sexta-feira , 20 janeiro 2017
1xBit

Arquivos de Tag: fintech

UNEP Indica que a Tecnologia é Crucial para o Desenvolvimento Sustentável das Fintech

Uma mudança radical na evolução do setor financeiro globalmente. Isto foi relatado pelo United Nations Environment Programme (UNEP sigla em Inglês), que garante que  as Startups FINTECH são chave fundamental para o desenvolvimento sustentável em uma economia mundial.

Em sua publicação “Fintech e Desenvolvimento Sustentável: Avaliação das implicações , “o programa detalha a necessidade financeira global para a automação de processos utilizando Inteligência Artificial (AI), a Internet das Coisas (IO), e Blockchain, apontando para um futuro com soluções inteligentes que prometem redesenhar a estrutura da economia como nós conhecemos até hoje.

Desenvolvimento de mudança

Embora o estudo fala que o ecossistema Blockchain consiste em desenvolvimento de tecnologias de excelência e liquidação, é notável o seu impacto sobre o sistema financeiro. O que começou como uma onda inovadora na sequência da crise financeira  em 2008, evoluiu para um mecanismo imparável de soluções sustentáveis para as necessidades da sociedade global.

Confira O que é Blockchain? Explicando de forma simplificada

O relatório mostra os benefícios duradouros da aplicação e novas tecnologias para processos industriais e financeiros, como solução para os problemas de confiança nas instituições, registros confiáveis, processos simples e redução de custos, que já está gerando maior adoção pública a Bitcoin e blockchain por parte de algumas empresas.

Confira ITS Rio disponibilizará app baseado em Blockchain

A ascensão do Bitcoin e seus blockchains sistema associados, altchains cadeias laterais tem sido descrito como uma força disruptiva no setor financeiro, em oposição ao status de transações financeiras centralizadas, confiáveis ​​e privadas do modelo atual. Blockchain pode ser uma tecnologia ainda imatura, mas apenas como tecnologias disruptivas anteriores, como os telefones móveis World Wide Web, tem o potencial de gerar uma onda de inovação que permite uma interação transparente entre os participantes através de uma rede confiável e segura que distribui acesso auditável à informação. UNEP – United Nations Environment Programme.

Conclusão

A agência defende o uso de tecnologias descentralizadas como uma solução eficiente para os problemas que ainda existem no cenário mundial: a fome, os refugiados, as alterações climáticas e a pobreza.

Ainda há um longo caminho a percorrer, não há dúvida de que o recurso de redução de custos e facilidade de automação de processos são um benefício que a indústria deve desenvolver, apesar das suas reservas em que o setor bancário deve adotar, para sua própria sobrevivência.

Compre e Venda bitcoins de maneira rápida e segura na maior bolsa de bitcoins da América Latina: https://foxbit.com.br

Bitcoin: China supera Nova York e Vale do Silício em  Fintech

A empresa de pesquisa Ernst & Young (EY)  juntamente com o banco de Cingapura DBS divulgou recentemente um relatório colaborativo intitulado The Rise of Fintech na China: Redefinindo Serviços Financeiros para fornecer insights do crescimento explosivo das FinTech na China.

Inclusive já divulgamos um panorama das Fintech aqui no Brasil, você  pode conferir em Brasil é o maior ecossistema Fintech na América Latina.

Pesquisadores, analistas e consultores financeiros da EY e da DBS concluíram que a China superou Nova York, Vale do Silício, Cingapura, Hong Kong e outros grandes centros globais.

Neal Cruz, diretor de inovação DBS afirmou que a taxa de crescimento rápido da indústria FinTech chinesa pode ser atribuído aos regulamentos e políticas impostas pelo governo local em startups e redes FINTECH favoráveis. Cruz também observou que um outro grande fator por trás do crescimento do mercado FinTech chinês é o crescente apoio de gigantes da tecnologia, como Alibaba, Tencent e Baidu.

“É chegado tão longe porque paisagem da China tem operado em um ambiente sandbox-like propício para FinTech para prosperar, um forte mercado interno, juntamente com um impulso constante de inovação e experimentação impulsionado pelos principais gigantes, sem impedimentos por influência internacional”, disse Cruz .

Fintech na China e mercados de atuação

Atualmente, a indústria de FinTech na China é dominado por dois grandes mercados, pagamentos/remessas e seguros.

Hoje 40% dos clientes de serviços bancários dependem de plataformas FINTECH e aplicações para resolver ambos os pagamentos nacionais e internacionais e outros 35% dos consumidores bancários utilizar serviços FINTECH baseado no AI inteligentes para lidar com seguro.

A equipe EY e DBS afirma que um dos principais motores da Fintech na China é a capacidade limitada de sistemas e serviços bancários que não conseguem satisfazer as necessidades financeiras e demandas do povo chinês.

“Em 20%, a corrente de penetração de crédito no varejo também é um dos mais baixos do mundo. Um em cada cinco da população adulta da China permanecem sem banco. Na verdade muitos chineses não têm relações bancárias existentes como evidenciado pelo fato de que departamento de crédito nacional só tem informações sobre menos de 20% da população.”

Mais importante, as tecnologias alternativas financeiras e serviços do povo chinês começou a usar  e ter melhor experiência online, as novas funcionalidades, a taxas mais baixas e menos exigências para o registro de conta, conseguindo uma base populacional de consumo significativamente maior na China.

O que isso significa para Bitcoin

Ainda assim, as aplicações financeiras convencionais e plataformas têm taxas mais elevadas, as medidas de segurança mais baixas e políticas KYC excessivos em comparação com serviços Bitcoin.

Isso ocorre porque a maioria das aplicações financeiras dependem de uma fiat ou do dinheiro emitido pelo governo para operar. Assim, mais tempo para a verificação e autenticação de pagamentos e usuários.

As aplicações e plataformas Bitcoin, no entanto, permite pagamentos instantâneos com praticamente nenhuma exigência de CSC. Enquanto as trocas não cumpri com as políticas de CSC, a maioria das aplicações no mercado como carteira bitcoin, a troca direta de criptomoedas não se enquadra no âmbito dos regulamentos de transferências monetárias chinesas.

Com crescente  número de usuários de banco migrando para aplicações de pagamento móvel ou online na China, a base de usuários bitcoin mundial provavelmente irá ver um aumento reconhecível.

Compre e Venda bitcoins de maneira rápida e segura na maior bolsa de bitcoins da América Latina: https://foxbit.com.br

Porque o Brasil é o maior ecossistema Fintech na América Latina?

Em relatório divulgado pela FINNOVISTA uma organização de aceleração de empresa  de tecnologia destaca o Brasil como o País que mais surgiu FINTECH.

A Finnovista colocou seus esforços para mapear e monitorar a indústria de Fintech na América Latina, explorando em detalhes o mercado brasileiro após a realização de estudos de investigação semelhantes para Argentina, Chile, Colômbia e México. Com o resultado, Finnovista  disponibiliza o primeiro  Radar Fintech para o Brasil.

De acordo com pesquisas da organização, destaca que existem atualmente pelo menos, 219 startups FINTECH no Brasil, que estão perturbando todo setor da Indústria Financeira em 16 segmentos diferentes.

Só para você ter uma ideia esse número faz do Brasil o maior ecossistema Fintech na América Latina, seguido de alguns países como México com 158 startups, Colômbia, com 77, Argentina, com 60, e Chile, com 56. Este mercado dinâmico no Brasil significa maiores oportunidades para ambos os clientes que ainda sem conta bancária podem obter acesso a mais produtos financeiros e com diferenciais melhor, e também uma oportunidade para as instituições financeiras tradicionais tirar proveito da inovação existente no ecossistema Fintech.

Abaixo você pode conferir, o destaque para o mercado de Critpo no Brasil, com as principais startups  no seguimento.

Fonte: Fintech radar Brasil Finnovista 2016

Fonte: Seguimento de Crypto, Fintech radar Brasil Finnovista 2016

Como podemos perceber o mercado cripto vem crescendo, até agora temos 12 startups brasileira entregando soluções, com o Bitcoin como base em suas atividades, não paramos por aqui, como já mencionado e matérias anteriores uma dessas statups visa disponibilizar até ao final de 2017 novas formas para adquirir e gastar a criptomoeda no Brasil.

Como acontece com outros países da América Latina, o segmento com o maior número de startups FINTECH no Brasil é Pagamentos e Remessas com participação de 31%. Ele é seguido pelo segmento Enterprise Financial Management com 15% da quantidade total de startups identificados, com coleções ser um importante sub-segmento dentro desta categoria. Em terceiro lugar, os empréstimos startups (incluindo ambas as plataformas de empréstimos P2P e de balanço) são responsáveis por 12% do total de startups FINTECH brasileiros. Outro fato interessante que se destaca quando comparado com outros países da região é um maior número de startups FINTECH no segmento de gestão de financeira, com quase metade deles o desenvolvimento de serviços de gestão de finanças automatizados.

Fonte: Fintech radar Brasil Finnovista 2016

Fonte: Fintech radar Brasil Finnovista 2016

O mercado de criptomoedas corresponde a 5%, é interessante ver um segmento tão pequeno, mas com grandes perspectivas de crescimento, dados do bitValor mostrou que o mercado brasileiro movimentou cerca de R$27 milhões em Bitcoin, isso só no mês de Outubro de 2016.

E aí será que em 2017 teremos o Bitcoin circulando normalmente por boa parte do comércio brasileiro?

O que você achou do Fintech radar Brasil, realizado pela Finnovista? Caso você queira ler por completo o relatório com todas as informações nos demais seguimento basta visitar Fintech Rada Brasil.

Centro Espacial lançara uma plataforma baseada em Blockchain no espaço.

Quando pensamos que as aplicações blockchain não pode ir mais longe, um dos centros espaciais dos EUA nos surpreende com um anúncio sem precedentes.

O fundador da Califórnia Space Center (CSC) Eva Blaisdell declarou, sobre o lançamento de Copernic, uma plataforma para registros blockchain e transferências financeiras que podem funcionar no espaço. A intenção de CSC é criar uma infra-estrutura sólida para o futuro da economia do espaço.

O centro indica que a plataforma foi projetada para ser lançada na época da exploração do espaço, embora seja funcional no planeta Terra, também inspirou como indicado na Elon Musk, fundador do PayPal, SpaceX e Tesla, que introduziu recentemente no México alguns de seus planos, a empresa pretende promover esta nova faceta da história da humanidade.

“Este é o momento para as infinitas possibilidades da economia no espaço. A economia não deve ser baseada em sistemas ineficientes que atualmente controlam as operações na Terra. Blockchain está se tornando uma parte integrante dos sistemas mais avançados do planeta. Assim como a tecnologia de foguetes, o esforço para construir uma economia no espaço deve ser baseado em padrões do futuro. As enormes distâncias no espaço é apenas um dos problemas que devem ser resolvidos com um sistema no futuro; um blockchain que permaneça completo e independente é o que precisamos para a economia a crescer.” – Eva Blaisdell – Presidente e Fundador da Califórnia Space Center

A plataforma criada pela CSC irá servir como um quadro de transações entre plataformas especializadas na venda entre espaço de desenvolvimento de abrangência, como entretenimento, música, roupas e programas educativos- com o objetivo de angariar 300 milhões de dólares para financiar o desenvolvimento de Califórnia Space Center e patrocinando futuros projetos.

De acordo com informações divulgadas pelo portal Coinreport, a CSC tem parceria com Coinfirm Blockchain Lab para gerir e desenvolver a plataforma, e embora ela não irá funcionar como um sistema financeiro convencional, a CSC indicou que Coinfirm tem contemplado na implantação de protocolos para a lavagem de dinheiro e antifraudes, uma plataforma cuja operação é confiável e compatível com outros sistemas financeiros.

O Centro Espacial da Califórnia visa criar um desenvolvimento de tecnologia de laboratório blockchain para criar aplicativos voltados para o desenvolvimento do espaço, mas dizem que estão cientes de qualquer proposta a ser feita por outras empresas.

O projeto foi nomeado em sua homenagem em honra de Nicolás Copérnico, o cientista de origem polonesa que desenvolveu o modelo heliocêntrico, indicando forte evidência astronômica e geométrica que a Terra e os outros planetas se movem em torno do Sol, e não vice-versa como muitas pessoas pensam. Esta teoria contida em livros foi vetada pelas autoridades religiosas da época e mais tarde desenvolvido por outros físicos notáveis, como Galileo.

No que diz respeito aos blocos da cadeia de desenvolvimento de tecnologia, esta nova iniciativa objetiva para além do alcance que a blockchain já tem na nossa sociedade e indústria, a expansão, literalmente, para o espaço exterior.

Kim Dotcom: MegaUpload2 – BitCache será a tendência do Bitcoin

Mesmo que o julgamento de Kim Dotcom para extradição pelos Estados Unido continua na Nova Zelândia, Kim é sempre otimista e está avançando com seus planos de negócios. Ele está fazendo um progresso significativo em seu programa MegaUpload2 / BitCache, chamando-o não apenas um site ou aplicação, mas sim um “movimento”. Nosso site vai te manter informado com as últimas notícias sobre o futuro aplicativo, ao qual Kim Dotcom acredita que vai sozinho, mudar o Bitcoin para sempre.

Bitcoin está pronto para o mainstream?

Muitos da comunidade se preocupam com a capacidade do Bitcoin se tornar o mainstream, e quando acontecer isso, se o protocolo consegue lidar com o fluxo de transações. Kim Dotcom diz que o BitCache é a chave para levar o Bitcoin a novas alturas, pelo menos, com base em seu histórico.

bitcache&megaupload20

– Imagem fornecida pelo MegaUpload 2 / BnkToTheFuture

BitCache foi feito para tornar o compartilhamento de arquivos on-line e microtransações desses arquivos o próximo aplicativo mais usado na Blockchain para 2017, se não antes. Como a Blockchain está lutando para lidar com o alto volume de transações que atualmente usa, um novo sistema tipo “off-chain’’ transações precisa ser criado, e Kim Dotcom o chama de BitCache.

Kim diz que já que o Blockchain não dá conta de lidar com os negócios do Bitcoin, seu projeto vai entregar. Esta é uma necessidade. Uma grande quantidade de microtransações serão tratadas off-chain, a um custo médio ou padrão de transação de U$0,05, algo que atualmente é impossível com ferramentas disponíveis para o um webmaster mediano.

Alguns podem rotular Kim Dotcom como um fanfarrão que está apenas exagerando um novo empreendimento, mas seu histórico dá-lhe credibilidade. Sua empresa MegaUpload originalmente foi avaliada em U$ 2,4 bilhões antes do Governo EUA derrubar o site.

Seu atual esforço de financiamento coletivo no BnkToTheFuture para MegaUpload2 / BitCache também está indo muito bem, chegando a quase U$ 1 milhão de dólares com um objetivo mínimo, pago até agora exclusivamente por investidores em Bitcoin. Kim tinha solicitado aos investidores para usar Bitcoin exclusivamente. Somente na terça-feira (11/10), que começou a permitir transferências bancárias para facilitar o processo para os investidores, que não foram capazes de utilizar o Bitcoin por falta de experiência. O resultado da arrecadação sairá dia 24 de outubro.

“É mais do que o compartilhamento de arquivos. É sobre a liberdade na Internet. É sobre a tecnologia nos fornecer com os nossos direitos humanos básicos que as leis não estão protegendo mais. Estamos usando tecnologia para se certificar de que os usuários podem interagir de forma privada, que seus arquivos não são interceptados e espionados, como ja está acontecendo com Bitcoin. Quero Bitcoin seja grande, muito maior do que já é. Eu quero fazer isso pelos ‘Bitcoiners’, e se você me ajudar a ajudá-lo, teremos uma situação ganha-ganha.”

 

Fonte: Cointelegraph

Cryptobuyer.io e BlockPay anunciam expansão do Serviço na América do Sul

Toda semana nós lemos sobre a desafiadora condição de vida na América Latina. Recebemos relatórios de nossos embaixadores da BlockPay, que nos falam sobre a grande demanda por mais liberdade econômica e acesso a moedas digitais. Estamos ansiosos para avançar com a Cryptobuyer, e providenciar uma rede de infraestrutura para pagamentos digitais com nosso ponto de soluções de vendas da BlockPay.

Essa é nossa visão para fazer pagamentos digitais mais facilmente para todos. Com a BlockPay, todas as pequenas lojas, vendas, mercado de alimentos, restaurantes ou quiosques, podem começar a aceitar moedas digitais de graça. Os pagamentos levam alguns segundos e os fundos são protegidos contra roubos.

Christoph Hering Co-fundador e CEO da BitShares Munique IVS, disse:

“Nós estamos muito animados sobre nossa parceria com a Cryptobuyer e ansiosos para facilitar a vida das pessoas, com o nosso livre BlockPay POS em toda a America latina.”

Para mais informações acesse o blog ou entre em contato com os e-mails abaixo:
Jorge.F@blockpay.ch ou support@cryptobuyer.io
https://blog.cryptobuyer.io

Fonte: TheMerkle

Gigante do setor de energia elétrica da Alemanha passa a aceitar Bitcoin

size_810_16_9_lampada-ideia

Somente o tempo dirá quantos usuários adotarão o Bitcoin como o meio de pagamento para as suas contas de serviço público, diz Enercity que anunciou na sexta-feira – 16 setembro de 2016 – que os residentes Hanover agora pode pagar por seu uso de energia com a moeda virtual.

A CEO da Enercity, Dra. Susanna Zapreva, que fez o anúncio, disse que a digitalização já foi realizada em várias partes da vida cotidiana de seus clientes e a adoção do Bitcoin como um meio de pagamento é apenas um passo no caminho para futuro digital.

Em um comunicado oficial da companhia, foi dito que a digitalização já mudou toda a economia, o que inclui o setor de produção/distribuição de energia. Com base nisso, a empresa acredita que o sistema, as transações e as redes serão descentralizadas e capazes de agir de forma independente de instituições centrais no futuro.

Desta forma, o Bitcoin como meio de pagamento converge no que a Enercity considera como o futuro do mercado.

A Enercity – ou Stadtwerke Hannover AG – é uma empresa municipal que presta serviços essenciais para a população de Hanover, afinal, eles fornecem eletricidade, gás, aquecimento e água potável para toda a região. Eles possuem cerca de 2.500 funcionários e o volume de negócios gira em torno de 2,3 bilhões de euros, o que a torna uma das 10 maiores companhia de energia na Alemanha.

O Bitcoin será aceito como um pagamento que poderá ser realizado tanto no site da empresa quanto em terminais de auto-atendimento que serão distribuídos na cidade.

Em uma semana que houve notícias como a entrada do Bitcoin no iMessage e a retomada do projeto de pagamento em Bitcoin de uma construtora brasileira, essa notícia – agora de uma empresa alemã – é uma excelente notícia para todas as criptmoedas e para o universo fintech.