Início Coluna Tatiana Revoredo A disrupção provocada pelos tokens; ouro físico é agora comercializado digitalmente

A disrupção provocada pelos tokens; ouro físico é agora comercializado digitalmente

309
0
A disrupção provocada pelos tokens; ouro físico é agora comercializado digitalmente

A natureza segregada dos mercados tradicionais de commodities está em check

The Royal Mint Gold

A The Royal Mint Gold (RMG) mudará a forma como o ouro é negociado, executado e liquidado, transformando-o em token e tornando-o disponível para negociação com um ledger transparente de propriedade e custos mais baixos.

No nível técnico, o projeto The Royal Mint Gold (RMG) traz um ledger distribuído que difere de outros blockchains, eis que projetado para a segurança e digitalização de um único ativo.

O blockchain RMG é projetado para garantir segurança a partir do zero: todas as carteiras são multi-assinatura.

Não há buracos negros

E aqui, vale a pena abrir um parênteses para falar sobre multisignaturekeys. Chaves com multi-assinaturas (ou multisignature, em inglês) exigem mais de uma chave para autorizar uma transação. Geralmente é usado para dividir a responsabilidade pela posse de uma criptomoeda ou token.

Transações padrão na rede Bitcoin, por exemplo, podem ser chamadas de “transações de assinatura única”, porque as transferências requerem apenas uma assinatura — do proprietário da chave privada associada ao endereço do Bitcoin.

Assim, voltando ao objetivo deste texto, as assinaturas de várias pessoas são necessárias para que os fundos de outro possam ser transferidos. A ideia é que os tokens na RMG se tornem “onerados”, fornecendo endereços de várias partes, exigindo, assim, a cooperação dessas partes para fazer qualquer coisa. Essas partes podem ser pessoas, instituições ou scripts programados. Especialistas em segurança reconhecem há muito tempo o valor das carteiras com várias assinaturas. Mas qual a utilidade dessas carteiras multi-assinaturas da RMG?

Perda ou comprometimento de uma única chave não resulta em perda de ativos no blockchain. Isto é, não há “buracos negros”.

Devido à maneira como se manipula as chaves, é impossível enviar fundos para um endereço inválido onde o RMG não pode ser recuperado. Todas as partes que participam da rede são identificadas antes de poderem realizar transações.

Montesquieu aplicado à descentralização

A solução blockchain da RMG separa os poderes e, ao mesmo tempo, impõe a descentralização pela divisão de funções:

Emissor de Ativos

A Royal Mint emite ativos da RMG para a cadeia e mantém 100% de reserva de ouro. Como o emissor do ativo, o Royal Mint também é responsável por autorizar validadores confiáveis ​​na rede para verificar todas as transações.

Validadores

Uma rede descentralizada de validadores verifica e aplica regras de transação blockchain para criar blocos. A comunidade de validadores inclui inicialmente instituições acadêmicas e públicas, parceiros corporativos e clientes interessados.

Nós de rede ponto-a-ponto

Uma rede descentralizada de nodes(dispositivos computacionais que integram uma rede blockchain) verifica as transações legítimas na rede e verifica se os validadores produzem blocos válidos, ao mesmo tempo em que fornecem total transparência a todas as transações na rede.

Provedores de Conta

Os Provedores de Conta garantem que todos os usuários do sistema foram identificados, fornecem chaves de backup em caso de perda e fornecem serviços de co-assinatura para segurança adicional.

Atrelando ouro físico a um ativo digital

Em parceria com a Chicago Mercantile Exchange, (o principal e mais diversificado mercado de derivativos do mundo), a The Royal Mint Gold já construiu uma rede distribuída para registrar as mudanças na propriedade da Royal Mint Gold (RMG), que recebe ouro em cofre no The Royal Mint em Llantrisant, South Wales.

Esta rede é privada, o que significa que as pessoas precisam pedir permissão para participar, já que o The Royal Mint é o administrador da rede. Todas as transferências efetuadas na rede são publicadas no domínio público em um nível transacional, com todas as identidades criptografadas pelo blockchain de RMG subjacente.

Agora, é possível possuir ouro físico, abobadado pelo The Royal Mint, e receber prova dessa propriedade como um ativo digital que é mantido em uma carteira digital. Cada nova compra de ouro resulta na alocação do ouro da London Good Delivery em um cofre ao lado do crédito simultâneo do RMG para a conta RMG do comprador. A CME está desenvolvendo uma plataforma de negociação digital de ativos, na qual os clientes podem negociar o RMG.

Em busca do ouro perdido

Os ativos digitais têm o potencial de transcender essa natureza segregada dos mercados tradicionais de commodities, como o mercado de ouro, permitindo que a mesma estrutura de propriedade — ouro físico digitalmente comercializado — seja compartilhada em toda a cadeia de valor, no espaço de investimento e na comunidade de gerenciamento de risco.

Essa inovação não ameaça diminuir a liquidez dos mercados existentes, mas aumenta o perfil da oportunidade de investimento para o ouro, reforçando o argumento em favor da propriedade física segura e segura do ouro em um mercado digital eficiente, proporcionando transparência e proveniência.

Target: a redução de custo das transações

Com uma solução blockchain, o RMG consegue reduzir o custo da rede. Podemos definir o custo da rede como a capacidade de iniciar e operar um mercado digital sem a necessidade de um intermediário tradicional. Ou seja, a posse física de ouro através dos tokens de criptomoedas blockchain permite remover intermediários desnecessários no processo.

Além disso, o mercado de ouro hoje é um mercado muito manual. Assim:

Uma solução blockchain reduziria os custos friccionais e transacionais no mercado de commodities e levaria a uma maior liquidez e descoberta de preços.

Por exemplo, os negócios na nova plataforma seriam feitos entre os investidores, sem uma troca no meio, conhecida como negociação “no balcão”.

No entanto, o permitir transações quase em tempo real, o blockchain diminuiria o papel das câmaras de compensação e eliminaria em grande parte os riscos.

Os principais efeitos de uma redução no custo da rede seriam: 1) o aumento no valor dos ativos, 2) um aumento na liquidez dos ativos.

Novos mercados, novos negócios em vista

Como resultado da implementação de soluções baseadas em blockchain no mercado de ouro, a natureza da intermediação pode mudar no futuro. Isso porque:

O desenvolvimento de uma rede por uma empresa que possui seu próprio sistema de pagamento para garantir empréstimos, bem como lucrar com a posse do ouro, permite criar um novo mercado descentralizado no espaço blockchain.

loading...
COMPARTILHAR
Blockchain Strategist pela University of Oxford. Convidada pelo Parlamento Europeu para Conferência Intercontinental sobre uso de Blockchain e regulação de ICOs e criptomoedas. Participou dos maiores eventos mundiais sobre Blockchain como o 1st Annual Crypto Finance Conference, Consensus, Fórum Econômico Mundial e Forum Mundial da Internet. Liason do European Law Observatory on New Technologies. Membro do Crypto Valey Association, Government Blockchain Association e do Internacional Blockchain Real Estate Association. Apaixonada por jazz e harley davidson.
Garanta já sua vaga para o Block Summit SPCLIQUE AQUI