sábado , 25 março 2017

Bitcoin

Bitcoin em baixa enquanto outras altcoins seguem em alta

O Bitcoin, principal criptomoeda do mercado, teve uma queda abaixo dos U$ 1.000. Os rumores da divisão (hardfork) que está acontecendo deixou a comunidade com um certo temor.

Bitcoin não teve uma boa sexta-feira. No último dia útil da semana, às 17:00hs de Brasília, a criptomoeda teve um decréscimo de 6,41% em relação a ontem. O preço está em U$ 978 e fizeram U$ 416 milhões em operações. É impressionante o poder que a moeda perdeu no mês passado em relação à sua posição dominante na capitalização de mercado total de criptomoedas. Enquanto no início deste ano dominado por cerca de 90%, agora é de 67,8%, um dos momentos mais baixos.

Enquanto o bitcoin está na baixa, outras criptomoedas seguem em alta. Ethereum teve alta de 16,68% em relação a ontem e é negociado por U$ 48,89. Dash ganhou 4,94% e é cotado a U$ 104,56. O mais impressionante é o caso da Ripple, a moeda agora ocupa a quarta posição em valor de mercado. Ela custa U$ 0,009 e está 20,06% mais cara que ontem.

Também houve aumento nos preços de Monero, Ethereum Classic e Litecoin, mas foi menor. O que chama atenção é a situação do Litecoin, a moeda no ano passado ficava entre o terceiro e quarto  lugar, agora está em sétimo maior mercado.

E você, opera ou investe em alguma dessas criptos? Deixe nos comentários.

Compre e venda bitcoins de maneira rápida e segura na maior corretora de bitcoins da América Latina: https://foxbit.com.br

CEO do BitPay diz: Softfork agora, Hardfork depois

Nos últimos meses, o co-fundador e CEO do Bitpay, Stephen Pair, tem defendido um método seguro e não contencioso para a escalabilidade da rede Bitcoin. Em um post informativo em seu blog, Pair revelou sua visão, em uma abordagem cautelosa para escalabilidade da rede bitcoin.

Solução de escalabilidade

Basicamente, o Stephen acredita que uma escalabilidade baseada em um fork suave é a solução mais benéfica para a rede e a comunidade. Dessa forma elimina a possibilidade de um fork mais agressivo, o que inevitavelmente levaria a uma divisão de blockchains.

Enquanto alguns forks mais agressivos como os forks na rede Ethereum executados no final de 2016, no qual permitiu que a rede implementasse algumas mudanças de forma segura, com a tensão atual entre Segregated Witness (Segwit) e Bitcoin Unlimited, uma possível divisão de blockchains é inevitável, caso aconteça um Hardfork.

“Um desafio muito importante que devemos resolver é como atualizar com êxito o Bitcoin de uma maneira segura, deliberada e não duvidosa. E precisamos ser capazes de atualizar o Bitcoin porque nenhum organismo pode viver com seus próprios resíduos.” Stephen Pair.

Segundo Stephen, o método ideal para escalar a rede bitcoin, é começar com a ativação de um fork suave para impor novas regras na rede. Em seguida os desenvolvedores podem iniciar outro fork, para depreciar o uso do bloco antigo e por fim, executar um hardfork para soltar o bloco antigo e adotar o bloco secundário como a estrutura de bloco principal.

O limite padrão para uma implementação de um Softfork é ter uma aceitação de 95% dos mineradores na rede. Para Segwit passar a fase de adoção de ativação, 95% da rede além dos mineradores devem atualizar seus Full nodes para suportar Segwit.

Embora Stephen não tenha deixado claro qual solução de escala é a favor, hoje a Copay, carteira Bitcoin na plataforma do Bitpay, suporta o Segwit. Pair esclareceu que a abordagem mais segura e viável para escalar a rede bitcoin é adotar um softfork em primeiro lugar, ou seja Segwit, e seguir em frente a partir daí.

Se o Segwit for ativado pelo progresso de atualização seguro e não controverso, o roteiro para desenvolvimento será o seguinte:

  1. Segwit será ativado e aceito pela rede ou operadores de Full nodes
  2. Os mineradores adotarão Segwit, rejeitando blocos que não são válidos ou aplicáveis ​​ao Segwit
  3. Segundo fork suave é executado para depreciar o uso do bloco antigo
  4. Um hardfork é executado para soltar o bloco antigo

No entanto, a maioria das principais exchanges, incluindo Bitstamp, Bitfinex e BTCC estão planejando considerar Bitcoin Unlimited (BU) como uma altcoin, não como bitcoin.

Portanto, mesmo no caso de um fork agressivo por Bitcoin Unlimited, a equipe de desenvolvimento Bitcoin Core, bem como a comunidade ainda pode seguir o roteiro de escalabilidade apresentado pelo CEO do Bitpay, Stephen Pair.

Diante de todos esse empasses, qual sua opinião, sobre a visão do CEO do Bitpay?

Compre e venda bitcoins de maneira rápida e segura na maior corretora de bitcoins da América Latina: https://foxbit.com.br

Bitcoin Unlimited falha em todos os critérios para um hard fork sustentável, diz BitGo

A startup de Bitcoin para negócios BitGo declarou que o Bitcoin Unlimited (BU) “falha em todos os critérios para um hard fork sustentável” no atual cenário.

Acrescentando sua voz ao debate sobre a escalabilidade do bitcoin, a empresa disse em um post que não apoiaria um hard fork.

“A BitGo considera qualquer hard fork que é lançado sem o consenso dos mineradores e portanto, divide a rede para ser um altcoin, não Bitcoin em si”, afirma o post.

“Isto é independentemente de quanta força hash a moeda dividida pode ter.”

Dizendo que qualquer derivado de um hard fork duvidoso seria tratado como um altcoin, BitGo reflete o consenso declarado por muitas exchanges de Bitcoin existentes, lançado em uma declaração pública na semana passada.

Citando três critérios a serem cumpridos para que um fork seja reconhecido – “um mecanismo de ativação claro na cadeia”, “uma forte proteção de repetição bidirecional” e “proteção de apagamento”, a BitGo afirmou que o BU não tem nenhum deles .

“Na verdade, ele falha em todos os três critérios”, diz o post.

“… Como tal, não seremos capazes de fornecer suporte para um hard fork causado por Bitcoin Unlimited na sua forma atual. Se a equipe Bitcoin Unlimited empreender os esforços necessários para fazer o fork de forma sustentável, nossa posição sobre isso mudaria em conformidade.”

Deixe sua opinião sobre esse debate nos comentários.

Compre e venda bitcoins de maneira rápida e segura na maior corretora de bitcoins da América Latina: https://foxbit.com.br

Diferenças entre Segwit e Bitcoin Unlimited

Como explicado no nosso último artigo O que é fork? Qual a diferença entre Softfork e Hardfork?existe uma diferença básica entre essas duas implementações no código do blockchain.

Segwit

Existe uma implementação apelidada de Segwit no código do Bitcoin Core, um fork que corrige alguns problemas de maleabilidade de transações, aumenta um pouco a capacidade do bloco para o dobro de transações e vai facilitar a adição de novas funcionalidades na linguagem de script, dentre outras melhorias. O Segwit seria um primeiro passo para facilitar que o Bitcoin seja usado como plataforma pra contratos “offchain”, como por exemplo a Lightning Network, que é capaz de fazer inúmeras transações por segundo, praticamente sem taxas e sem usar a blockchain na maioria das vezes.

O Segwit será ativado por um Softfork. Isso significa que os blocos com Segwit seriam considerados válidos pelos programas antigos e a rede só aceitaria os blocos novos depois que 95% dos blocos minerados, por duas semanas, estivessem todos marcados com a versão do Segwit. Ou seja, é uma transição bem calma e com baixos riscos.

Em paralelo, existe uma outra versão modificada do Bitcoin chamada de Bitcoin Unlimited, que permite a mineração de blocos maiores que 1MB.

Bitcoin Unlimited

Um grupo de mineradores está apoiando a iniciativa do Bitcoin Unlimited e rejeitando a Segwit, sob o pretexto de que ela pode trazer bugs pro sistema e provavelmente porque acham que contratos offchain significariam menos lucros para eles, que ganham dinheiro com as taxas das transações onchain.

O Bitcoin Unlimited trata-se de um Hardfork. Segundo os planos da ViaBTC, caso 75% da rede minere blocos com a versão do Bitcoin Unlimited (atualmente está em 33%), a “luz amarela” vai ficar acesa por cerca de um mês. Se durante este mês a taxa de 75% for mantida, será liberado na rede o primeiro fork real:  Na primeira vez na história do protocolo Bitcoin, vai ser minerado um bloco de tamanho maior que 1MB! 

O Bitcoin Unlimited promete ser um portão aberto para Blocos Excessivos maiores que 1MB, que no Bitcoin Core, antes ficam órfãos: o nodo da Bitcoin Unlimited lida com “Grandes” Blocos, simplesmente deixando eles passarem e serem verificados pelos nodos, adicionando-0s na cadeia de blocos.

Veja agora, como o Bitcoin Core lida com blocos com mais de 1 MB:

Existe um paradigma criado no Bitcoin Core que proíbe que blocos com mais de 1 MB (blocos em vermelho) sejam processados. Esses blocos nunca são adicionados na cadeia de blocos, portanto, ficam órfãos.

Agora vejamos como o Bitcoin Unlimited, um Hardfork do Bitcoin Core, trabalha com blocos maiores que 1 MB:

Este paradigma criado pelos desenvolvedores do Bitcoin Unlimited, permite que blocos com mais de 1 MB sejam processados (blocos em vermelho). Segundo os desenvolvedores, deixar blocos órfãos como na versão antiga, pode causar lentidão na rede, portanto essa implementação é necessária.

Blocos maiores, significam maior poder de processamento.

Eis que surge um dilema: a preocupação da comunidade sobre a conservação do caráter descentralizado da rede se o Unlimited for implementado. Segundo os defensores do Bitcoin Core, o Bitcoin Unlimited limita a capacidade de processamento dos pequenos mineradores, que sempre irão sair prejudicados pelos tamanhos dos blocos, agora grandes de mais para serem processados por computadores com baixo poder de processamento.

A comunidade também afirma que, com o passar do tempo, os mineradores menores vão saindo à medida em que os blocos forem aumentando. No longo prazo, vão sobrar poucos e grandes mineradores, que vão monopolizar o sistema.

Os nodos que estiverem rodando o Bitcoin Core, vão ignorar a nova versão, pois o considerarão inválido por ter menos blocos anexados.

Os nodos que estiverem rodando o Bitcoin Unlimited, vão aceitá-lo e incluí-lo na sua blockchain. A partir deste momento existirão DUAS CÓPIAS da blockchain, sendo que uma delas tem este bloco a mais.

Isso significa que quem tinha bitcoins na blockchain tradicional vai ter os mesmos bitcoins na blockchain do Bitcoin Unlimited. Ou seja, sim, você terá, magicamente, o dobro de bitcoins, em duas redes diferentes. BTC e BTU.

Imediatamente algumas pessoas vão começar a trocar essas moedas nas corretoras (como a Poloniex, Foxbit e dezenas de outras) e o preço delas vai variar.

É possível que, ao longo do tempo, uma delas morra e a outra sobreviva como sendo “o Bitcoin verdadeiro”. Ou talvez uma vire apenas uma altcoin sem muita significância. Ou até talvez ambas morram ou ambas valorizem. (quem realmente sabe o que vai acontecer, que compre uma bola de cristal).

Um evento semelhante aconteceu no projeto Ethereum (ETH), quando uma parte da rede rejeitou um Softfork e então a alternância de objetivo do projeto passou a ser um Hardfork, dando origem a uma nova moeda: o Ethereum Classic. (ETC).

Independente do que acontecer, vai ser no mínimo um evento interessantíssimo na história da humanidade e na história do Bitcoin. 

É um privilégio estarmos participando dele!

Comente sobre esse tema polêmico na seção de comentários abaixo!

Créditos ao Narcélio Filho.

Plano da ViaBTC: https://medium.com/…/miner-guide-how-to-safely-hard-fork-to…

Sobre o Bitcoin Unlimited: https://medium.com/@bitcoinunlimited/um-port%C3%A3o-para-blocos-excessivos-como-o-nodo-da-bitcoin-unlimited-lida-com-grandes-blocos-c9de25bf519e#.qaeur33s2

Compre e venda bitcoins de maneira rápida e segura na maior corretora de bitcoins da América Latina: https://foxbit.com.br

O que é fork? Qual a diferença entre Softfork e Hardfork?

Recentemente surgiu um importante debate já discutido outras vezes na comunidade bitcoin: o embate sobre os forks.

Bom, mas o que são “forks”?

Resposta: são bifurcações. Bifurcações são a divisão ou separação de alguma coisa em dois ramos ou braços; é o ponto em que se dá uma divisão ou uma separação.

bitcoin fork
Um exemplo de bifurcação em uma estrada.

Então dentro do contexto do Bitcoin, um fork é uma bifurcação da rede blockchain. É uma divisão. Para entendermos o que significa uma bifurcação em uma cadeia de blocos, vamos recapitular o conceito de como a cadeia de blocos é estruturada.

Primeiro vamos entender quais são os principais agentes responsáveis pelo funcionamento e manutenção do blockchain. São eles:

1 — Os usuários.  —  São os indivíduos responsáveis por transacionar a criptomoeda, por meio dos mineradores.

2 — Os mineradores.  —  São os computadores ou ASIC’s responsáveis por validar as transações dos usuários e inseri-las em um bloco, para depois, mandar esse bloco para um nodo (node ou nó) validar.

3— Os nodos.  —  São os computadores responsáveis por escanear e armazenar os novos blocos, anexando-os na Blockchain, que é baixada de forma descentralizada e tem constante atualização.

Um nodo só aceita um novo bloco se todas as transações que estão dentro dele são válidas e não há gasto duplo  —  portanto preservando a principal propriedade monetária do Bitcoin, que é ser um dado não replicável.

Os blocos tem no máximo 1 MB de transações.

A blockchain atualmente tem mais de 107 GB de blocos com transações.

A blockchain, está constantemente sendo baixada pelos nodos, e os nodos por sua vez estão espalhados pelo mundo de uma forma totalmente descentralizada como na imagem a seguir:

bitcoin fork
Rede blockchain sincronizada antes de um Fork.

Como transações estão sendo constantemente adicionadas aos blocos; 

Os blocos constantemente adicionados a blockchain; 

E a blockchain mais longa da rede, sendo baixada pelos nodos;

Existem nodos que recebem a blockchain, com um certo atraso.

O resultado disso, é que as blockchains que estão sendo armazenadas nos nodos, não são constantemente iguais. Um nodo pode ter determinadas informações que outros não tem.

bitcoin fork

Para resolver isso, cada novo nodo da rede, sempre procura baixar a blockchain que tem a maior quantidade de blocos anexados à cadeia. 

A blockchain mais completa é também conhecida como a “corrente de blocos mais longa”, ou a “corrente com a maior dificuldade de trabalho acumulada”.

Na próxima imagem, em azul, há uma representação de uma blockchain com a maior dificuldade de trabalho disponível.

Toda a área marcada em azul representa uma Blockchain com a maior prova de trabalho. Esta blockchain fica armazenada dentro de um nodo.

Nesse caso, toda a rede de novos nodos que estão baixando a blockchain e tentando inserir um bloco nela, convergem para um nodo e baixam a blockchain dele, que possui a cadeia de blocos que tem a maior prova de trabalho.

Esses nodos que contém blocos novos, são como candidatos competindo para formarem uma nova blockchain maior e atualizada. Quando conseguem achar a maior blockchain em outro nodo, ela é baixada e acrescentam seus blocos nela, e podem propagar uma nova blockchain para outros nodos que querem fazer o mesmo.

Porém, nesse processo, pode haver um conflito bem raro, chamado de fork.

Toda a vez que um fork ocorre, quer dizer que vão haver dois nodos distintos querendo adicionar o seus blocos validados a uma mesma blockchain.

Assim que o nodo consegue adicionar o bloco a blockchain, ele é recompensado com a capacidade de formar uma nova blockchain e propaga-la pela rede.

Essa competição pela inserção do bloco validado na blockchain antiga e pela propagação da nova blockchain pode eventualmente dividir a rede.

Eventualmente, isso acontece sob condições normais, sempre que dois mineradores resolvem o algoritmo de prova de trabalho com uma diferença de tempo muito pequena, ou quando há uma mudança de objetivo no desenvolvimento da plataforma.

O que resulta nisso:

Se acontecerem forks, é devido a:

1  —  Inconsistências temporárias entre as versões da blockchain.

2  —  Por uma mudança de propósito do desenvolvimento da plataforma.

Geralmente, os embates de bifurcação acabam sendo resolvidos com a re-convergência, à medida que mais blocos são adicionados a uma das ramificações dessa bifurcação.

Os nodos sempre vão escolher a maior blockchain, que no caso se torna a vencedora.

No exemplo da imagem, o nodo que queria inserir o Bloco Rosa na blockchain, pode incorpora-lo à blockchain compatível, estendendo a totalidade da toda a rede que possui a maior prova de trabalho, ou a maior capacidade de mineração e validação das transações.

Por isso, quando maior quantidade de blocos validados de uma blockchain, maior é a sua chance dos nodos preferirem baixar e replicar essa blockchain.

Enquanto isso, na blockchain que tem menor quantidade de blocos, outros nodos irão enxergar ela como secundária.

É teoricamente possível que uma bifurcação se estenda em dois blocos. Se os dois blocos forem encontrados quase que simultaneamente por mineradores nos “lados” opostos da bifurcação anterior.

Entretanto, a chance disso acontecer é muito baixa. Enquanto uma bifurcação de um bloco pode ocorrer semanalmente, uma bifurcação de dois blocos é extremamente rara.

Sendo assim, irão surgir duas versões concorrentes.

No final, o que importa é que os nodos sempre irão escolher propagar a blockchain que possui a maior prova de trabalho.

Fork no desenvolvimento

Um fork no desenvolvimento de um software refere-se ao evento de um projeto independente girando entorno de um projeto inicial de um determinado software.

Esses forks ocorrem, por vezes, na esfera do open-source, quando existem planos ou metas inconciliáveis dentro da comunidade de um projeto, que muitas vezes levam a uma divisão de objetivos na comunidade.

A partir daí, dois projetos distintos são formulados e diferentes perfis de pessoas apoiam cada um dos dois.

É o caso da recente polêmica do fork do mais recente do Bitcoin Core e o Bitcoin Unlimited. Ele como os outros forks que a rede bitcoin já teve que enfrentar, como o Bitcoin Classic e o Bitcoin XT, está rendendo rumores e especulações.

Na prática os forks de desenvolvimento se originam do código fonte inicial do que está se copiando. O projeto segue sendo desenvolvido só que em uma direção diferente.

Por exemplo, neste sentido, Litecoin é um fork do Bitcoin: começou como uma cópia da base de código do Bitcoin, mas se desenvolveu em um projeto independente (embora ainda estreitamente relacionado).

Diferenças entre Softfork e Hardfork

Os termos Softfork e Hardfork são termos usados para descrever o nível da capacidade e da convergência da comunidade em romper de forma simultânea e sincronizada algumas das mudanças no protocolo Bitcoin.

Se a comunidade estiver irreconciliavelmente dividida sobre tal questão, a versão antiga e a nova versão do Bitcoin podem emergir como projetos diferentes depois dessa discussão.

Embora ambas as versões do protocolo Bitcoin estejam em uso, as diferenças na aceitação, podem causar uma cadeia de blocos paralela e duradoura, isto é, duas blockchains longas e distintas que são ambas consideradas válidas por determinada parte da rede.

Softforks

Softforks são implementações compatíveis com versões anteriores do Bitcoin Core e são de consenso de toda a comunidade.

Isso quer dizer que os nodos antigos do Bitcoin Core, aceitarão receber blocos criados por nodos novos que estão atuando com o novo parâmetro estipulado pela comunidade.

Com um Softfork, somente os mineradores terão que atualizar a plataforma, ou então eles vão acabar na blockchain perdedora. Usuários e comerciantes podem continuar executando nodos antigos, que agora aceitarão os blocos mais recentes que os mineradores encontrarem.

Softforks procuram preservar o código original, fazendo com que pequenas mudanças no código, sejam implementadas no projeto original, todas elas, aceitas pela comunidade de desenvolvedores, nodos, usuários e mineradores.

As novas regras permitem que um novo subconjunto derivado dos blocos válidos anteriormente, faça parte da cadeia de blocos original.

Portanto, todos os novos blocos são considerados válidos pela versão mais recente além de também serem validados por quem roda a versão antiga.

Hardforks

Hardforks são incompatíveis com versões anteriores do Bitcoin Core e são implementações baseadas no código antigo que podem ser completamente modificadas ou então ficarem menos rígidas.

Pode ou não ser de consenso de toda a comunidade. A diferença está mais na mudança das regras do protolcolo como um todo, e não em uma pequena parte alterada do código.

Um hardfork facilitam as regras de aceitação de blocos tornando os blocos previamente criados pelo Bitcoin Core, inválidos na nova versão.

O novo código não é compatível com versões anteriores, uma vez que as versões mais antigas não aceitarão os novos blocos, fazendo com que os usuários do antigo código permaneçam indefinidamente na sua própria blockchain.

O que você acha sobre os forks?

Comente sobre esse tema recentemente debatido pela comunidade Bitcoin, na seção de comentários abaixo!

Muito obrigado!

Compre e venda bitcoins de maneira rápida e segura na maior corretora de bitcoins da América Latina: https://foxbit.com.br

Como Bitcoin está transformando a indústria de cassinos online

Bitcoin é uma criptomoeda que surgiu no final de 2008, como uma alternativa aos sistemas de moeda tradicionais.

Comparando as moedas tradicionais como Euro e dólar em relação ao Bitcoin, vê-se claramente uma grande vantagem no Bitcoin – não é regulada por um banco central, é determinado pelo livre mercado em vez da política monetária de um banco central.

A inúmeras histórias sobre o uso de Bitcoins – sua filosofia e desenvolvimento é bastante interessante, especialmente considerando uma oportunidade em usar como sistema para processar transações de pagamentos em jogos onlines.

Depósitos e saques de forma fácil

Processar pagamentos, efetuar depósito e retirada, esta se tornando cada vez mais popular em todo o mundo, incluindo a indústria de jogos online. É o que vem ocorrendo com cassinos online, que usam exatamente este método para retirar e depositar dinheiro. É uma forma de pagamento super rápido, ao contrário dos métodos bancários tradicionais: pagamentos eletrônicos, cartões de débito/crédito, PayPal, etc. Que só atrasam o envio de dinheiro para as contas dos jogadores.

Devido ao fato de que todas as transações são feitas facilmente dentro do menor período de tempo, os jogadores se sentem mais confortáveis ​​usando este método de pagamento ao jogar em cassinos Bitcoin, em vez de cassinos com métodos de pagamento com moedas fiduciárias.

Os melhores cassinos

Os primeiros cassinos de Bitcoin surgiram em 2012, contudo a maioria dos jogadores estavam preocupados sobre a segurança e a qualidade. Mas ao longo dos anos,  Bitcoin provou que é um sistema de moeda legítimo e absolutamente extraordinária para uso, o que levou a ser integrado como meio de pagamento nos principais cassinos online.

Sites de jogos na Internet que estão usando meios de pagamento Bitcoin são mais profissionais e estabelecidos em comparação com aqueles com formas tradicionais. O tempo das transações, que duravam semanas duradouras é a coisa do passado. Ninguém gosta de sistemas antigos: nem os cassinos , nem os jogadores, apenas os bancos. No entanto, tudo agora está nas mãos da comunidade auto-regulada.

Além dos pagamentos rápidos, os cassinos online que usam Bitcoin, também oferecem aos clientes: máquinas caça-níquéis, jogos de mesa, entre outros jogos. Jogar nesses sites permite, ver interfaces agradáveis, design profissional e criativo, segurança, suporte ao cliente bem treinado e muitos outros detalhes que fazem parte integrante desse mercado.

O futuro

Hoje em dia os cassinos Bitcoin estão se tornando cada vez mais popular entre as pessoas em todo o mundo, devido as óbvias vantagens e benefícios. Mas e o futuro? Eles continuarão crescendo ou desaparecerão com o tempo?

De acordo com os desenvolvedores, tais cassinos só irá prosperar e crescer no mundo do jogo online graças ao seu substituto perfeito, suporte, valor e qualidade.

São oferecidos aso jogadores possibilidades surpreendentes para jogar em cassinos na internet com qualidade que não teria como disponibilizar em um espaço físico, bem como fazer transações rápidas. Não há mais necessidade de esperar semanas para os pagamentos serem aceitos. Basta começar a apostar em sites confiáveis ​​de jogos online que usem Bitcoin.

E você! Qual sua opinião sobre o mercado de cassinos online usando bitcoin?

Compre e venda bitcoins de maneira rápida e segura na maior corretora de bitcoins da América Latina: https://foxbit.com.br

Envie e receba bitcoins de forma fácil com Mobi

Provavelmente uma das maiores dificuldades para quem está conhecendo o bitcoin, é ter a árdua tarefa de se preocupar em guardar várias chaves privadas, realizar backups e por aí vai.

Solução simples

Mobi

Mas talvez você esteja se perguntando se não existe alguma solução, que possa ser útil nessas horas. Foi pensando nisso que a BTC China (BTCC), considerada maior exchange da China, que desde o início de janeiro de 2017 vem trabalho em uma carteira bitcoin, a Mobi –  Carteira Bitcoin.

Versão beta disponível para Android e iOS

A carteira Mobi está disponível para Android e iOS e suporta até 15 idiomas, inclusive o português do Brasil. Ao fazer o download, ela vincula o número do seu celular com o qual você baixou o aplicativo.

Os usuários podem escolher a moeda que deseja trabalhar e podem converter entre 100 moedas, incluindo o dólar dos Estados Unidos, a libra britânica, o euro, o ouro, real e o bitcoin.

Funcionalidades da Mobi – Carteira Bitcoin

A funcionalidade que chama bastante atenção é a possibilidade do usuário converter bitcoins em mais de 100 moedas fiduciárias disponível no app.

Mobi - Moedas disponiveis

Além disso, através do app ainda é possível, realizar pagamentos através de uma conta do twitter ou usando o próprio número do celular, mas não se preocupe é possível  também receber ou enviar pagamentos através do seu endereço bitcoin, que é criado quando você configura a carteira Mobi.

Cartão visa Mobi

Cartão visa Mobi

A carteira Mobi ainda conta com um cartão de débito visa, que usa o saldo da sua carteira Mobi, podendo ser gasto em qualquer estabelecimento que aceita a bandeira Visa.

Atualmente o saldo do cartão permanece em dólar, durante os 3 primeiros meses não é cobrado nenhuma taxa, o único valor cobrado é de US$9,00, que é a taxa de envio do cartão, o valor é cobrado direto de sua carteira Mobi, então antes se solicitar o cartão visa mobi, você tem que tem saldo disponível em sua conta.

Após os três meses de uso, serão é cobrado uma taxa de US$2,00/mês pelo uso deste cartão. Confira todas as taxas cobrada pelo Cartão Visa Mobi.

Mais como tudo isso funciona?

Usando um Blockchain privado, Mobi permite que os usuários enviem moedas  para qualquer um dos 2 bilhões de outros usuários de smartphones sem a necessidade que eles realmente criem uma carteira.

Esta abordagem de blockchain privado é semelhante a que é vista para as transferências on-exchange, por exemplo: Você deposita real em uma exchange, a própria plataforma faz um registro que você tem um saldo em real, sendo assim este registro está disponível somente dentro da plataforma que você realizou o depósito.

Além disso, Mobi faz o envio Bitcoin mais rápido e mais barato. Atualmente a taxa de rede paga ao minerador para incluir sua transação no próximo bloco é de 0,0001 BTC, este valor já está configurado na Mobi, e que inclusive não pode ser alterado. Como falei anteriormente todas as transações entre usuários Mobi as transações são offchain, envio instantâneo.

Inclusive essa é uma funcionalidade que está disponível na Smart Wallet da coinBR, que além de realizar transferência offchain (não faz registro da transação no blockchain), quando o usuário envia bitcoins para outro endereço que não seja da Smart Wallet, a fee de rede é paga pela própria coinBR. Para detalhes e informações da Smart da coinBR, confira nosso post Conheça a Smart Wallet coinBR – Sua Próxima Carteira de Bitcoin.

Mais informações sobre a Mobi – carteira Bitcoin

E ai, o que achou da carteira Mobi da BTC China? Deixe abaixo sua opinião.

Compre e venda bitcoins de maneira rápida e segura na maior corretora de bitcoins da América Latina: https://foxbit.com.br

Bitcoin tem alta de U$ 1.050 durante o debate de divisão da rede

O preço do Bitcoin começou a semana com uma pequena elevação, que começou durante o domingo à noite, registrando uma alta de U$ 1063 no índice de preço da Bitstamp (BPI).

A incerteza e o debate em curso sobre as soluções de escalabilidade do Bitcoin com SegWit ou Bitcoin Unlimited, contribuíram para uma volatilidade significativa no preço da criptomoeda nos últimos dias.

Uma declaração no final da semana passada por um grupo importante de exchanges, revelou um plano de contingência que consiste na listagem do Bitcoin Unlimited como uma criptomoeda alternativa (altcoin), com seu próprio token. Após a notícia o preço do bitcoin teve uma queda brusca, perdendo quase um quinto de seu valor. O ponto mais baixo foi no sábado sendo negociado por U$ 938.

Os preços do Bitcoin em grande parte ficaram abaixo dos U$ 1.000 até domingo de tarde, antes de sinais de uma recuperação. Os dados do BPI mostram que o preço chegou aos U$ 998 às 13:30 no domingo (HDB), antes de ganhar U$ 30 na próxima hora. Chegou a ter uma elevação para U$ 1063 as 18:00. Ainda é muito cedo para dizer se U$ 1.000 é o novo nível de suporte.

Às 07:00, o preço do bitcoin ficou em U$ 1011,72 antes de um período movimentado de negociação que ajudou o preço a alcançar um máximo de U$ 1053 às 11:15 de hoje. No momento dessa postagem, as negociações se mantêm  estáveis com o preço pairando em U$ 1047.

bitcoin

Março é o mês dramático do bitcoin em 2017, começando com um recorde histórico de U$ 1230 e superando a paridade com o a onça do ouro. Até o final da primeira semana deste mês, o bitcoin ultrapassou U$ 20 bilhões em capitalização de mercado, antes de tomar um breve tombo para U$ 1150 depois que as bolsas chinesas adiaram a suspensão de retiradas de bitcoin indefinidamente.

No momento dessa postagem, o preço do bitcoin está logo acima de U$ 1050 em média, nas principais bolsas. Essa recente volatilidade deve continuar enquanto o debate sobre a escalabilidade de soluções entre o SegWit e o Bitcoin Unlimited continua.

Confira o gráfico do preço do bitcoin ao vivo, clique aqui.

Compre e venda bitcoins de maneira rápida e segura na maior corretora de bitcoins da América Latina: https://foxbit.com.br

Bitcoin Core vs Bitcoin Unlimited

Um dos tópicos mais quentes na indústria bitcoin agora é se os usuários devem ou não suportar Bitcoin Core ou Bitcoin Unlimited. É uma escolha difícil de fazer, embora ambas as soluções afirmam trabalhar para o mesmo objetivo final. Vamos ver o que ambos têm para oferecer e como eles são diferentes.

BITCOIN UNLIMITED

Quando este projeto foi anunciado pela primeira vez, ele ganhou apoio significativo de alguns dos membros mais proeminentes na indústria bitcoin. Roger Ver, Wu Jihan, e alguns outros sentiram que o Bitcoin Core não estava tomando as medidas necessárias para fazer bitcoin em grande escala. Bitcoin Unlimited propõe um modesto aumento de tamanho de bloco, embora os detalhes específicos serão determinados pelos próprios usuários da rede por meio de um consenso.

Bitcoin Unlimited se baseia no que Bitcoin XT e Bitcoin Classic tentaram fazer no passado. Dando aos mineiros a opção de configurar o tamanho dos blocos que validarão, o Bitcoin Unlimited está fazendo as coisas de forma muito diferente do Bitcoin Core. O tamanho padrão ainda é um megabyte, mas o tamanho máximo de geração é uma opção totalmente personalizável. Os nós de rede têm uma opção semelhante para determinar quais blocos eles validarão e quão grandes eles podem ser.

Como seria de esperar, Bitcoin Unlimited ganhou o apoio das maiores pools de mineração. No entanto, a comunidade de mineração é apenas uma parte da rede global. Os provedores de serviços, os intercâmbios e os operadores de carteira não estão muito interessados ​​no que a Bitcoin Unlimited propõe. Sem esse apoio crítico, as chances de êxito da BU são limitadas.

BITCOIN CORE

Ao longo dos últimos nove anos, Bitcoin Core sempre foi o principal ramo do desenvolvimento. Mesmo que a influência de Blockstream tenha crescido muito, a companhia é também responsável para financiar uma parcela grande de todo o progresso do desenvolvimento do bitcoin. Apesar de fornecer este incentivo, a influência de Blockstream permaneceu um tanto limitada.

Levou algum tempo para o Bitcoin Core descobrir uma solução de dimensionamento, que é apresentado sob a forma de SegWit . Os adeptos do Bitcoin Unlimited sentem que o SegWit não fornecerá as capacidades de escala necessárias, razão pela qual desenvolveram a sua própria solução. A Segregated Witness também estabelecerá as bases para a Rede Lightning , embora esse conceito ainda exija muito trabalho. O objetivo é codificar um limite de tamanho de bloco na rede bitcoin, ao invés de dar aos proprietários de nó e aos mineiros uma escolha livre sobre esse assunto.

Para ser mais preciso, os simpatizantes da BU sentem que o tamanho do bloco permanecerá codificado em seu tamanho de 1MB, condenando o blockchain para se tornar uma rede de liquidação que rivaliza com o SWIFT. Embora isso é um dos problemas que os desenvolvedores do Bitcoin Core precisam abordar. Apesar da falta de um “roadmap” oficial, praticamente todos os prestadores de serviços populares sentem que SegWit é o caminho certo a percorrer, em vez de usar a proposta da Bitcoin Unlimited.

Qual sua opnião sobre a proposta da Bitcoin Unlimited e do Bitcoin Core? Deixe a gente saber nos comentários abaixo.

Compre e venda bitcoins de maneira rápida e segura na maior corretora de bitcoins da América Latina: https://foxbit.com.br

Preço do Bitcoin cai mais de 700 Reais – Qual motivo?

O preço do Bitcoin sofreu uma queda, perdendo mais de 7% em valor na sexta-feira e mais de R$ 6,2 bilhões em capitalização de mercado, nas últimas 48 horas. Chegou a cair abaixo de R$ 3300 pela primeira vez em quase um mês.

Confira também: Exchanges de Bitcoin revelam plano em caso de divisão da rede.

Aparentemente, as empresas mais poderosas na comunidade Bitcoin sentem que uma divisão de rede (fork) está se tornando inevitável. A declaração de ontem certamente atordoou o mercado de investimento. Muitas das principais bolsas de Bitcoin do mundo, incluindo Bitfinex, Shapeshift, BTCC, Kraken, Bitstamp e dez outras divulgaram uma declaração detalhando seus planos de contingência se houver uma divisão de rede. Aqui está um trecho da declaração (você pode ver em sua totalidade aqui):

“Se uma divisão de rede ocorrer, a implementação do Bitcoin Core continuará a ser listada como BTC (ou XBT) e a nova rede do Bitcoin Unlimited seguirá listado como BTU (ou XBU), mas não sem proteção de transações repetidas adequada. Faremos isso não por julgamento ou por razões filosóficas, mas sim por considerações práticas e operacionais.”

Quem ganha com este cenário

Quem está se beneficiando mais com esta questão que está em debate? Alguns estão dizendo aos principais meios de comunicação que Ethereum é o maior beneficiário, apontando a recente alta.

Confira também: Ethereum bate R$ 125, queridinha do mercado de altcoin sobe quase 50%

Aurélien Menant, CEO Gatecoin, disse à CNBC :

Os traders de Bitcoin podem ter tentado compensar de alguma forma o impasse da divisão do Bitcoin, e o Ethereum parece ser a alternativa a mais promissora. Os volumes de BTC-ETH subiram, e atualmente estão rivalizando com a liquidez de negociação de moeda bitcoin-fiat.

Na opinião de alguns, as pessoas estão usando Dash como uma proteção contra o drama do impasse na rede Bitcoin, e os números de ontem mostram isso.

E olha só quem apareceu

Houve uma citação interessante de uma fonte inesperada sobre a possível divisão do bitcoin, o antigo CEO da Mt. Gox. Mark Karpeles tuitou: “No caso de divisão do bitcoin, exchanges terão que suspender retiradas e mover moedas para evitar ataques de repetição de transações.”

Confira também: Dash rompe barreira inédita de $100 Dólares.

E o preço do Bitcoin volta ao patamar que estava antes? Quem você acha que está se beneficiando mais com o cenário atual? Deixe seu comentário abaixo.

Compre e venda bitcoins de maneira rápida e segura na maior corretora de bitcoins da América Latina: https://foxbit.com.br