Início Notícias Banco desafia codificadores a testarem e dizerem qual é a melhor blockchain...

Banco desafia codificadores a testarem e dizerem qual é a melhor blockchain disponível atualmente

287
0
Banco desafia codificadores a testarem e dizerem qual é a melhor blockchain disponível atualmente

O banco Barclays, gigante do setor financeiro do Reino Unido, está desafiando os futuros codificadores de blockchain para ajudar a renovar o mercado global de derivativos em uma maratona que acontecerá no próximo mês.

Revelado exclusivamente para a agência de notícias CoinDesk, o DerivHack, como será chamada a maratona, acontecerá simultaneamente em Londres e Nova York, de 20 a 21 de setembro, nos espaços de aceleração do banco. A Associação Internacional de Swaps e Derivativos (ISDA), a Deloitte e a Thomson Reuters também estão patrocinando o evento.

Os participantes serão solicitados a aplicar o Common Domain Model (CDM) da ISDA, um conjunto de padrões de processo e dados, usando sua plataforma de tecnologia de contabilidade distribuída (DLT), para modelar eficientemente o processamento pós-negociação de contratos de derivativos.

O CDM tenta harmonizar a forma como os dados são apresentados e reportados em diferentes empresas e plataformas. Como tal, sua adoção é amplamente vista como um pré-requisito para a indústria financeira adotar DLT e contratos inteligentes.

Um dos objetivos da maratona é descobrir quais das plataformas DLT corporativas comumente usadas – R3 do Corda, Hyperledger Fabric ou Ethereum – lidam com contratos inteligentes com mais “elegância”.

“Cabe a cada equipe decidir o que eles codificam”, disse Lee Braine, CTO do Barclays, à CoinDesk, acrescentando que trata-se de uma “boa pergunta” em relação à qual terá o desempenho mais eficiente.

“Eu acho que o tipo de coisas que sairão desta maratona incluirá exatamente isso”, disse ele.

Braine disse que, a título de exemplo, podem haver casos em que as plataformas blockchain existentes beneficiem-se de alguns aprimoramentos para torná-las mais naturalmente compatíveis com o CDM.

Braine destacou que o CDM, que é basicamente sobre como você altera a estrutura de dados antes e depois de cada evento do ciclo de vida em uma negociação (como uma emenda, modificação ou rescisão de um contrato), dará aos juízes uma maneira clara de avaliar essas soluções.

“Como é o CDM da ISDA, ficará claro quais são as entradas e saídas esperadas para cada evento do ciclo de vida – mas caberá aos programadores da maratona implementarem os contratos inteligentes usando uma linguagem de programação e plataforma que eles considerem apropriada”, disse ele.

loading...
Garanta já sua vaga para o Block Summit SPCLIQUE AQUI