Início Notícias Código como arma: desenvolvedor convida pessoas a unirem-se à “verdadeira revolução cripto”

Código como arma: desenvolvedor convida pessoas a unirem-se à “verdadeira revolução cripto”

429
0
Código como arma: desenvolvedor convida pessoas a unirem-se à “verdadeira revolução cripto”

Há muitas palavras que poderiam ser usadas para descrever Amir Taaki. Mas hoje, a melhor delas é “ambicioso”.

O infame desenvolvedor do Bitcoin Core – conhecido por co-criar aplicações como Dark Wallet, Darkleaks e DarkMarket – subiu ao palco durante uma maratona que ele organizou na sequência do Simpósio de Tecnologias de Aprimoramento da Privacidade (PETS), em Barcelona (Espanha), na semana passada – a mesma cidade onde planeja definir sua academia de criptógrafos, hackers e filósofos, apelidados de Politécnicos Autônomos.

Trata-se de uma pequena mudança, cerca de 1.800 milhas para o oeste, da ideia anterior de Taaki, que era construir a academia na Grécia. Mas, com um conjunto de ferramentas voltado para o anonimato e a autonomia, pode fazer mais sentido construir o projeto na capital da comunidade autônoma espanhola da Catalunha.

Sem gastar tempo pensando na decisão, Taaki começou a esboçar sua visão política em um quadro-branco sujo. Através de uma série de diagramas, Taaki descreveu a evolução das células biológicas, a estrutura das sociedades e o impacto que a tecnologia pode ter em tais sistemas, desencadeando tendências descontroladas à monopolização, ou seu oposto – a atomização.

Tecnologia, filosofia e revolução

Ligando esse último à filosofia do UNIX, um ramo da teoria dos codificadores que garante unidades de software mínimas e modulares, Taaki expôs a próxima leva de produtos que sua academia construirá.

Apesar de seqüências matemáticas frouxas, o público poderia dizer que os scripts compreendiam os detalhes de uma máquina inteira escura, uma espécie de teia subterrânea 3.0. Conversando de forma abrangente e meio “viajada”, um participante brincou: “o plano é anonimizar o mundo”.

E enquanto Taaki insistiu que os detalhes no quadro não fossem publicados por medo de serem copiados – “Há uma falta de ideias neste espaço”, disse ele ao portal CoinDesk – é claro que as ferramentas que ele tem em mente seriam uma revolução, que é exatamente o que ele quer.

Tendo deixado o desenvolvimento do Bitcoin para lutar ao lado de uma milícia curda em Rojava, no Curdistão sírio, uma região autônoma no norte da Síria, Taaki espera difundir as práticas de confederalismo democrático daquela região, uma teoria política que defende a existência de comunidades pequenas e autogovernadas.

“Todo movimento revolucionário precisa ter um braço tecnológico, e nós somos o braço tecnológico do movimento confederalista democrático”, Taaki disse.

“Este é o nosso objetivo como organização, que está usando a tecnologia para aumentar a democracia autônoma e causar o colapso do sistema de estados-nação ao redor do mundo.”

Política e tecnologia

Para que isso aconteça, Taaki espera que os participantes da academia passem por um treinamento rigoroso. Os recém-chegados estão sujeitos a um período de introdução de três meses, um que se repete a cada seis meses a um ano.

“É um veículo para desenvolvê-los como líderes, desenvolver suas habilidades técnicas, sociais, e ser capaz de efetivamente organizar outros seres humanos e coordená-los juntos”, disse Taaki à CoinDesk.

Embora haja espaço para a diversidade ideológica dentro da organização – por exemplo, Taaki busca estabelecer vários níveis de participação e um sistema de academias aliadas globalmente – os participantes precisam seguir cronogramas cuidadosos, desistir de outros compromissos e dedicar-se totalmente ao projeto.

“Juntos, podemos elevar um ao outro a um patamar mais alto, aprender uns com os outros, nos dedicar a um senso de propósito e nos tornar mais fortes”, disse Taaki.

“E porque ganhamos algo com isso, estamos dispostos a renunciar a certos confortos da vida, certas liberdades menores, para uma liberdade ainda maior, a qual queremos compreender.”

Estilo de vida e riscos

Taaki vive um estilo de vida bastante rígido: levanta pesos, calcula as calorias de suas refeições, evita ervas daninhas e álcool. Levando em conta os comentários maliciosos que costumam aparecer sobre a “cultura hacker preguiçosa”, ele não esconde seu desdém por aqueles que não seguem um estilo de vida parecido com o seu.

“Você não pode festejar e ter uma revolução ao mesmo tempo. São coisas mutuamente incompatíveis”, disse ele.

Esse é um dos resultados que ele teme pelo Bitcoin e até mesmo pela comunidade de criptomoedas como um todo: embora tenham atraído algumas das melhores mentes da tecnologia, há o risco de que isso simplesmente se transforme em um jogo.

“Há o perigo de que o Bitcoin, como um ferramenta transformadora para liberar a humanidade, seja transformada em uma bela subcultura, onde nos encontramos com amigos em conferências e algumas pessoas nerds brincam, fazem investimentos, mas não passa disso, e o potencial que realmente existe dentro do Bitcoin acabe por não se realizar”, disse ele.

É por isso que ele quer que seus seguidores levem a sério e tenham uma forte motivação. Essa motivação é uma mistura do confederalismo democrático do movimento Rojava e de uma teoria distinta da tecnologia, teorizada pelo filósofo norte-americano Lewis Mumford. A premissa básica do confederalismo democrático é o autogoverno, mas a teoria também eleva o ambientalismo e o feminismo.

Por outro lado, Mumford sugere que existem dois tipos de processos tecnológicos: os monotécnicos e os politécnicos. Enquanto o primeiro cria tecnologias globais, de cima para baixo, de propósito único, o politécnico concebe tecnologia para usuários em diferentes contextos sócio-políticos – e é o segundo que Taaki acredita que pode trazer mudanças.

“Acreditamos na construção de tecnologia em escala humana, para os humanos empregarem em muitos contextos diferentes para resolver os problemas que enfrentam”, disse.

Onde está o dinheiro?

No momento em que este texto foi escrito, Taaki e os primeiros membros alistados da revolução estavam ocupando o lar histórico da Cooperativa Integral Catalana, uma cooperativa que gerou uma criptomoeda própria, a FairCoin. Mas os planos para a sua própria academia estão definidos.

Ela estará localizada na base de Carmel Hill, estendendo-se por 8.600 metros quadrados, contendo um espaço de trabalho compartilhado, alojamentos, um jardim e, caso eles consigam dinheiro suficiente, um porão que pode hospedar conferências, hackathons e outros eventos. Taaki até desenhou uma bandeira especial para a academia, nas cores da organização (verde e preta), com um sol escaldante no centro, o símbolo de tecnologia.

E com isso, não há escassez de interesse de potenciais participantes no programa, muitos dos quais estão atualmente morando com Taaki e disseram que estão animados para começar. Mas ainda assim, eles esperam.

“Já faz quase um ano e ainda estamos esperando para começar”, afirmou Taaki.

Parte da espera decorre da construção do prédio, que está indo devagar, mas outra coisa também está no caminho: falta de financiamento. Para compensar isso, Taaki está à procura de US$10.000 a US$20.000 – apenas uma gota no oceano, em comparação às enormes quantias de dinheiro levantadas por diversas ofertas iniciais de moedas (ICOs, na sigla em inglês). No entanto, muitos investidores não estão dispostos a doar sem a garantia de receberem algo em troca.

Mas os planos da academia são criar tecnologia livre, e até mesmo seu braço de negócios seria apenas um mecanismo para canalizar lucros em excesso para o apoio do confederalismo democrático em todo o mundo.

“Agora, para se estabelecer, estamos tentando obter doações, o que é um pouco difícil, porque, apesar da retórica, muitas pessoas neste espaço são realmente mesquinhas”, disse Taaki.

No momento, o projeto está sendo sustentado por doações de Cody Wilson, o co-criador da Dark Wallet e o infame criador da pistola Liberator, a primeira no mundo disponibilizada para impressão 3D. Mas Taaki gostaria de diversificar esses fluxos de doações e, neste momento, ele está ficando sem opções. Rindo, Taaki concluiu que pode apelar até para medidas extremas:

“Cara, neste momento, eu pegaria dinheiro de ditadores africanos.”

COMPARTILHAR
Coach financeiro, escritor e colunista no Criptomoedas Fácil. Jogador de poker, ambos por paixão e vocação.