mesma certeza sobre os dados que a estabilidade da API fez para o código.

“Uma versão de um nó Corda 3 implantado em uma rede será compatível com qualquer versão futura do Corda, para que você não precise atualizar toda a rede”, disse Brown.

Questionado se detectou qualquer perda de apetite no espaço blockchain da empresa, Brown disse: “Não, não realmente. É claro que você pode esperar que eu diga isso. Mas aqui está o porquê – porque o que eu vejo é desenvolvedores trabalhando insanamente.”

“Em relação à versão comercial do Corda que estamos oferecendo, estou sendo perguntado todos os dias quando é que vai enviar”, acrescentou, concluindo:

“Talvez isso não seja visível de fora, mas as pessoas que estão se preparando para lançar iniciativas importantes e entrar em ação, estão tão confiantes na entrega e na execução que não estão fazendo muito barulho, ainda que externamente.”

Este artigo foi originalmente publicado pelo portal de notícias Coindesk.

COMPARTILHAR
Toda honra e Glória pertencem a Deus sempre. Publicitário e Produtor Cultural. Entusiasta de tudo aquilo que o Estado não consegue controlar. Abaixo aos muros, que se construa janelas para o amanhã
Siga o Criptomoedas Fácil no InstagramCLIQUE AQUI !!!