Muitos de nós crescemos consumindo entretenimento com temáticas futuristas e um dos temas mais recorrentes da ficção científica são alterações e implantes tecnológicos na anatomia humana. Filmes como Johnny Mnemonic: O Cyborg do Futuro, que mostrava um Keanu Reeves no papel de um courier de informação, com um implante de memória no cérebro (e uma cena super engraçada hoje em dia de uma navegação na internet usando luvas e um óculos de realidade virtual, praticamente vale a pena ver só por isso), ou jogos como as séries Deus Ex e Cyberpunk um futuro onde o ser humano e a tecnologia se fundem de maneiras cada vez mais irreversíveis.

Enquanto o meio acadêmico tradicional pondera e se limita a questões éticas e debates sem fim, existem vários grupos experimentando com alterações, vindos de backgrounds distintos, seja profissionais de TI, da área de modificações corporais (tatuagem, piercing) e até mesmo alguns da área médica. No momento as alterações ainda estão em estágios bem primitivos, como implantar imãs na ponta de dedos pra poder sentir campos magnéticos com o tato, ou um sistema sub dermal de aplicação automática e monitoramento de insulina, mas as possíveis aplicações, inclusive no mundo das criptomoedas, são incríveis.

Imagine daqui a alguns anos ter um chip NFC com sua wallet implantado em algum ponto do seu corpo, com um QR code tatuado, um implante de memória extra capaz de armazenar dados com precisão que a sua memória orgânica não poderia armazenar, criptografado como um verdadeiro cofre, ou até mesmo um processador embutido e suplementando a área lógica do seu cérebro, realizando cálculos complexos, projetando na sua retina também modificada os cálculos de probabilidades pra uma operação de trade. Talvez as memórias de uma festa de ICO que você participará vão ser gravadas por uma câmera embutida no seu olho e armazenadas na nuvem, acessíveis pra serem assistidas a qualquer hora…

Uma série que de certa forma explora esses possíveis cenários é Black Mirror, relativamente recente e disponível no Netflix. Cada episódio é uma história separada, em um deles existe uma sociedade em que a moeda são os likes e pessoas com certas quantias de likes recebem oportunidades que pessoas com menos likes não podem, como cargos, bens, etc. Por mais irreais que cenários levantados na ficção hoje possam ser, vale lembrar que muita coisa que era ficção científica anos atrás hoje faz parte do nosso dia a dia, e o próprio universo das criptomoedas caminha muito perto dessa fronteira de ficção e realidade.

E daqui uns 20 anos talvez podemos ler esse texto sem ter dispositivo nenhum em mãos, porque algum sistema neural iria projetar a imagem direto na zona do nosso cérebro responsável pela visão.

Existe algum ponto onde podemos dizer que máquinas fazem parte do nosso corpo ou nossos celulares já não se tornaram quase extensões físicas nossas, onipresentes, com utilidades e praticidade tão inegáveis que já é difícil pra a maioria da humanidade imaginar uma vida sem o aspecto digital?

O que acham? Que modificações são as mais prováveis de surgir primeiro? Quais vocês gostariam de ter? Quais seriam úteis ou perigosas relacionado a criptomoedas? Soltem o verbo aí nos comentários, vamos deixar a imaginação funcionar um pouco!

COMPARTILHAR
Joinvillense, nascido em 92, fundador do grupo de Facebook Bitcoin Brasil, apaixonado por tecnologia opensource, criptomoedas e futurologista, sempre imaginando o que pode acontecer. Louco por cinema e tv, quer me ver feliz, me dê uma câmera e algo pra fotografar/filmar.
  • João Carlos Johanson

    Falando em tecnologia e ficção científica, vou abordar o óbvio: O cara (a equipe, seja de centro tecnológico, universidade, comunidade de cientistas) que conseguir fazer funcionar o primeiro computador quântico, vai conseguir resolver as equações do blockchain muito facilmente e ganhará muitos Bitcoins e, em uma semana, ele derrubará a rede inteira, pelo ajuste do grau de dificuldade. N a semana subsequente, estando o grau de dificuldade ajustado para a maioria dos mineradores novamente, o cara do quântico novamente entrará em cena roubando a cena novamente, num “eterno” ciclo vicioso. O que acham disso?

    • Fernando Henrique

      Esse tipo de cenário de certa forma eu já abordei um pouco no meu post anterior , mas com certeza haverão mais posts específicos sobre isso no futuro, principalmente as implicações práticas de um cenário desses em termos de valor, segurança, etc.

    • Ronildo Da Conceição Manoel

      Relevante esta reflexão tecnológica; bem atual e uma ficção que pode ser uma realidade futura, talvez não tão distante….

  • Murilo Witt

    Já comecei a imaginar quando as pessoas liam sobre internet e computadores, com receio, e agora isso tudo que no futuro irá substituir os Gadgets que utilizamos de maneira externa, talvez um fone de ouvido implantado direto na orelha… Tive outras ideias mas não sei exatamente como descrever kkkkk

    • Fernando Henrique

      A tecnologia pra fones implantados internamente já existe de forma experimental a algum tempo, só é meio cara e o procedimento cirúrgico precisa ser aperfeiçoado pra ser menos invasivo e deixar uma cicatriz menor e mais esteticamente discreta. Pra isso o sistema como um todo tem que ficar menor, o que necessita de pesquisas de componentes e processos de montagem. Vai levar alguns anos pra algo assim ser viável de forma mais mainstream, mas não duvide, tá vindo….

  • Jonas

    Que post retardado, não acredito que perdi meu tempo lendo isso. Criptomoedasfácil está descendo o nível…

  • Ronildo Da Conceição Manoel

    Aprecio as discussões do Fernando Henrique, sempre com um toque tecnológico-ficcional bem fundamentando e estruturado. ideias bem interessantes