Sistemas de pagamentos são sistemas de canos e válvulas que permitem transferências monetárias entre as pessoas ao redor de todo mundo. Para a maioria, eles permanecem invisíveis. Mesmo quando à vista, é difícil compreendê-los. Com grande responsabilidade por erros e falta de reconhecimento pelo progresso, houve pouca inovação e construção de novas tubulações. O bitcoin representa uma nova maneira de repensar o sistema financeiro em uma arquitetura descentralizada. No entanto, muito parecido com o sistema financeiro existente, poucas pessoas entendem as consequências do layout e design de seus tubos.

A analogia do encanamento se encaixa muito mais para o bitcoin do que para os mercados financeiros normais. Os bitcoins não são moedas, de fato não existe um conceito de unidades monetárias identificáveis. Bitcoin deve ser considerado um tipo de fluido monetário com uma unidade de conta, o bitcoin. O fluido monetário, os bitcoins, flui através de um sistema de tubos (saídas de transações) e acessórios (transações).

Construindo a tubulação do Bitcoin

As transações são construídas usando transações anteriores como entradas para viabilizar transações de saída. Cada saída pode ser pensada como um tubo com alguma capacidade de bitcoin. Cada transação é um encaixe que conecta um ou mais tubos existentes. O tubo ou os tubos que são o resultado de uma montagem podem, no máximo, ter a mesma capacidade da soma dos tubos que levaram à transação.

O bitcoin não é um sistema de pagamento baseado em contas ou um sistema bancário tokenizado. O protocolo usa o histórico de todas as transações passadas para gerar um livro contábil de bitcoins que não foram gastos. Quando dizemos que existem 13 milhões de bitcoins em circulação, o que realmente queremos dizer é que o sistema reconhece que existem 13 milhões de bitcoins não gastos que podem ser reatribuídos de acordo com as regras do sistema de pagamento. A reatribuição é irreversível e, portanto, as novas transações são adições ao crescente sistema complexo de tubos.

Analisando a tubulação do bitcoin

O gráfico de tubulações ou transações é em grande parte imutável e, portanto, torna acessível a análise. As tubulações só são destruídas se houver uma reorganização no consenso da rede. O sistema de tubos é apenas anexado e, portanto, a complexidade e o tamanho do gráfico de transação crescem ao longo do tempo. O histórico do bitcoin pode ser avaliado ao olharmos o livro contábil em qualquer data ou em qualquer bloco de transações.

Um problema em qualquer análise é a falta de mapeamento de entradas para saídas. Quando a água quente sai de uma torneira, não há separação entre o quente e o frio. No bitcoin, se duas saídas de transação são ambas as entradas na mesma transação, o protocolo não faz tentativas para mapear entradas para saídas. O bitcoin retém a informação que pode revelar a capacidade dos tubos individuais que estavam alimentando o encaixe. Desta forma, o Bitcoin não é um sistema de token, mas algo muito mais fluido e complexo

No diagrama acima, cada nó é uma transação ou uma saída não utilizada. Os nós verdes são transações e o nó branco indica saídas não utilizadas. O número contido no círculo representa a soma das saídas dessa transação ou a saída de transação. Cada aresta é o link de saída para a transação subseqüente. Não podemos dizer em que proporção as entradas da transação estão gerando as saídas.

Imagine que esta transação foi a compra de um iPhone 6 novo que custa 1.5 BTC. Agora, suponha que uma das operações utilizadas para a compra foi um roubo. O roubo é marcado como a transação laranja. Agora, a pergunta difícil torna-se quanto do bitcoin roubado permanece na posse do ladrão? O protocolo Bitcoin não tem a resposta para isso. Em vez disso, teríamos que confiar em nossos princípios legais para estabelecer que todos os 0,5 BTC restantes na posse do ladrão eram na verdade os bitcoins roubados.

Como a blockchain é um conjunto público de transações, a análise pode ser realizada em uma escala arbitrariamente grande. Por exemplo, podemos fazer a pergunta: são os bitcoins que você está segurando os mesmos que os que eu tive uma vez? A analogia seria despejar água nos tubos em uma transação de origem e analisar a quantidade de água coletada na transação alvo. Para realizar essa análise, são utilizados dois tipos de algoritmo — fluxo mínimo e fluxo máximo. O fluxo mínimo faz a pergunta: “qual é o número mínimo de bitcoins que passou da fonte para o alvo?” O fluxo máximo faz a pergunta: “qual é o número máximo de bitcoins que poderiam ter passado da fonte para o alvo”. Se o fluxo mínimo retornar uma resposta positiva, X, então, o alvo está pelo menos segurando X quantidade de bitcoins que uma vez foram mantidos na fonte. A água que fluiu através da fonte é a mesma água que encontramos no alvo.

No entanto, geralmente o fluxo mínimo passa rapidamente a zero porque precisamos combinar as transações para pagar nossas dívidas. Então, se eu fizer o pagamento de 1,5 BTC para o iphone 6, o fluxo mínimo de cada uma das entradas para a despesa é de 0,5 BTC. O algoritmo coloca o número máximo de bitcoins, 0,5 BTC, na mudança e deixa 0.5 BTC para pagar o bem. Na caixa de fluxo máximo, a quantidade seria de 1 BTC em ambos os casos, uma vez que a saída é maior do que 1 BTC. Após apenas algumas transações, é provável que o fluxo mínimo caia para zero.

Na hipótese de o fluxo mínimo ser maior que zero, podemos provar que os bitcoins foram da fonte para o alvo e temos rastreabilidade completa. Mas onde o fluxo mínimo é igual a zero para todas as saídas potenciais, como é frequentemente o caso, não temos rastreabilidade. Mesmo que possamos mostrar as conexões entre todas as transações ou tubos diferentes na história da Bitcoin, não podemos dizer muito sobre os fluxos de fundos ou fluídos monetários. Obtemos transparência, mas dificilmente qualquer rastreabilidade. As partes que causam a ofuscação também podem ser identificadas por seus endereços de bitcoin e podem estar sujeitas a reivindicações adversas (mais sobre isso em uma publicação futura).

À luz disso, talvez seja uma armadilha pensar em bitcoins como unidades de moeda e devamos repensar a maneira como falamos de “meus bitcoins”. Talvez os fluxos de moeda, como descrevi, devem ser pensados ​​como criação e destruição simultânea de interesses que não estão necessariamente ligados (como é o caso de alguns títulos dos EUA). Essas questões devem ser entendidas para desenvolver arcabouços regulatórios privados para o bitcoin, bem como ferramentas e diretrizes de AML (Anti-Money Laudering — Anti-Lavagem de Dinheiro) adequadas. Uma coisa é certa, não há moedas no bitcoin.

Fonte jonathan levin
Facebook : https://www.facebook.com/groups/baraobitcoin/

loading...
COMPARTILHAR

Fotógrafo que conheceu a tecnologia do Bitcoin em 2011. Desde então, atua na compra e venda de bitcoins no mercado peer-to-peer (P2P) de larga escala. Ele também trabalha com mineração de Bitcoins e possui uma fazenda própria de mineração na China.