domingo , 30 abril 2017

Arquivos do Autor: Eduardo Guimarães

Sou um amante de inovação, moedas digitais, tecnologia e marketing. - Gostou do meu conteúdo e quer me apoiar, pague-me um café ☺ Ƀ: 3PpkwjUrvDWa6YEtSMXCGLPorkDs6CrYGQ

SWIFT testa Hyperledger para transações via Blockchain

A Sociedade para Telecomunicações Financeiras Interbancárias Globais (SWIFT) anunciou que utilizará o Hyperledger como base para simplificar transações internacionais.

Num teste em conjunto com um grupo bancário da Austrália e da Nova Zelândia – o BNP Paribas, BNY Mellon entre outros – a SWIFT busca utilizar o Blockchain para atualizar suas práticas num mercado de pagamentos internacionais em constante evolução.

No anúncio da SWIFT, em sintonia com muitas instituições do setor bancário, faz referência à chamada “tecnologia da ledger (livro-razão) distribuída” (DLT).

Damien Vanderveken, Chefe de pesquisa e desenvolvimento, SWIFT Lab e UX da SWIFT, comentou em um comunicado de imprensa ontem (25/04/17):

“Estamos muito animados para iniciar o teste com o conceito DLT com os bancos participantes. Este é um grande passo e outro exemplo de como a SWIFT e a indústria podem trabalhar em conjunto para resolver desafios de negócios, com uma mentalidade inovadora e colaborativa.”

Membro da diretoria da Hyperledger há algum tempo, a SWIFT vem considerando uma mudança para soluções de fintech inovadoras.

O Futuro da SWIFT

Com o Bitcoin e as criptomoedas, sabemos que se a rede SWIFT não se adaptar ao novo mercado, num futuro próximo ela poderia se tornar extinta, já que está usando uma tecnologia que está ficando obsoleta.

O que você acha disso? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

Quer receber as notícias em primeira mão? Participe do nosso canal no Telegram: https://t.me/criptomoedasfacil (@criptomoedasfacil)

Como pagar boleto com Bitcoin – Via Smart Wallet coinBR

Nesta matéria vamos explicar passo a passo como pagar uma conta / boleto usando bitcoin. Como já mencionamos  aqui no Criptomoedas Fácil, a Smart Wallet da coinBR possibilita desde a compra de bitcoins até pagamentos de contas. Confira alguns serviços disponíveis:

  • Pagamentos de contas e boletos.
  • Recargas de celulares.
  • Recarga do Cartão Xapo.
  • Compra e venda de bitcoin sem nenhuma taxa.
  • Depósito em R$ com Boleto.
  • Comissão de 0,1% por indicação de novos usuários.

Para efetuar o pagamento do seu boleto é muito simples. Basta seguir os passos abaixo.

Pagando o boleto:

Passo 1:

Clique no ícone em amarelo (pagar contas).

Passo 2:

Escolha com qual criptomoeda deseja pagar sua conta, Bitcoin ou Zcash.

Passo 3:

No destino, escolha a opção pagar conta.

Passo 4:

Digite no campo de dados a linha digitável do boleto / conta. Adicione o valor caso não atualizar automaticamente. Após isso, insira o valor de desconto do boleto, se não houver desconto deixe 0 (zero), e por fim escolha uma descrição se quiser (apenas para seu controle).

Passo 5:

Insira seu PIN de segurança criado no cadastro.

Passo 6:

Pronto, boleto pago!

Taxas

Em poucas palavras, não existem taxas na Smart Wallet, isso mesmo não há nenhuma taxa envolvida, inclusive a fee de rede, ela é paga pela própria coinBR. O melhor ainda está por vir, caso você realize o envio de bitcoin para outra pessoa que usa também a Smart Wallet, sua transação será offchain, confirmada instantânea, graças ao algoritmo da plataforma.

Assista ao vídeo demonstrativo abaixo, em que é feito o pagamento de uma conta de luz comum:

Quer receber as notícias em primeira mão? Participe do nosso canal no Telegram: https://t.me/criptomoedasfacil (@criptomoedasfacil)

Treta: Criptomoeda promete anonimato total, e integração com a rede Tor. Será?

Tor é uma rede descentralizada e de código aberto, que permite usuários em todo o mundo tenham total anonimato na internet, roteando endereços de IP entre vários nodes (nodos).

Já a TorCoin é uma criptomoeda lançada agora, dia 10 de abril, e que diz ser integrada com a rede Tor e que eleva anonimato para outro nível. A criptomoeda anônima, usa o algorítimo proof-of-work (PoW) X11 que permite os mineradores apoiarem a rede TorCoin. Parece uma boa, não é mesmo? Será?

O anonimato emergiu como uma das preocupações mais críticas para os usuários de criptomoedas. O TorCoin permite que os usuários tenham a certeza de que suas transações não podem ser rastreadas.

Diferente do bitcoin, a TorCoin está totalmente integrada com o Tor, os hackers não podem saber quem está usando a moeda. Os usuários do TorCoin não podem descobrir o endereço físico do node do outro usuário TorCoin. A moeda oferece mensagens criptografadas de ponta a ponta entre os usuários.

Certo, e qual a treta?

Particularmente eu não indicaria esta criptomoeda como um investimento. Por que não? O desenvolvedor dela já é conhecido na comunidade de criptomoedas, e mal visto no fórum bitcointalk por muitos usuários.

Carsen Klock é conhecido por desenvolver várias criptomoedas, e na primeira oportunidade que ele tem, ele despeja todas as moedas dele no mercado e abandona o projeto. O pior de tudo é que ele mesmo admite isso. E vai mais longe ainda, pelas próprias palavras dele: “As criptos não são reais, são commodities digitais falsos”. Veja abaixo na íntegra o comentário:

torcoin

Talvez até seja uma moeda com um diferencial incrível, com uma ótima rede, envios rápidos, etc. Pode até ser que um dia ela seja bem usada. Porém neste momento é um risco altíssimo investir nessa altcoin. Não podemos afirmar com toda certeza que esta é apenas mais uma “shitcoin”, mas tudo indica que sim. Isto somente o tempo dirá.

Abaixo alguns links úteis:

Tópico ANN da TorCoin: Veja aqui.
Comentário do Carsen: Veja aqui.
Aviso de scam: Veja aqui.

O que você acha disso? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

Quer receber as notícias em primeira mão? Participe do nosso canal no Telegram: https://t.me/criptomoedasfacil (@criptomoedasfacil)

Nasdaq quer investir até U$ 10 milhões em Startups Blockchain

A bolsa de valores de Nova Iorque Nasdaq, está a procura de startups blockchain. As empresas farão parte do programa de investimento Nasdaq Ventures.

Nasdaq Ventures

O anúncio feito hoje diz que o programa visa identificar, colaborar e investir em empresas que forneçam soluções com blockchain, bem como startups focadas em inteligência artificial, análise de dados de próxima geração e aprendizagem de máquinas. O programa pode chegar a investir inicialmente U$ 10 milhões em startups relevantes.

Adena Friedman, presidente e CEO da Nasdaq, disse em um comunicado:

“Com o lançamento do nosso novo programa de investimentos, estamos reforçando nosso foco em impulsionar o crescimento e a inovação, avaliando, distribuindo, licenciando e integrando tecnologias de ponta para o benefício a longo prazo de nossos clientes.”

O programa de investimentos da Nasdaq começou oficialmente no final de 2015, e desde então tem se associado estrategicamente com diversas startups, como o provedor de infraestrutura blockchain Chain.com.

A bolsa de valores tem testado o blockchain em outros projetos também.

Em fevereiro de 2016 Nasdaq revelou que estava testando com a Estônia um protótipo para votações eletrônicas via blockchain. Apóis isso, em janeiro a Nasdaq divulgou um relatório dizendo que o teste foi um sucesso.

Para ver o anúncio oficial, em inglês, clique aqui. Para possíveis oportunidades de colaboração e investimento entre em contato com ventures@nasdaq.com

O que você achou da iniciativa da Nasdaq? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

Quer receber as notícias em primeira mão? Participe do nosso canal no Telegram: https://t.me/criptomoedasfacil (@criptomoedasfacil)

Bitfinex com problemas: Depósitos suspensos, saques atrasados

Primeiro a Wells Fargo suspendeu as transferências bancárias em dólares americanos da Bitfinex. Agora o problema são os depósitos. “Pausando os depósitos em dinheiro na Bitfinex” é o título do anúncio feito no site da exchange. Os saques em dólares americanos estão atualmente atrasados, e todos os depósitos em fiat foram desativados na exchange.

Bitfinex tem transferências suspensas

A Bitfinex fez um anúncio em seu site na segunda-feira de manhã, afirmando que:

“A partir de 18 de abril de 2017, todas as transferências bancárias para Bitfinex serão bloqueados e recusados por nossos bancos de Taiwan. Isso se aplica a todas as moedas fiduciárias neste momento. Assim, pedimos aos clientes para evitar transferir para nós, até novo aviso.”

A empresa ainda não revelou o motivo do banco suspender as transferências. Tudo o que sabemos é que atualmente é impossível sacar ou depositar moeda fiat da exchange. Após o anúncio, Bitfinex tuitou:

“Enquanto desenvolvemos ofertas de moeda adicionais, estamos desabilitando depósitos em dólares americanos até novo aviso.”

Saques suspensos

Grande parte da configuração bancária da Bitfinex foi revelada em um documento judicial contra Wells Fargo & Company e Wells Fargo Bank em 5 de março. Ele afirma que os fundos dos clientes estão em quatro bancos em Taiwan; Banco Comercial Hwatai, Banco KGI, Primeiro Banco Comercial e Banco Taishin.

Wells Fargo estava atuando como um banco correspondente para os quatro bancos de Taiwan. As transferências de saída para clientes dos EUA, enviados pela Bitfinex de um dos bancos com sede em Taiwan, eram processados pela Wells Fargo antes de serem depositados nas contas dos clientes. Como a Wells Fargo suspendeu as transferências bancárias da Bitfinex, os clientes que estavam retirando dólares americanos estavam sofrendo atrasos.

A Bitfinex ainda se pronunciou dizendo: “Continuamos a trabalhar em soluções alternativas para clientes que desejam depositar ou retirar moeda fiat, e estamos fazendo progressos nesse sentido”. A exchange não deu uma estimativa de quanto tempo levaria para que os saques voltem ao normal.

Alerta: Seu Bitcoin pode estar disponível para CIA e criminosos, segundo vazamentos no Wikileaks

O site Wikileaks divulgou informações sobre ferramentas e técnicas de “hacking” da CIA, no maior vazamento de documentos confidenciais da agência. Alguns de vocês que estão lendo isso, provavelmente estão sendo monitorados sem saber. Se não é pelo governo, é por criminosos que tiveram acesso às ferramentas da CIA. Veja aqui como avaliar sua vulnerabilidade, e o que fazer sobre isso.

O que é “Vault 7”?

Já foi noticiado aqui no Criptomoedas Fácil antes. O “Vault7” é o codinome do Wikileaks para uma série de vazamentos de documentos importantes e confidenciais sobre as técnicas de monitoramento digital (e-surveillance) e guerra cibernética (cyber-warfare) da CIA. Não se sabe quantos serão ao todo, mas até agora temos um total de quatro vazamentos.

  • 7 de março: “Year Zero” (ano zero) contém mais de 8.000 documentos ou mais de centenas de milhões de linhas de código – que exerce toda a capacidade de hacking da CIA.
  • 23 de março: “Dark Matter” (matéria negra) documenta vários projetos da CIA para infectar os computadores Mac da Apple, e explica como a CIA ganha na “persistência” nos dispositivos Apple, incluindo Macs e iPhones, e como é usado o EFI / UEFI e o malware de firmware.
  • 31 de março: “Marble Framework” (estrutura de mármore) oferece 676 arquivos de código-fonte para o programa da CIA, que tem como objetivo de impedir investigadores forenses e empresas de anti-vírus responsabilizem a CIA por ataques hacker, vírus e / ou trojans.
  • 7 de abril:Grasshopper” (o gafanhoto) contém 27 documentos da CIA sobre uma plataforma usada para construir malwares personalizados para sistemas operacionais Microsoft Windows.

O “Year Zero” é o mais interessante para usuários do bitcoin, pois documenta perigos próximos e reais. O “Grasshopper” também é importante de se examinar.

Quais dispositivos são vulneráveis à invasão da CIA?

Este vazamento do Wikileaks reiterou algo que a gente já desconfiava: Nossos dispositivos não são 100% seguros. Não importa o tipo de criptografia que usamos, não importa quais aplicativos de “mensagens seguras” nós utilizamos, não importa quão cuidadosos somos ao ativar a autenticação de dois fatores (2FA). A CIA  (e devemos assumir que outros hackers também) pode invadir nossos sistemas operacionais, assumir o controle de nossas câmeras e microfones, e fazer o que bem entender com nossos telefones. O mesmo pode ser dito das Smart TVs, que podem ser programadas para registrar nossas conversas na sala de estar sem a gente perceber.

Tenso isso, né? Calma que não acabou.

Smartphones

A revista Reason até fez um alerta sobre o perigo:

“De acordo com a Wikileaks, os documentos mostram que a CIA tem uma unidade especializada em roubar dados de aparelhos da Apple, como o iPhone e o iPad, e outra unidade para o sistema operacional Android do Google. Essas unidades criam malwares que exploram brechas de seguranças, os quais as empresas que desenvolvem os sistemas comprometidos não têm ciência.”

PC Backdoors

A CIA podem supostamente infectar computadores que rodam Windows XP, Windows Vista e Windows 7. Mac OS e Linux são relatados como afetados também.

Weeping Angel

O site CNET relata que o Weeping Angel (anjos lamentadores) é uma ferramenta de espionagem desenvolvida pela CIA e pela agência de segurança britânica MI5, que simula o desligamento da Samsung Smart TV (especificamente, a Smart TV F8000). Desta forma ela grava as conversas do ambiente sem você saber, mesmo aparentando estar desligada. Embora existam evidências do desenvolvimento desta ferramenta desde 2014, não há nenhuma prova de sua conclusão.

Matéria da BBC sobre espionagem das Smart TV’s:

O Weeping Angel não pode afetar diretamente o uso do bitcoin, mas demonstra como agências governamentais estão monitorando a população com certa facilidade.

O verdadeiro problema: Os criminosos

A maioria das pessoas não devem ser alvo da CIA, ou mesmo de agências governamentais com as quais as ferramentas de monitoramento foram compartilhadas, como a Receita Federal. O problema é que a CIA parece ter perdido o controle de suas próprias ferramentas, incluindo vírus, malwares e trojans. As estratégias, ferramentas e códigos aparentemente circulam livremente entre antigos contratados, e hackers do governo dos EUA, que não têm autorização ao acesso.

A NBC News publicou uma entrevista com o fundador do Wikileaks, Julian Assange: “Assange ridicularizou a CIA por não ter conservado bem as informações sobre seu arsenal online, permitindo que ele fosse passado ao redor da comunidade de inteligência. Foi assim que o material acabou nas mãos do Wikileaks, e possivelmente de criminosos”.

Veja a entrevista abaixo:

Devemos assumir que as ferramentas de hacking estão em mãos privadas. A CIA pode considerar você insignificante para te ter você como alvo. Vale lembrar que criminoso não têm preconceito.

E meu bitcoin, como proteger?

  1. Evite empresas, dispositivos e sistemas operacionais específicos mencionados no Vault 7. O Wikileaks compilou uma impressionante lista de empresas, produtos, ferramentas e termos que são mencionados na publicação Vault 7. Veja agora se seus aparelhos aparecem na lista aqui.
  2. Algumas empresas como a Mozilla, prometeram corrigir as vulnerabilidades, e Assange forneceu incentivos. Uma manchete do Washington Examiner (18 de março) dizia, “Wikileaks ameaça revelar o nome das empresas de tecnologia que não responderam ao pedido de ajuda contra a invasão da CIA.
  3. Não abandone a criptografia. Ela ainda oferece a melhor opção segura de transmissão.
  4. Se seus dispositivos iOS e Android estiverem comprometidos, seus aplicativos também serão afetados porque os dados podem ser captados antes da criptografia. Use um software de código aberto sempre que possível. Richard Stallman do Projeto GNU explicou num post: “Os softwares privados tendem a ter características maliciosas. A questão é que nunca podemos saber se um programa é malicioso, se os usuários não têm acesso ao código-fonte. Portanto, você deve considerar cada programa privado como potencial malware.” (O núcleo do Android é de código aberto, mas em alguns casos é adicionado um código fechado em cima dele.)
  5. Mantenha pessoas desconhecidas fisicamente longe de seus dispositivos. Algumas das ferramentas reveladas, parecem exigir uma interação física.
  6. Atualize seus sistemas operacionais para a versão mais recente. A empresa pode ter corrigido as brechas de segurança, e seu sistema atual pode não aceitar atualizações de segurança. Outra alternativa é mudar para um aparelho celular mais antigo, que não seja smart.
  7. Use um programa antivírus. Se um backdoor foi instalado com a cooperação da empresa, um malware pode não ser detectado, muito menos removido por atualizações de segurança.
  8. Não basta desligar os dispositivos. Um especialista em segurança sugere tratar microfones como se fossem armas. Sempre considere que eles estão carregados e os desligue da tomada e bateria.

O que você acha disso tudo? Deixe seu comentário na seção abaixo:

Microsoft Office agora pode certificar e verificar documentos na Blockchain do Bitcoin e Ethereum

Não é de hoje que a Microsoft tem dado certa atenção para aplicações relacionados ao Bitcoin. Desta vez a empresa anunciou a implementação do complemento Stampery blockchain para o seu pacote Microsoft Office.

Basicamente os usuários poderão certificar e verificar documentos usando o blockchain do Bitcoin ou Ethereum. A Microsoft acredita que as organizações empresariais e os indivíduos precisam registrar e proteger documentos importantes todos os dias. A certificação e verificação imutáveis são cruciais para a integridade de documentos legais e contratos que não podem ser manipulados, explica a Microsoft.

“Uma alternativa para confiar numa única entidade (comercial, pública, governo, etc.) para manter essa prova de identidade segura é criado um hash do documento e esse hash é enviado para o blockchain publicamente acessível, como Bitcoin,” diz a publicação da Microsoft.

Uma vez que o hash dos documentos estão presentes no blockchain público, ele não pode ser alterado sem invalidar o hash. Essa abordagem garante a privacidade do documento e a disponibilidade dos dados para fins de validação futura.

blockchain

Como o programa Stampery funciona usando o Microsoft Office.

Certificação e verificação no blockchain sem sair do Office

A Microsoft diz que eles utilizaram uma API segura para introduzir o add-in Stampery para o Microsoft Office e Outlook sem sair do programa. Isso significa que os botões de certificação e verificação na blockchain podem ser encontrados na barra de ferramentas do software. A Microsoft detalha como o processo funciona na interface do usuário da plataforma;

  • Certificação: Pressionando o botão de certificação chama uma função JavaScript no Office. Essa função cria o hash do documento e envia o hash sha-256 para um servidor Node.js como um REST call, portanto o documento nunca deixa Office. O servidor Node.js é executado como um Azure App Service e mantém uma cópia do hash para posterior verificação antes de chamar a Stampery API com o hash. O serviço Stampery então coloca o hash no blockchain público do Ethereum e do Bitcoin.
  • Verificação: Pressionando o botão de verificação chama a função JavaScript do processo de certificação novamente, que cria o hash do documento e o envia para o servidor Node.js como um REST call. O servidor Node.js em seguida, chama a Stampery API para acessar o hash original do documento em ambos blockchains.

Os botões de certificação e verificação do Stampery podem ser acessados dentro do aplicativo do Office sem precisar sair.

A melhor solução para clientes individuais e empresas

A Microsoft acredita que a adição do Stampery à plataforma Office permitirá aos usuários empregar um método mais seguro de armazenamento de documentos. Além disso, a empresa de tecnologia acredita que os clientes empresariais vão achar o recurso muito útil, já que a aplicação poderá garantir a validade de uma documentação importante da empresa.

O add-in Stampery Office é de código aberto, e o protocolo pode ser revisto no Github.

O que você achou dessa nova ferramenta? Será que vai afetar serviços tipo cartórios? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

Bitcoin deve ultrapassar a barreira dos U$ 1300 para ser um ativo de investimento

Vinny Lingham, um franco empreendedor, definiu o bitcoin mais como uma ferramenta de especulação do que um recurso de investimento neste momento. Esta é uma questão que vem sendo discutida a tempos, e que sempre vem à tona com a alta do bitcoin.

Não é investimento, ainda

Vinny é o cofundador da Gyft, Silicon Cape e CEO da CivicKey. Ele já se posicionou contra um hard fork do bitcoin. Neste momento no entanto, ele acha que o bitcoin ainda tem natureza especulativa por causa de seu futuro nebuloso. “É um ativo especulativo por causa de todo o conflito em torno da escalabilidade. Não há um caminho claro para a frente”, disse Lingham.

O empresário sul africano de internet e investidor de capital de risco acredita que o bitcoin só se tornará um ativo de investimento quando ele ultrapassar a barreira dos U$ 1.300 sustentavelmente. Isso vai acontecer em breve? Vinny acredita que não.

Adoção do SegWit

“Para que o preço do bitcoin possa quebrar sustentavelmente a barreira dos U$ 1.300, precisamos adotar o SegWit”, disse Vinny. Na opinião dele, será preciso um soft fork para ver o bitcoin passar para o nível de classe de ativos de investimento.

Sobre o efeito do SegWit ainda não estar ativo, Vinny comentou:

“Na verdade, eu não estou certo sobre o resultado. Esse é apenas minha opinião e por este motivo, é especulativo. Não há nada certo pela frente neste momento.”

A recuperação do preço do bitcoin

No mês passado o preço do bitcoin teve um mergulho doloroso depois de iniciar 2017  tão bem e fazer ganhos admiráveis. Ele caiu para cerca de U$ 920 em março, com muitos especialistas, incluindo Vinny Lingham, advertindo a comunidade dos riscos de se guardar bitcoins demais.

A boa notícia é que no meio do debate da escalabilidade do bitcoin nas últimas duas semanas, o preço da criptomoeda voltou a subir novamente. Atualmente, ele está em torno de U$ 1.200.

E você considera já considera o bitcoin como um investimento? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

Porsche anuncia concurso que oferece mais de R$ 80 Mil para Startup Blockchain

A fabricante de automóveis alemã Porsche está buscando empresas para explorar a tecnologia Blockchain.

De acordo com uma publicação, Porsche lançou semana passada um concurso de startups blockchain que visa atrair companhias que trabalham com a tecnologia, como parte de uma oferta para testar potenciais aplicativos.

É a primeira vez que a Porsche tornou público o seu interesse na tecnologia.

A montadora está oferecendo € 25.000 (aproximadamente R$ 83 mil no câmbio atual)  em dinheiro de premiação, bem como um período de três meses no SpinLab, uma encubadora com base em Leipzig, Alemanha. As inscrições para o concurso devem ser entregues até 15 de maio. Para participar do concurso, clique aqui.

A empresa disse em comunicado:

“Porsche quer participar dessa tecnologia inovadora que é a blockchain, colaborando com a cena das Startups. A questão central é saber até que ponto a aplicação desta tecnologia na cadeia de criação da empresa faz sentido. Além disso, outras formas de potencial colaboração a longo prazo serão investigadas.”

Esse não é o primeiro anúncio de um concurso com Startups Blockchain.

Em fevereiro desse ano, o governo de Dubai fez um concurso parecido, oferecendo uma premiação de U$ 20.000 para o primeiro colocado.

Ethereum: Vitalik Buterin apresenta Metropolis, fork do ETH

Vitalik Buterin esteve recentemente em uma reunião do Ethereum em Singapura. Ele esteve lá para fazer uma apresentação sobre Metropolis, o próximo fork previsto da rede.

Metropolis está no roteiro do Ethereum faz algum tempo. Devido a imprevistos, como o hack da DAO, desenvolvedores (devs) do Ethereum foram forçados a se desviar dos planos originais. Esse desvio levou os devs a trabalharem na melhoria do cliente principal, e no foco do aumento da segurança do sistema em geral.

Agora que as coisas se acalmaram, e a plataforma Ethereum é muito mais segura, os principais devs podem se concentrar em melhorar o protocolo e avançar para a Metropolis. Em sua apresentação, Vitalik mostrou algumas das melhorias mais que estão sendo trabalhadas atualmente para o Ethereum. Ele falou sobre o progresso feito com litght clients e implementações mobile, e listou todos os protocólos de melhoria do Ethereum (Ethereum Improvement Protocols – EIP) que seriam publicados no lançamento da Metropolis. Esses EIPs são:

EIP 86 (“conceito”)

• Tornar o protocolo o mais simples possível

• Qualquer conta na cadeia de execução de chamadas pode pagar o gas

• Em vez de apenas a conta que enviou a transação

• Um destinatário, ou conta intermediária, poderia pagar o custo do gas

• Ajuda o anonimato, em vez de precisar usar apenas uma conta para pagar pelo gas

EIP 98 (remoção de intermediate state roots)

• Objetivo: tornar mais fácil o processamento de transações em paralelo

EIP 96 (EVM-ificação)

• Tente tornar os light clients mais seguros

EIP 100 (alvo tempo do bloco incluindo credores)

•  Security upgrades

EIP 101 (Pré-compilação inteira grande)

• Facilitar a verificação de determinados tipos de criptografia

• Ethereum suporta criptografia de curva elíptica

• A criptografia RSA é usada por outros, e atualmente é computacionalmente ineficiente para verificar em Ethereum

EIP 116 (STATIC_CALL)

• Sob consideração

• Pode chamar um contrato e se certifique de que não está mudando nada; Não escrever para o estado atual.

EIP 195 (Chamada pura)

• Versão ainda mais estática do STATIC CALL

• Não é possível escrever ou ler

EIP 140 (lançar opcode)

• Lança uma exceção sem consumir todo o gás restante

EIP 141 (opcode inválido)

• Não é uma alteração de protocolo

Embora exista um roteiro para a Metropolis, uma variável desconhecida é exatamente a quantidade de recursos que serão incluídos nela. Se houver uma crise de tempo, apenas os recursos mais importantes serão implementados, enquanto o restante terá que ser reservado para um fork posterior.

O roteiro de pesquisa da Ethereum está focado em três coisas: privacidade, escalabilidade e segurança. No que diz respeito à privacidade, os devs estão trabalhando duro, e mais animado por, zk-SNARKs. Eles estão trabalhando ativamente com a equipe Zcash para implementar provas de zero-knowledge na plataforma. Embora ainda seja muito cedo para Vitalik prometer um cronograma para zk-SNARKs, ele estima que mais de 80% da comunidade de desenvolvedores estão satisfeitos com seu progresso e estão trabalhando para chegar a um consenso sobre questões em aberto nos próximos meses. Existem algumas falhas que a Fundação e os principais desenvolvedores ainda estão tentando descobrir as soluções.

Detalhes da apresentação de Vitalik:

•  zk-SNARKs permitem provar coisas sobre dados criptografados sem revelar nada sobre os dados, exceto para a afirmação de que está provando

• É uma tecnologia muito poderosa

• Mas tem algumas fraquezas

• Como a necessidade de uma “configuração confiável”

• A criação e verificação de provas zk-SNARK requer acesso a uma chave de configuração

• Mas essa chave de configuração deve ser gerada por pessoas

• A chave é feita de informações secretas

• As informações secretas devem ser apagadas para proteger a chave de configuração

• Se não excluído, ele pode ser usado para criar transações inválidas

• As configurações multipartidárias redusem isso

• Não consegue parar o elemento humano 100%, em relação a potenciais agentes maliciosos

• Quantidade de tempo para gerar uma prova

• Cerca de 40 segundos em um computador

• Cerca de 5-10 minutos em um telefone celular

Em relação à escalabilidade, a Metropolis tentará resolver o problema através de uma mudança em consenso do algoritmo Proof-of-Stake (PoS), que por sua vez abrirá as portas para futuras melhorias de escalabilidade, como o sharding. Mas antes que isso aconteça, os devs precisam fazer algo a respeito da bomba relógio dentro da Ethereum.

Essa bomba relógio, ou mais precisamente uma bomba de dificuldade, está definida para tornar a mineração cada vez mais difícil, até que se torne impossível de minerar as transações, congelando a rede. O pensamento inicial era que forçaria uma mudança para um algoritmo Proof-of-Stake, mas devido ao desvio dos trabalho desenvolvedores como resultado do hack do DAO, a “era do gelo” está se aproximando rapidamente. Se nada for feito para melhorar este processo, o tempo do bloco atual é de 14 segundos, e aumentará para 15,8 segundos em cerca de três meses. Em seis meses, o tempo do bloco chegará a 28 segundos e continuará a aumentar exponencialmente depois disso. Casper, o algoritmo PoS do Ethereum vem sendo desenvolvido, com cerca de um ano de atraso, embora Vitalik afirmou que também foi cerca de um ano mais avançado em termos de propriedades que tem agora. Conseqüentemente, uma das características do fork Metropolis será adiar a era do gelo.

Quando se trata da segurança da rede Ethereum, a Casper tem melhores propriedades de segurança do que o algorítmo Proof-of-Work (PoW). Isto é alcançado principalmente eliminando a habilidade dos atacantes ricos, de simplesmente comprar equipamentos de mineração mais poderosos para dominar a rede. Ter que guardar ETH para minerar ETH, garante que a rede funcione sem problemas e no melhor interesse de um validador. Validadores são o equivalente aos mineradores no PoS.

A apresentação de Vitalik detalhou o roteiro de Casper:

• Roteiro do Casper:

• Finalizar o protocolo

• Testnet + verificar se o protocolo faz o que se pede

• Implementar em 7 clientes, continuar testnet

• Lançamento! … Uma vez cuidadosamente testado

• Espera-se que o roteiro dure aproximadamente um ano

• Empreendimento bastante substancial

• Os benefícios do PoS são grandes

• PoS é um trampolim para as coisas que eles querem fazer no futuro em relação a:

• Escalabilidade

• Protocolos de Sharding

• Melhorar a economia do protocolo

Falando em Proof-of-Stake, Vitalik mencionou quanto menor seriam as taxas de emissão de token, e isso significaria que os ativos se tornariam deflacionários. Proof-of-Stake também é melhor para lidar com mercados com oligopólios, em comparação com sistemas PoW. Ele continuou explicando no que o PoS vai mudar, e abordou o que poderia acontecer com mineradores após uma mudança de PoW para PoS, dizendo:

“Uma outra maneira que vai afetar as coisas: ele vai obviamente afetar o mercado de mineração, porque os mineradores terão que mudar para outra coisa. E você sabe que há outras coisas que os mineradores podem fazer, certo? […] Espero que se coisas como Swarm e Golem, e os mercados de computação, e mercados de armazenamento – se todos esses se saírem bem, então eu creio que a única opção para os mineradores é mudar de rede. Mas como você já sabe, isso exigirá que esses sistemas sejam construídos bem o suficiente para que muitas pessoas estejam dispostas a usá-los. “

No lado menos técnico das coisas, Vitalk abordou o crescimento do ecossistema Ethereum e como a equipe do Ethereum se expandiu no ano passado. Os “Desenvolvedores do núcleo do Ethereum” é uma categoria substancialmente mais ampla do que apenas pessoas empregadas pela Fundação Ethereum, e ampliar a comunidade é saudável para todo o ecossistema.

Vitalik também gostaria de ver uma governança mais descentralizada no futuro, com decisões sobre mudanças de protocolo que é o motivo da entrada de muitas pessoas, em vez de apenas alguns dentro da Fundação Ethereum. Vitalik apresentou Ethereum como um projeto descentralizado, dizendo que a Fundação quer que todas as camadas do projeto e do ecossistema sejam mais descentralizadas possíveis. Embora eles percebem que é bem difícil a contribuição das pessoas, a menos que elas saibam o que está realmente acontecendo. A maioria das pessoas não está ciente de todas as considerações de design diferentes na engenharia de software, ou as várias forças e fraquezas de diferentes sistemas e abordagens para resolver os problemas.

É por isso que a Fundação está tentando aumentar seus esforços educacionais, para que mais membros da comunidade possam interagir e contribuir construtivamente para a conversa.

Durante os próximos meses, os desenvolvedores do Ethereum irão avançar nos EIPs, decidindo qual será melhor para deixar pra mais tarde, enquanto avançam o mais rápido possível. Eles planejam continuar fazendo progressos em vários aspectos do ecossistema Ethereum em paralelo, principalmente em relação ao PoS, sharding e implementação de provas de zero-knowledge.

Vitalik espera que nos próximos 6-12 meses, Ethereum continuará a amadurecer e se tornar um “ecossistema blockchain muito maior e de qualidade superior do que era antes”. O vídeo completo desta apresentação principal pode ser visto abaixo:

O que você achou das propostas? PoS é um bom futuro pro ETH? Deixe seu comentário na seção abaixo:

Compre e venda bitcoins de maneira rápida e segura na maior corretora de bitcoins da América Latina: https://foxbit.com.br

Fonte: ETH News